Da base ao profissional: conheça a história do auxiliar que comanda o Caxias no começo da Série D - Esportes - Pioneiro

Versão mobile

 
 

Na casamata18/09/2020 | 18h11Atualizada em 18/09/2020 | 18h11

Da base ao profissional: conheça a história do auxiliar que comanda o Caxias no começo da Série D

Técnico Rafael Lacerda está suspenso e Jeferson Ribeiro irá ficar à beira do campo

Da base ao profissional: conheça a história do auxiliar que comanda o Caxias no começo da Série D Lucas Amorelli/Agencia RBS
Foto: Lucas Amorelli / Agencia RBS

O técnico Rafael Lacerda, do Caxias, não poderá comandar time à beira do gramado contra o São Caetano, neste sábado (19), na estreia da Série D. Além disso, também está fora do segundo jogo contra o Tubarão. Ele está suspenso. O treinador foi expulso após o término da partida contra o Manaus, no ano passado. 

Leia Mais
Como chegam os adversários do Caxias na primeira fase da Série D
Com estreia na zaga, Caxias está encaminhado para enfrentar o São Caetano

Após a denúncia e o julgamento realizado em setembro de 2019, o técnico foi suspenso por três jogos de competições organizadas pela CBF. Ele já cumpriu um. Lacerda ficou fora da partida contra o Botafogo, pela Copa do Brasil, e agora serão mais dois jogos sem ficar na casamata. O auxiliar técnico Jeferson Ribeiro estará à beira do gramado.

O profissional tem 37 anos e começou nas categorias de base do Caxias. Essa é a quarta passagem de Jeferson no clube. Se somar todas, são 10 anos. Ele retornou ao grená como auxiliar técnico em 2015 e continua na função.  No currículo, trabalhou em vários clubes como Galícia-BA, Corinthians-Al, Treze-PB, Olímpia-SP, Pelotas, Porto Alegre, Grêmio, Juventude, Guarany de Camaqua e Guarani de Garibaldi.

Essa será a terceira oportunidade de Jeferson comandar a equipe. Em 2016, após a saída do técnico Beto Campos, assumiu de forma interina no clássico contra o Juventude na Copa Larry Pinto de Faria. O duelo acabou empatado em 0 a 0. Neste ano, também ficou na casamata no empate em 1 a 1 contra o Botafogo pela Copa do Brasil. 

— A gente não encara como prejuízo. Claro que queríamos estar à beira do campo, podendo ajudar de alguma maneira, mas eu confio no Jeferson. Ele é meu auxiliar. Já trabalhavamos juntos antes de eu ser efetivado. Ele sabe a maneira como eu conduzo as partidas. Eu não posso acompanhar no estádio, nem ter comunicação. Eu vou a São Paulo, mas ficarei no hotel — comentou Lacerda. 

Leia Também
Com decisão do PSL, número de candidatos a prefeito sobe para 11 em Caxias

 
 
 
 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros