Com incertezas, jogadores de Caxias e Juventude analisam cenário econômico do futebol - Esportes - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Coronavírus26/03/2020 | 08h03Atualizada em 26/03/2020 | 08h38

Com incertezas, jogadores de Caxias e Juventude analisam cenário econômico do futebol

Preocupação acontece devido as dificuldades financeiras enfrentadas no Brasil

Com incertezas, jogadores de Caxias e Juventude analisam cenário econômico do futebol Lucas Amorelli/Agencia RBS
Foto: Lucas Amorelli / Agencia RBS

Com as atividades paralisadas na sociedade – menos os serviços essenciais, os brasileiros e os países pelo mundo enfrentam outra preocupação, além do coronavírus: a questão financeira. Sem os jogos, bilheteria e com a diminuição de patrocinadores, os clubes de futebol devem passar por dificuldades. Por isso, algumas alternativas estão em estudo.

Leia Mais
Com prejuízo milionário, Caxias aguarda reunião com clubes para definir futuro 

– Preocupa. O futebol é meu sustento e da minha família. Então, preocupa em todas as áreas. Todos querem trabalhar e fazer o que amam. Vamos torcer para essa pandemia não se alastrar mais e tudo voltar ao normal – disse o atacante Gilmar, do Caxias. 

A CBF, os clubes e os sindicatos dos atletas conversam sobre a possibilidade de antecipar as férias – o Juventude já definiu a antecipação, independente das negociações entre os órgãos. Além disso, o objetivo dos clubes é diminuir em até 25% os salários dos atletas. Algo que ainda precisa ser aceito pela entidade que representa os jogadores.

– É um problema complexo. Fica bem clara essa relação de conflito entre dirigentes e atletas. Uma situação extrema, como essa da pandemia do coronavírus, talvez faça as pessoas repensarem. Não tem uma forma de o futebol sobreviver se não forem todos juntos – analisou Marcelo Carné, do Juventude.

Federação Nacional dos Atletas

Nesta quarta-feira (25), Federação Nacional dos Atletas de Futebol Profissional (Fenapaf), que representa jogadores, não aceitou a redução salarial proposta pela Comissão Nacional de Clubes (CNC).

A CNC fez algumas propostas como: férias coletivas a partir de abril, mais dez dias de folga no fim do ano e redução de 25% nos salários dos jogadores. A Fenapaf, agora, fez uma contraproposta: concorda com a antecipação de férias remuneradas no mês de abril e pediu a licença de dez dias entre o Natal e o Ano Novo. Também, exigiram o pagamento de vencimentos do mês de março.

Além disso, solicitaram que a Confederação Brasileira de Futebol (CBF) seja responsável por qualquer pagamento que os clubes não sejam capazes de realizar.

Leia Também
Em tempos de quarentena, saiba como os jogadores da dupla Ca-Ju treinam

 
 
 
 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros