Euforia pelo acesso e foco no título: os desafios do Juventude para encarar o Náutico na semi - Esportes - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Série C14/09/2019 | 12h00Atualizada em 14/09/2019 | 12h00

Euforia pelo acesso e foco no título: os desafios do Juventude para encarar o Náutico na semi

Equipes se enfrentam neste domingo, às 18h, no Jaconi, no duelo de ida

Euforia pelo acesso e foco no título: os desafios do Juventude para encarar o Náutico na semi Antonio Valiente/Agencia RBS
Foto: Antonio Valiente / Agencia RBS

O acesso à Série B foi garantido e a euforia é do mesmo tamanho da conquista. Só que ainda existe uma taça em disputa e isso que o Juventude traçou como objetivo até o fim da temporada de 2019: mais um caneco no armário. Neste domingo, o time alviverde abre a semifinal  da Série C contra o Náutico, às 18h, no Estádio Alfredo Jaconi. A missão é estabilizar novamente o emocional para ser competitivo dentro das quatro linhas. 

Leia Mais
Juventude ganha mais um desfalque para o restante da Série C
Após acesso à Série B, Juventude projeta jogos contra o Náutico de olho na final
Saiba quem são os atletas do Juventude com contrato para 2020 

— Acho que não é mais questão tática, técnica e física porque todos esses estágios já foram atingidos. Agora é mentalmente. O nível de concentração irá fazer a diferença nesses dois jogos — afirma o técnico Marquinhos Santos.

A missão do treinador não é nada fácil. Primeiro, ele terá que reorganizar o time que perdeu o centroavante Carlos Henrique, por lesão, e o atacante Bruno Alves, sua primeira opção de velocidade, que foi emprestado para o CSA. Depois é tirar do vestiário o clima de extrema euforia que se verá nas arquibancadas pela conquista da principal meta da temporada, algo que é natural. São pontos de reestruturação para que, após quatro jogos, o time possa ter mais um título nacional. 

— O treino de ontem (quinta) já foi num nível de concentração melhor e acredito que até o jogo retome esse pensamento. Mas, depois de uma grande conquista, o relaxamento é natural. É intrínseco e estudado. Então, estamos mobilizando os jogadores de alguma forma. Nós temos um grupo comprometido e experiente o bastante para administrar esse momento —considera o treinador.

Essa amostra foi vista durante a semana e até após a vitória sobre o Imperatriz, quando vários jogadores foram claros em ressaltar a busca pelo título. O peso de levar o Juventude, que conquistou a Série B em 1994 e a Copa do Brasil de 1999, a um novo título nacional será extremamente positivo ao grupo. 

O técnico Marquinhos Santos vai mais além. Para ele, é preciso consolidar uma visão vencedora dentro do clube:

— Acho que conseguimos mudar a mentalidade do clube, o que é mais difícil, e a torcida veio junto. Conseguimos retomar um pensamento vencedor e conquistar um título com o Juventude tem um peso grande. 

Para chegar ao título, há uma pedreira pela frente. O Náutico tem a melhor campanha até aqui na competição.

— Eu confio no grupo e acredito que possamos brigar em igualdade com o Náutico para chegar à decisão. Porém, creio que são quatro equipes que chegam no estágio mais leve, com o acesso, e agora o time que estiver com o melhor nível de concentração terá mais condições de conquistar o título da Série C — opinou o técnico alviverde.

A euforia da arquibancada é grande, mas ela pode aumentar ainda mais com as possibilidades reais de uma final. Tudo isso passa pelo Alfredo Jaconi neste domingo e a resposta dos jogadores dentro das quatro linhas.

Leia Também
Saques do FGTS devem injetar R$ 340 milhões na Serra 

 
 
 
 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros