Juventude estuda plano de ação para retomada das categorias de base - Esportes - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Custos30/05/2020 | 06h48Atualizada em 30/05/2020 | 06h48

Juventude estuda plano de ação para retomada das categorias de base

Inicialmente, equipe sub-20 deve ser a primeira a retornar, se estudo foi viável

Juventude estuda plano de ação para retomada das categorias de base Lucas Amorelli/Agencia RBS
Foto: Lucas Amorelli / Agencia RBS

O Juventude é formador e valoriza sua base, pois alguns jovens podem se transformar em bons nomes para o time profissional ou até em negociações para ajudar na saúde financeira do clube.  Porém, como não poderia deixar de ser, a pandemia teve reflexos na gurizada. As categorias de base do clube estão paralisadas desde o dia 16 de março, antes mesmo das deliberações e decretos restringindo as atividades. Os jogadores e profissionais foram liberados. A partir daí, os trabalhos passaram a ser realizados de maneira online para tentar minimizar os efeitos. 

Leia Mais
Juventude participa de reunião sobre volta do Gauchão sub-20

Agora, fica a incógnita: como o futebol de base irá conseguir retornar com tantos cuidados e protocolos que observamos no profissional? Pensando nisso, o Juventude está montando um plano de contingência para tornar viável uma volta segura.

– As atenções estão voltadas para o profissional e com toda razão, porque tem a inserção de patrocínios e verbas. A base não tem isso, a não ser nas negociações. Por uma posição da nossa direção da base, estamos fazendo um plano de segurança. Se voltarmos, o que isso vai gerar de custo para o clube com tantos protocolos de prevenção – explica o gerente de futebol das categorias de base do Ju, Lúcio Rodrigues.  

O Juventude faz um levantamento de todo o custo desse plano de retorno e as alternativas para colocar em prática. Inicialmente, por exemplo, se o clube não puder utilizar os alojamentos, poderá não ter o retorno de alguns atletas. Caso voltassem, teria que alugar apartamentos. Tudo isso é custo. Outras situações como transporte para treino, local para as atividades, refeições, isolamento nos vestiários e na rouparia, equipamentos de proteção individual e os testes estão sendo estudadas.

A categoria de base do Juventude possui 14 funcionários. Entre preparadores físicos e de goleiros e treinadores, são nove nas três categorias, sub-15, sub-17 e sub-20. Além disso, um massagista e uma rouparia para atender toda a base. Também há um gerente, um analista de desempenho, um assistente administrativo responsável pela logística e contratos e um captador de talentos. Com a pandemia e os cortes nas finanças, o clube adotou reduções para esses profissionais junto à medida provisória 936 do governo federal.

Ao todo são 120 atletas, sendo 29 com contrato profissional e seis que estão no profissional (goleiro Deuner, zagueiro Kelvin, lateral-esquerdo Dimitry, volante Lucas Serafini, meia Gilson e atacante Gabriel Aires).

– Temos 23 jogadores que tem que seguir a legislação, porque são funcionários com carteira assinada. Se nós tivermos que voltar, qual vai ser o cenário econômico para a base? Tudo isso pode ter uma demora. Será que equipes menores estarão preparadas na estrutura para não acontecer a contaminação? – questiona Rodrigues. 

Além da base, o Juventude tem um trabalho reconhecido na sua Escola de Futebol, que conta com jovens atletas, entre sete e 14 anos. As atividades também seguem suspensas para os pequenos.

– Numa perspectiva bem legal, com o Orlei Moraes, diretor da escola, o Cumerlato e o Fasoli, diretores da base, estamos nos aproximando bem. Nós entendemos que quando o jogador das escolinhas chega aos 12 anos, embora não tenhamos na base categoria 12, 13 e 14, temos como vincular através do documento de iniciação desportiva. O Contrato de Formação somente é permitido a partir dos 14 anos – destaca o gerente da base.

Retorno das competições

Lúcio Rodrigues, gerente das categorias de base do Juventude<!-- NICAID(14510753) -->
Lúcio Rodrigues está no clube desde abril do ano passado e está na segunda passagem pelo JuFoto: Gabriel Tadiotto / Juventude

Desde a queda do Juventude em 2018 para a Série C de 2019, o clube teve uma queda de 65% no orçamento nas categorias de base. Mesmo assim, manteve um trabalho de excelência sob o comando dos diretores Alexandre Fasoli, Antônio Cumerlato, Celso D’Agostini e Frederico Madalosso. O clube trabalha agora com o cenário de retorno das competições. 

Os estaduais sub-17 e sub-20 começariam em abril e o sub-15 em maio. No entanto, estão suspensos. Até aqui, existe apenas uma sinalização de retorno do sub-20 em setembro. 

– Nós tínhamos três cenários. Dois já passaram. Um em junho e outro em julho. Claro que a volta da competição em setembro, com toda a segurança, é muito mais tranquila. Vamos levantar os custos de tudo que significa voltar os treinos do sub-20 em agosto – diz Rodrigues.

Cada clube deverá analisar a sua situação financeira para ajustar o protocolo a ser implantado e, assim, definir se poderá ou não participar da competição. Quem não tiver condições de jogar, não será punido.

Leia Também
Nova reunião deve discutir retorno do futebol em Caxias do Sul


 
 
 
 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros