Elogiado pelos atletas, Paulo Henrique Marques tem a chance de alcançar maior conquista da carreira - Esportes - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Sorte e competência20/07/2019 | 07h00Atualizada em 20/07/2019 | 11h17

Elogiado pelos atletas, Paulo Henrique Marques tem a chance de alcançar maior conquista da carreira

Comandante chegou ao clube faltando quatro jogos para o acesso 

Elogiado pelos atletas, Paulo Henrique Marques tem a chance de alcançar maior conquista da carreira Porthus Junior/Agencia RBS
Comandante chegou ao clube faltando quatro jogos para o acesso Foto: Porthus Junior / Agencia RBS

Quando foi apresentado como novo técnico do Caxias, no dia 26 de junho, Paulo Henrique Marques se intitulou um cara de sorte. Afinal, havia sido o escolhido para o cargo e estava a quatro jogos de conseguir um acesso histórico para o clube. Porém, no meio do caminho, para chegar ao objetivo, existiam dois confrontos complicados e a turbulência gerada pela mudança.

 Leia Mais
Diário de Manaus: uma cidade com calor intenso e sem clima de decisão
Caxias viaja para Manaus com a equipe titular encaminhada 
Lateral esquerda passa a ser a grande interrogação no time do Caxias para a decisão do acesso  

Neste sábado, quando chegar para assumir seu posto na casamata da Arena da Amazônia, o treinador terá percorrido 75% do percurso. E com muitos motivos para celebrar:

— É preciso exaltar o que foi feito até a nossa chegada. Para mim, só melhorou. Quando cheguei aqui eram quatro jogos e uma mudança, uma semana conturbada. Não ganhamos em casa e fomos a Cianorte precisando da vitória. Agora, fizemos o resultado em casa. Se, quando cheguei, me falassem que eu iria para o último jogo com o 1 a 0, eu assinaria qualquer documento na hora —  destaca o treinador, que faz questão de reavaliar o quesito sorte:

— Só sorte não adianta, tem que ter competência também. Apesar de que o ruim não tem sorte. Só os bons que têm.

Paulo chegou com a fala mansa, um jeitão do interior e conquistou o grupo. Em menos de um mês de convivência, a tranquilidade transmitida pelo comandante é elogiada pelos jogadores.

— O Paulo é um cara muito parceiro. Sabia do trabalho que vinha sendo feito aqui, mas também fez alguns ajustes. Hoje o time consegue ser mais compacto, se desgasta menos, são detalhes na marcação e posicionamento. E também na bola parada, onde ele escutou os jogadores, viu o que a gente preferia —  conta o zagueiro e capitão Jean.

Tranquilidade, confiança e trabalho. A partir dessas três palavras, Paulo Henrique Marques montou a sua estratégia para o jogo que pode ser considerado o mais importante da sua carreira. O desafio é, pelo menos, repetir o que foi realizado no primeiro confronto, no Estádio Centenário.

E diante da necessidade do Manaus buscar o resultado, a resposta pode vir justamente da qualidade do time grená e da velocidade dos contra-ataques.

— Eles precisam de dois gols e não sofrer nenhum. A diferença não é pequena. Quem está em desvantagem são eles e acredito que a postura seja diferente. Eles vão sair mais para o jogo, o que pode ser bom para nós —  aposta o treinador.

A fé do treinador e a motivação com o extracampo

Logo na sua primeira aparição no Estádio Centenário, uma imagem de Paulo Henrique Marques chamou a atenção do fotógrafo Porthus Junior, que fazia a cobertura de Caxias x Cianorte. Em vários momentos da partida, o treinador agarrava e mordia algo (foto acima), que tirava de dentro do seu casaco. Na quinta-feira, pouco antes de viajar para a decisão em Manaus, o comandante explicou a “mania” e o símbolo de fé que ele leva junto a si em todos os confrontos:

— Procuro ficar com ele na mão. É um crucifixo. E tem dado certo. Nas horas em que a gente mais precisa, eu agarro firme. Faz parte também. Nada do que for feito corretamente influencia para o lado negativo. É sempre pensando positivo.

O técnico tem a simplicidade como outra característica marcante e, diante da possibilidade de um clima hostil na partida da Arena da Amazônia, Paulo Henrique Marques prefere relembrar o período como jogador. Para ele, a decisão será apenas dentro das quatro linhas e qualquer fator externo não deve interferir negativamente:

— No tempo em que eu jogava, me motivava o fato de chegar no estádio e ser hostilizado. Faz parte do futebol. Você não ganha por causa disso. O Manaus vai precisar ser melhor em campo para nos ganhar. A torcida ajuda, mas essa questão de hostilidade, para mim, só serve como motivação.

 Leia também
Torres promove 2ª edição do Festival Vinodeiro
Clube Melissa reabre no Shopping Iguatemi Caxias
Farroupilha terá emissão digital de alvarás a partir de agosto 

 
 
 
 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros