"Não é fatalidade", diz especialista em incêndio sobre tragédia no Ninho do Urubu - Esportes - Pioneiro

Vers?o mobile

 

Entrevista11/02/2019 | 23h32Atualizada em 11/02/2019 | 23h32

"Não é fatalidade", diz especialista em incêndio sobre tragédia no Ninho do Urubu

Professor e engenheiro civil, Telmo Brentano foi entrevistado pelo Estúdio Gaúcha desta segunda-feira (11)

"Não é fatalidade", diz especialista em incêndio sobre tragédia no Ninho do Urubu Dhavid Normando/Futura Press/Folhapress
Fogo começou por volta das 5h da manhã de sexta-feira (8) e só foi controlado depois das 7h Foto: Dhavid Normando / Futura Press/Folhapress
GaúchaZH
GaúchaZH

O final de semana foi de luto no futebol brasileiro. Na sexta-feira (8), 10 jogadores das categorias de base do Flamengo morreram em incêndio no CT do clube, o Ninho do Urubu. Em entrevista ao Estúdio Gaúcha desta segunda-feira (11), Telmo Brentano, engenheiro civil, professor e especialista em incêndio, afirmou que episódio no alojamento rubro-negro não pode ser considerado uma fatalidade.  

— Não é fatalidade. Quem autorizou (que a obra fosse liberada)? Deve ter documentos, como uma planta básica, até um rascunho para se fazer esse tipo de instalação (dos contêineres). Isso se chama de improvisação, eu chamo de fator humano — defende. 

Leia mais
Três dias após tragédia no CT do Flamengo, incêndio atinge alojamento do Bangu
Jogadores do Flamengo visitam os feridos do incêndio no Ninho do Urubu
Funcionários do Flamengo serão intimados a depor em investigação sobre incêndio

Para Brentano, o problema não está na lei, mas no cumprimento das exigências de segurança. 

— As regras são todas muito claras, nossas legislações já são muito modernas, a observância dessas regras que é um problema. Primeiro se procura fazer da forma mais econômica possível, que, consequentemente, não é a mais adequada. Outra coisa também é a corrupção, inclusive no nível de corpo de bombeiros, para a aprovação de projetos. Sempre tem um jeitinho brasileiro, então não é a questão da legislação, é mais das pessoas. 

O professor afirma ainda que a obra foi feita sem respeitar exigências básicas de segurança para o tipo de alojamento. 

— Foi feito sem projeto, dessa forma pode-se prever que não se seguem as normas objetivas quanto ao espaçamento, saída de emergência, equipamentos de proteção contra incêndio. Tipo extintores, alarme e detecção de incêndio, sinalização, iluminação, saídas de emergência e outras coisas mais. 

A falta de uma segunda porta, já que alguns dos quartos ficavam distantes da única saída disponível do contêiner, também foi criticada.

—Esses contêineres são muito apertados em termos de circulação, consequentemente deveríamos ter pelo menos duas saídas desse ambiente. Essas saídas deveriam ser de forma oposta, não uma do lado da outra.   

Assine GaúchaZH e fique por dentro de tudo o que acontece com a dupla Gre-Nal. Acesso ilimitado ao site! 

 
 
 
 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros