No retorno à elite, Esportivo conta com a experiência de um clássico meia - Esportes - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

O 10 alviazul20/01/2020 | 19h30Atualizada em 21/01/2020 | 05h30

No retorno à elite, Esportivo conta com a experiência de um clássico meia

Aos 36 anos, jogador se diz um menino em seu sexto Gauchão

No retorno à elite, Esportivo conta com a experiência de um clássico meia Marcelo Casagrande/Agencia RBS
Aos 36 anos, Juninho Tardelli é o camisa 10 do Esportivo Foto: Marcelo Casagrande / Agencia RBS

O Esportivo retorna à elite do Campeonato Gaúcho contando com a experiência de um clássico camisa 10. Aos 36 anos, Juninho Tardelli volta a disputar o estadual do Rio Grande do Sul após quatro temporadas. Carregando o aprendizado de uma carreira longeva, o jogador traz para sua segunda passagem pela equipe alviazul toda a vitalidade de quem não se sente nem um pouco velho para o futebol.

Leia mais
Esportivo tem meta de permanecer na elite gaúcha e buscar calendário nacional
Cleiton acredita que experiência do grupo do Esportivo será importante no Gauchão

— Eu me sinto muito bem. O pessoal falava que depois dos 30 anos o cara vai se sentindo mais devagar, com menos agilidade e força. Eu, graças a Deus, talvez pelo meu biotipo, não sinto essa diferença assim. Se pegar os clubes que joguei nos últimos quatro anos, vão ver que eu era quem mais corria durante os jogos — afirma Juninho.

Recentemente, o meia atuou pelo Luverdense-MT, na disputa da Série C. No time mato-grossense, a média de distância percorrida por Juninho em campo ultrapassava os 11 km por partida. A idade é só um detalhe para o 10 alviazul:

— Aqui no Brasil tem muito essa discriminação, de o cara que está acima dos 30 ser velho. Mas estou tendo muitas portas abertas . Estou um menino ainda.

A experiência adquirida tem ajudado na pré-temporada com o Esportivo. No retorno ao clube do Estádio da Montanha dos Vinhedos, Tardelli ganhou a confiança do técnico Carlos Moraes e se mostrou efetivo nos amistosos.

 BENTO GONÇALVES, RS, BRASIL, 15/01/2020 - Esportivo faz últimos ajustes antes de encarar o Juventude, no último teste antes do Gauchão 2020. NA FOTO: O meia Juninho Tardelli, de 35 anos, é o camisa 10 do Esportivo de Bento Gonçalves.(Marcelo Casagrande/Agência RBS)
Foto: Marcelo Casagrande / Agencia RBS

— É um jogador que, apesar da idade, consegue ter intensidade. Não é um atleta de força, mas acelera bastante o jogo. Então buscamos sempre ter jogadores próximos dele para que consiga fazer jogadas de combinação, que é a grande característica dele — diz o treinador do Esportivo.

Durante a preparação para o Gauchão, o time alviazul disputou oito partidas, entre amistosos e jogos-treinos. Foram cinco vitórias, um empate e duas derrotas. Foi um tempo suficiente para que a equipe se aprontasse para o Estadual e para que Tardelli pudesse entender o que esperar do Esportivo na volta ao convívio dos grandes no Rio Grande do Sul.

— Nós temos um grupo muito técnico. São atletas que estão buscando seu espaço. Uma comissão muito inteligente, um treinador que nos dá liberdade, que busca um time que ataque e que goste de ficar com a bola — avalia Juninho.

No modelo de jogo proposto por Carlos Moraes, o estilo de jogo de Juninho Tardelli é importante. O meia lamenta, no entanto, que essa característica esteja sendo extinguida no futebol atual:

— Agora estão colocando os 10 muito para o lado. Os clubes que têm um jogador que faz o time andar, que é a minha função, que é o cabeça pensante, acho que isso facilita muito para a organização do time. Para não ser um time só de velocidade e correria, ou só de balão e de força — afirma o experiente jogador, que traz no amadurecimento um ponto forte para ajudar o alviazul no Gauchão:

— A cada dias vamos vendo as formas diferentes de como o futebol está acontecendo. Hoje, o pensar antes da bola chegar, de procurar os espaços, isso conta muito. Nos clubes, têm muitos jovens. Com a nossa experiência, procuramos passar para que eles possam ser decisivos.

 BENTO GONÇALVES, RS, BRASIL, 15/01/2020 - Esportivo faz últimos ajustes antes de encarar o Juventude, no último teste antes do Gauchão 2020. NA FOTO: O meia Juninho Tardelli, de 35 anos, é o camisa 10 do Esportivo de Bento Gonçalves.(Marcelo Casagrande/Agência RBS)
Nos treinamentos e jogos preparatórios, Juninho mostrou disposição com a camisa alviazulFoto: Marcelo Casagrande / Agencia RBS

Tardelli traz a experiência. Entre os camisas 10 que marcaram na sua história, Zidane foi o maior que ele diz ter assistido. No Brasil, Jadson, do Corinthians, e, mesmo que com características um pouco diferente, Maicon, do Grêmio, e seu irmão Diego Tardelli. Outro nome que o meia citou foi o de Zico, porém ele nem queria que isso fosse citado.

— É melhor nem colocar, senão vão me chamar de velho — brincou Juninho.

Se sentindo um garoto e com a responsabilidade de ser o 10 do Esportivo, Juninho Tardelli começa na quinta-feira (23), contra o São José-PoA, em Porto Alegre, a caminhada rumo aos objetivos que a equipe de Bento almeja no Gauchão: se manter na elite e buscar uma das vagas nas competições nacionais em 2021. Experiência para isso, não vai faltar.

Leia também
Saiba quais as sete rodovias da região que passarão por estudo para concessão

 
 
 
 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros