Associação de Cronistas Esportivos suspende repórter por ato de injúria racial em jogo do Caxias - Esportes - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Gauchão13/03/2020 | 18h06Atualizada em 13/03/2020 | 18h06

Associação de Cronistas Esportivos suspende repórter por ato de injúria racial em jogo do Caxias

Caso é investigado pela 1ª DP de Ijuí e será levado ao TJD-RS

Associação de Cronistas Esportivos suspende repórter por ato de injúria racial em jogo do Caxias Marcelo Casagrande/Agencia RBS
Foto: Marcelo Casagrande / Agencia RBS
Pioneiro
Pioneiro

A Associação dos Cronistas Esportivos Gaúchos (Aceg) suspendeu o repórter Luis Arnaldo Wottrich, da Rádio Iguatemi, do Grupo Repórter. Conforme nota divulgada pela entidade nesta sexta-feira (13), o profissional teria cometido um ato de injúria racial durante o jogo entre São Luiz e Caxias. No mesma partida, o atacante Tilica foi chamado de macaco por um homem que estava na arquibancada do Estádio 19 de Outubro. 

Na nota, a Aceg diz que Wottrich foi identificado trabalhando na torcida e "aparece pulando e imitando um macaco" e que o repórter foi suspenso por prazo determinado, mas não divulgado, para a atuação em praças esportivas no Rio Grande do Sul.

Leia mais
Técnico do Caxias lamenta jogos sem público, mas aprova decisão da FGF: "Questão de saúde"
Atacante do Caxias registra boletim de ocorrência por conta de injúria racial em jogo em Ijuí

Em um vídeo que circula na internet, Luis Arnaldo Wottrich aparece pulando atrás de um dos gols do Estádio 19 de Outubro. Em contato com a reportagem, o radialista afirmou que os pulos não tinham referências racistas, mas sim são uma brincadeira que ele comumente faz com torcedores.

— Estive na delegacia e conversei com o delegado que trata do caso. Levei os autores do vídeo e tenho sempre uma interatividade com o torcedor. Gravamos vídeos e tiramos fotos. Eu passo na frente do torcedor, me dirijo para a câmera e fico dizendo: "Então me filma, então me filma". Alguns tiveram o entendimento de que seria algo diferente — explicou.

O delegado Amilcar Neto, da 1ª Delegacia de Polícia de Ijuí, disse que os casos estão sob investigação e que o inquérito foi instaurado.

— Estive em contato com o Tilica ele já analisou as imagens. Devemos nos deslocar até Caxias do Sul para formalizar o depoimento. Ele (repórter) foi ouvido, não só em relação ao ato que aparece no vídeo, mas como pessoa que estava presente no jogo — falou o delegado.

 O caso será levado também ao Tribunal de Justiça Desportiva do Rio Grande do Sul. De acordo com o procurador do TJD-RS, Alberto Franco, o profissional está passível a punição — suspensão de 120 a 360 dias — mesmo sendo repórter.

— É um caso pioneiro, nunca teve uma situação dessas. Entendemos que possa ser julgado na Justiça Desportiva, na medida que o repórter, para poder trabalhar, faz um cadastro na Aceg. Então, está vinculado à competição por meio do órgão regulador. Está no manual de procedimentos da Federação Gaúcha. Na medida que o repórter faz esse cadastro, ele se sujeita aos procedimentos da Justiça Desportiva — observou Franco.

Luis Arnaldo Wottrich disse trabalhar em rádio há 25 anos. Segundo ele, não houve contato da Aceg antes da definição da punição — ele apenas recebeu o comunicado da decisão.

— Achei bem injusto, porque eles não têm conhecimento do teor do vídeo. Estou em contato com o delegado que está à frente do caso. Não passou de uma brincadeira, totalmente desconectada do caso do Tilica — completou o repórter.

— Eu não preciso falar com um profissional que faz o que ele fez, estando credenciado para atuar como repórter. Está vestido com um colete de identificação de imprensa. A imagem explica tudo — argumentou Alex Bagé, presidente da Aceg.

Confira a nota da Aceg:

Leia também
Árbitro de Caxias e São Luiz relata o que presenciou em partida marcada por ato de injúria racial

 
 
 
 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros