Contratações, séries e família: a rotina do técnico do Juventude na quarentena - Esportes - Pioneiro

Versão mobile

 
 

Em casa21/04/2020 | 20h32Atualizada em 21/04/2020 | 20h32

Contratações, séries e família: a rotina do técnico do Juventude na quarentena

Pintado está em Bragança Paulista, interior de São Paulo

Contratações, séries e família: a rotina do técnico do Juventude na quarentena Michel Sanches/Água Santa Divulgação
Foto: Michel Sanches / Água Santa Divulgação

O período de isolamento social tem sido importante para o técnico Pintado ajudar na montagem do elenco do Juventude para o restante da temporada. Na sua casa em Bragança Paulista, interior de São Paulo, ele participa ativamente na escolha dos nomes que farão parte do elenco alviverde. 

Leia Mais
"Não contratamos jogador por vídeo", diz técnico do Juventude

No entanto, a rotina não é só de conversas diárias com a direção e comissão técnica e monitoramento de possíveis contratações. O treinador também aproveita a família em casa, com a esposa Rosana e os filhos Aline, 32, e Luís Felipe, 27. Como lazer, gosta de assistir séries e filmes, e ajudar a esposa na cozinha. 

– Sou um grande lavador de louças (risos). Tenho a felicidade de casar com uma mulher muito companheira. A gente gosta muito de séries e filmes. Estou sempre junto ajudando. Tenho que tomar cuidado, se não vou pesar 200kg – brinca o treinador. 

A esposa Rosane é especialista em carnes, filés, risoto e massa. O treinador, aliás, é um fã da culinária italiana, característica da Serra Gaúcha.

– Confesso que me animou muito ir para o Juventude, sabendo que o vinho é bom, a comida é boa, o clima é o que mais gosto – disse o técnico, bem-humorado.

Além de ajudar na cozinha, Pintado também gosta de assistir conteúdos biográficos. Durante a quarentena, viu uma série documental sobre o presidente dos Estados Unidos: “Trump: um sonho americano”, onde pessoas próximas e críticos revelam como o audacioso empresário simboliza esse desejo de se tornar presidente dos EUA contra todas as previsões.

Além disso, acompanhou o filme “Sergio”, obra que fala sobre Sergio Vieira de Mello, diplomata brasileiro que atuava como o Alto Comissário das Nações Unidas para os Direitos Humanos, e era cotado para assumir o comando da ONU, mas morreu, aos 55 anos, em um atentado à sede em Bagdá, no Iraque. E, claro, não poderia faltar futebol. 

O técnico também tem lido um livro sobre Diego Simeone, ex-jogador e atual técnico do Atlético de Madrid: “O efeito Simeone: A motivação como estratégia”.

– Eu sou mais da biografia. Assisti a história do Trump, aí a gente vê os motivos de algumas situações. Também vi do Sérgio de Mello, da ONU, que foi um grande profissional. Li algo do Simeone e estou vendo muito futebol. São coisas que me acrescentam muito – disse o técnico.

Leia Também
Homem é executado a tiros em lavagem de Caxias do Sul


 
 
 
 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros