Atacante do Caxias afirma que adaptação ao estilo de jogo de Lacerda foi fácil - Esportes - Pioneiro

Versão mobile

 
 

Série D24/09/2020 | 16h26Atualizada em 24/09/2020 | 16h26

Atacante do Caxias afirma que adaptação ao estilo de jogo de Lacerda foi fácil

Jogador teve boas atuações nas duas partidas em que atuou pelo grená

Atacante do Caxias afirma que adaptação ao estilo de jogo de Lacerda foi fácil Vitor Soccol/Dinâmica Conteúdo
Foto: Vitor Soccol / Dinâmica Conteúdo

Após a estreia com vitória no Campeonato Brasileiro da Série D, o Caxias encara no próximo domingo (27) o Tubarão-SC, no primeiro jogo em casa na competição. No triunfo por 1 a 0 sobre o São Caetano, no sábado passado (19), a equipe grená até produziu para ter uma vantagem mais ampla sobre o rival. Esse detalhe, no entanto, não apagou a importância da arrancada positiva na competição.

Leia mais
"Minha ideia é jogar mais três anos, no mínimo", afirma goleiro do Caxias 

— Faltou ter mais um pouquinho de concentração, definir a jogada. Mas foi um bom resultado para a gente começar com o pé direito na Série D — afirmou o atacante Claudinho, que se mostra adaptado ao estilo de jogo utilizado técnico Rafael Lacerda:

— Não é muito diferente dos últimos trabalhos que tive nos clubes anteriores. Todo mundo ajudando atrás quando se perde a bola. Para mim está sendo tranquilo.

No duelo no ABC paulista, o grená teve um centroavante em cada tempo. No primeiro, Marcelo Campanholo foi o escolhido por Lacerda, enquanto Giovane Gomez foi a opção na volta do intervalo. Para Claudinho, os dois jogadores têm condições de colaborar de maneiras distintas:

— São características diferentes. O Marcelo é mais de sair da área, o Giovane é mais de segurar a bola. Mas quem jogar ali, vai ajudar muito.

Depois de enfrentar a equipe catarinense, o Caxias terá dois confrontos com gaúchos. Na quinta-feira (1°), vai à Zona Sul do Estado encarar o Pelotas e, no outro domingo (4), recebe o São Luiz no Centenário. A sequência de partidas, no entanto, não será motivo para ninguém se poupar no grená.

— Série D não tem como dosar. Vai no seu limite. Quem tiver sentindo mais, têm peças para repor. Nosso grupo é muito forte — concluiu Claudinho.

Leia também
Mesmo após fim da greve dos Correios, clientes de Caxias ainda precisam ter paciência até normalizar entregas 

 
 
 
 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros