O grande presente do capitão do Juventude: A importância de Isabela na vida de Eltinho - Esportes - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Dia dos pais10/08/2019 | 15h00Atualizada em 10/08/2019 | 15h00

O grande presente do capitão do Juventude: A importância de Isabela na vida de Eltinho

Lateral comemora a data com a filha e acredita no acesso alviverde

O grande presente do capitão do Juventude: A importância de Isabela na vida de Eltinho Antonio Valiente / Agência RBS/Agência RBS
Isabela é presença constante nos dias de jogos do Juventude no Alfredo Jaconi Foto: Antonio Valiente / Agência RBS / Agência RBS

Eltinho, o capitão do Juventude, tem a sua grande motivação em casa. A pequena Isabela, cinco anos, tem no pai um parceiro para brincadeiras, enquanto o lateral-esquerdo alviverde tem na sua filha uma razão para se doar cada vez mais em campo.

Aos 32 anos, o jogador acompanha o crescimento da filha com as restrições que a carreira de atleta profissional impõem. Horas de concentração e viagens, que fazem com que momentos importantes da vida de Isabela sejam “perdidos” por Eltinho.

— É difícil ficar longe. Na outra semana, quinta-feira viajamos para o Acre, para encarar o Atlético, e na sexta era o aniversário dela de cinco anos. Isso que é o mais difícil. Ficar longe da família. Mas já estamos acostumados com isso — afirma Eltinho.

Enquanto o pai falava, Isabela estava preocupada se o batom cor de rosa que colocou para as fotos ainda estava forte. Ao lado da esposa Fernanda, Eltinho se redescobriu após o nascimento da filha:

— Mudou tudo. Sempre falo para os meninos que não tem filhos ainda, que quando nasce a criança, nasce o pai e a mãe juntos. A gente acha que não sabe nada e a vida vai nos ensinando. O maior presente que a gente pode ter é um filho.

As constantes mudanças em decorrência da carreira fizeram com que o paranaense de Guaíra encontrasse a catarinense de Florianópolis há 10 anos. A carreira de Eltinho e a rotina de trocas de cidade fazem com que Fernanda tenha trocado um desejo antigo.

— Quando morava com meu pai, ele tinha o costume de mudar bastante. Moramos em Florianópolis e depois fomos para Curitibanos (SC), onde ele vive até hoje. Ele construía, vendia a casa e a gente se mudava. Lembro que eu dizia: “o dia que eu casar, vou morar em uma casa e nunca mais vou sair dali”. Não deu certo — brinca Fernanda.

CAXIAS DO SUL, RS, BRASIL (06/08/2019)O lateral-esquerdo do Juventude Eltinho, a filha Isabela e a esposa Fernanda, em matéria especial para o dia dos pais(Antonio Valiente/Agência RBS)
Foto: Antonio Valiente / Agencia RBS

Isabela nasceu no ritmo de mudanças parecido com o da mãe. Por conta da carreira do pai, nasceu em Florianópolis, quando Eltinho atuava pelo Avaí. Depois, passou por Curitiba-PR (J. Malucelli), Natal-RN (ABC) e Criciúma, até chegar em Caxias do Sul.

Na Serra Gaúcha, a menina aproveita os momentos que o pai está na cidade assistindo desenho e brincando com ele.

Leia mais
Juventude está virtualmente classificado à segunda fase
"É prévia de jogo de acesso", diz capitão do Juventude sobre vitória em cima do Tombense

— Gosto de jogar ludo, mas ele é muito melhor que eu — diz Isabela, que também adora as brincadeiras de esconde-esconde com Eltinho.

Outra coisa que a pequena gosta é de ir ao Alfredo Jaconi nos dias de jogos. Além de entrar em campo com o pai, o estádio alviverde tem outro atrativo que chama a atenção de Isabela:

— No jogo dá para comer cachorro quente.

Combustível para o acesso

Além da parceria, Eltinho tem na família o principal incentivo. Até por isso, mesmo nos dias em que chega mais cansado dos treinamentos, o lateral não deixa de dar a atenção para a filha.

CAXIAS DO SUL, RS, BRASIL (06/08/2019)O lateral-esquerdo do Juventude Eltinho, a filha Isabela e a esposa Fernanda, em matéria especial para o dia dos pais(Antonio Valiente/Agência RBS)
Foto: Antonio Valiente / Agencia RBS

— Não sei de onde que  ela tira tanta energia. Às vezes, vai para a natação, volta e a bateria parece que está carregada ainda. Mas a gente dá a importância dos pais para ela. Então, tem que sempre estar dando carinho, independentemente se está cansado ou não. Tem dias que não é fácil, mas a gente atende mesmo assim — afirma o jogador.

O companheirismo também foi necessário no momento mais difícil da carreira de Eltinho. Nesta hora, a filha e a esposa foram decisivas para a sequência do lateral.

— Quando ele perde momentos como o aniversário dela, sinto que ele fica triste, ela fica perguntando. Mas temos que ser gratos à situação, porque ele está trabalhando. Ano passado foi um período bem difícil. Ele ficou bastante tempo em casa e agora só agradecemos a oportunidade dele jogar e ter recuperado o tempo perdido — conta Fernanda, relembrando o período em que o marido permaneceu em casa após a saída do Criciúma, em julho de 2018:

— É difícil não ficar preocupado. Tinha momentos em que ele ficava um pouco triste. Pela primeira vez ele ficou seis meses sem clube. Mas sempre treinando e à espera da oportunidade.

A chance veio no Juventude. E, no Alfredo Jaconi, o lateral espera retribuir o carinho dos pais jaconeros com o acesso à Série B.

— O apoio deles é fundamental. Espero que eles continuem torcendo por nós, que vamos dar esse presente para eles.

Como o Juventude jogou na quinta-feira e só retorna a campo na outra segunda, diante do Volta Redonda, no Rio de Janeiro, Eltinho poderá passar o Dia dos Pais ao lado de toda a família. E das palavras de Fernanda vem o carinho da parceria que ajuda o pai a ser mais presente na vida de Isabela:

CAXIAS DO SUL, RS, BRASIL (06/08/2019)O lateral-esquerdo do Juventude Eltinho, a filha Isabela e a esposa Fernanda, em matéria especial para o dia dos pais(Antonio Valiente/Agência RBS)
Foto: Antonio Valiente / Agencia RBS

— Quero dar parabéns para ele pelo pai maravilhoso que é. Ele dá o melhor dele todos os dias.

Leia também
Deputado propõe nome para trevo de Fazenda Souza, em Caxias
Com reforma quase pronta, Postão é disputado por duas  entidades em Caxias do Sul

 
 
 
 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros