Conquista histórica: um título que mudou a carreira dos jogadores do Juventude - Esportes - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Especial 20 anos25/06/2019 | 19h00Atualizada em 26/06/2019 | 09h34

Conquista histórica: um título que mudou a carreira dos jogadores do Juventude

Com campanha irretocável, alviverde foi o campeão da Copa do Brasil de 1999

Conquista histórica: um título que mudou a carreira dos jogadores do Juventude Paulo Franken/Agencia RBS
Campanha com apenas uma derrota foi coroada com o principal título do clube na história, em 1999 Foto: Paulo Franken / Agencia RBS

Nesta quinta-feira (27) se completam 20 anos da inédita façanha do Juventude. No dia 27 de junho de 1999, no Maracanã, o clube deu o passo final da vitoriosa campanha, e com um 0 a 0 diante do Botafogo foi o campeão da Copa do Brasil.

O empate na decisão só serviu ao alviverde porque uma semana antes, no Alfredo Jaconi, o time de Walmir Louruz fez 2 a 1 na partida de ida, com gols dos atacantes Fernando e Márcio Mexerica.

Leia mais
Conquista histórica: ex-jogadores do Juventude relembram título da Copa do Brasil
QUIZ: você sabe tudo sobre a conquista da Copa do Brasil pelo Juventude há 20 anos?

– É o maior título da minha carreira. Foi o clube que me criou, o lugar que foi minha segunda casa. Tenho enorme gratidão e respeito por este clube. Foi um título significativo e ajudar com o gol é algo inacreditável. O gol sempre fica marcado. São 20 anos, mas parece que foi ontem. Segue vivo na memória – relembra o atacante Fernando Rech, que recentemente coordenou as categorias de base do Juventude.

Além do jovem atacante, formado no clube e com passagens no exterior, a conquista também mudou a carreira de muitos jogadores. Alguns deles trabalharam no Ju em diversas funções, como Lauro, Flávio Campos, Picoli e Mabília.

– O título teve um peso muito grande na minha vida. Quando menino, sonhava jogar no Maracanã, ser campeão lá com um título de expressão. Profissionalmente, veio o reconhecimento e isso se refletiu também internamente no Juventude. Até hoje as pessoas sentem saudade disso – salienta Picoli, ex-zagueiro, técnico de futebol e que comandou o time alviverde entre 2011 e 2012 e entre 2014 e 2015.

Para o centroavante Márcio Mexerica, um dos artilheiros da vitória na ida, diante do Botafogo, o feito de 1999 significou atuar no futebol europeu onde, no ano seguinte, foi campeão da Copa da Uefa, da Supercopa, do campeonato turco e da Taça da Turquia pelo Galatasaray.

– Foi fundamental porque realmente o Brasil inteiro acompanhou isso e muitas pessoas de fora. Isso me deu a possibilidade de sair do País, graças a esse título que o Ju conquistou. Sou muito grato por ter conquistado essa façanha e meu deu uma sequência legal de carreira. Tudo começou no Juventude – comentou o jogador, que encerrou a carreira profissional em 2012, pelo Boavista de Portugal.

Entrevistas

Foto do meio campo Wallace do Juventude.#PÁGINA:50#EDIÇÃO: 2ª Fonte: Pioneiro Fotógrafo: Gilmasr Gomes
Volante Wallace foi um dos jogadores que, depois do título, disputou a Libertadores pelo JuventudeFoto: Ver Descrição / Ver Descrição

Wallace
Volante
1999 - 26 anos / 2019 - 46 anos
Ficou no time para a Libertadores do ano seguinte, depois rodou por clubes como Guarani, Paulista e 15 de Campo Bom, onde foi vice-campeão gaúcho em 2003.

Qual a principal lembrança?
Foram vários momentos como a vitória contra o Corinthians no Jaconi, o empate em 2 a 2 com o Bahia, a vitória de 4 a 0 no Beira-Rio contra o Inter e, claro, a final contra o Botafogo no Maracanã. Eu moro no Rio e até hoje os Botafoguenses me cobram que perderam a final para a gente.

Qual o significado pessoal daquela conquista?
Foi o título mais importante da minha carreira e corou um trabalho de um grupo formado na temporada 96/97, como Índio, Flávio, Maurílio, Lauro e eu, depois Capone, Dênis e Mabília em 1998.

Ainda tem contato com o pessoal de 1999?
Apenas via redes sociais, mas acompanho sempre eles. Flávio, por exemplo, é meu vizinho aqui no Rio. É o que mais tenho contato e nossas famílias são amigas. 

Como foi a expulsão no primeiro jogo da final?
Foi muito triste. Foi um lance muito bobo, pois estávamos jogando uma partida maravilhosa e vencendo por 2 a 0 e eu vinha sendo um dos melhores em campo. Fui expulso e não pude jogar no Maracanã.

Botafogo 0x0 Juventude - final da Copa do Brasil - Estádio Maracanã. O Ju conquistou o primeiro título da competição e conseguiu uma vaga para a Libertadores de 2000.O volante e capitão Flávio, do Juventude, passa pelo atacante Caio, do Botafogo#PÁGINA: 3#ENVELOPE: PENDENTE
Meia Flávio Campos era o capitão da equipe campeã em 1999Foto: Paulo Franken / Agencia RBS

Flávio Campos
Meia
1999 - 33 anos / 2019 - 53 anos
Capitão do time, era um dos "jogadores da Parmalat". Identificado com o Ju, entre 2017 e 2018 foi gerente-executivo de futebol do clube.

Como é ser o capitão da conquista de 1999 e estar eternizado na história?  
É gratificante. Com a ajuda de todo aquele grupo, dos dirigentes que fizeram parte da campanha, do torcedor presente lotando todos os jogos da Copa do Brasil. Era uma equipe consistente, equilibrada e que não tinha medo de jogar.  

O que mais te marcou na campanha?  
Foram tantas coisas. O título em si é algo que nunca mais sai das nossas lembranças. O fato de entrar desacreditado no campeonato, pois era uma equipe tida que seria batida na primeira ou segunda fase. A gente venceu adversários fortes como Corinthians, Inter, Bahia, Botafogo. Uma soma de fatores e emoções que é difícil de enumerar e falar, mas culmina com um título que nem acreditava. 

No modelo atual da Copa do Brasil, conquistas como a do Ju se tornam mais difícil?  
Nosso time em 1999 era mais maduro na comparação com a equipe de hoje. O Juventude já estava num passo que poderia acreditar. Em 1099, a gente imaginava ir longe, mas chegar ao título não. Hoje, a diferença de valores e investimentos é grande. No futebol tudo é possível, nós torcedores sempre acreditamos. 

Meia Maurílio do Juventude durante um treino.#PÁGINA:62
Atacante Maurílio também foi ídolo no Paraná, onde atuou por três temporadasFoto: Jefferson Botega / Agencia RBS

Maurílio
Atacante
1999 - 29 anos / 2019 - 49 anos
Também foi ídolo no Paraná e campeão brasileiro pelo Palmeiras. Atualmente é técnico de futebol.

Qual a emoção de estar com o nome marcado na história do Juventude?
É algo que nós não sabemos explicar. Fazer parte da história do clube e da maior conquista do Juventude é algo fantástico. Foi um trabalho muito bem feito, que existia respeito. Todos os atletas estavam envolvidos e querendo. Eu me sinto honrado e orgulhoso pelo que fiz e sempre mostro aos meus filhos. Tínhamos o comando do saudoso Walmir Louruz, uma pessoa fantástica e que nos ajudou bastante a conquistar a Copa do Brasil.

Qual o momento mais marcante da campanha?
A partida contra o Fluminense quando vencemos de goleada no Jaconi. A partida contra o Corinthians no Pacaembu, contra o Bahia nos pênaltis. Aquele que mais marca é o duelo no Maracanã. O caminho do hotel até o estádio lotado, aquilo te traz no futuro boas lembranças de um passado feliz. Procuro mostrar sempre para os profissionais que trabalho. 

Como foi a festa de volta a Caxias?
A festa foi maravilhosa. Nós descemos em Porto Alegre e fomos rumo a Caxias. Tudo parado, a cidade toda na rua. Todos esperando a gente chegar. Foi uma recepção calorosa. Fomos para o Jaconi que estava lotado, festejando e vibrando. Foi um feito fantástico. Na época, minha família esperando, foi maravilhoso. Tenho um carinho e um respeito muito grande por Caxias.

Aparece o atacante Márcio, do Juventude, numa disputa contra um jogador do Veranópolis. Fonte: Pioneiro
Atacante Márcio Mexerica foi um dos destaques da campanha de 1999 e foi contratado pelo Galatasaray, da TurquiaFoto: Nereu de Almeida / Ver Descrição

Márcio Mexerica
Atacante
1999 - 24 anos / 2019 - 44 anos
Após o título com o Juventude, o atacante defendeu o Galatasaray da Turquia, onde foi campeão nacional em 2000.

Qual a principal lembrança da conquista no Maracanã?
É, realmente, chegar em Caxias e ter uma festa maravilhosa. A cidade inteira envolvida nesse título e prestigiando o Ju. Isso para mim foi maravilhoso. Você entender o tamanho desse título para o estado e principalmente para a cidade. Caxias do Sul fez uma bela festa para todos os nós e nos deixou muito felizes. 

Qual foi a importância do título?
Nós jogadores sabíamos da importância desse título e o quanto nós teríamos que nos unir para ganhar. Não seria fácil e o envolvimento e comprometimento foi maravilhoso. Isso foi uma situação que deu pra perceber. Todos puxavam a corda para o mesmo lado. 

Fernando
Atacante
1999 - 25 anos / 2019 - 45 anos
Depois de passar por Palmeiras, Inter e pelo Japão, voltou ao Juventude para ser campeão em 1999

Qual foi o jogo mais difícil?
O jogo contra o Fluminense porque perdemos por 3 a 1. Sabíamos que se sofrêssemos um gol teríamos que fazer quatro para passar. Entramos como era para ser. Era um clima de chuva e neblina e em 25 minutos fizemos o 4 a 0.

Como era o grupo de jogadores?
Era uma mescla de profissionais com passagens por clubes maiores e atletas oriundos da base. Fui criado no clube, mas já havia saído para jogar fora do Brasil. Os meninos entenderam que a vez deles ia chegar e os mais velhos entenderam que precisavam ajudar esses meninos. Era um time considerado médio, por isso ficará sempre na história do clube.

Leia também
Definição de quais buracos serão consertados na ERS-122, na Serra, ocorre na próxima quinta
Doce Docê tem vaga para atendente de cafeteria em Caxias do Sul

 
 
 
 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros