Em Carlos Barbosa, ACBF goleia o Atlântico e conquista a Liga Gaúcha - Esportes - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Futsal17/12/2018 | 20h55Atualizada em 18/12/2018 | 06h38

Em Carlos Barbosa, ACBF goleia o Atlântico e conquista a Liga Gaúcha

Time laranja chegou ao seu 12º título do Estadual na noite de segunda-feira

Em Carlos Barbosa, ACBF goleia o Atlântico e conquista a Liga Gaúcha Marcelo Casagrande/Agencia RBS
Foto: Marcelo Casagrande / Agencia RBS

De um lado a ACBF buscando seu 12º título estadual. Do outro, o Atlântico, atual vice-campeão gaúcho e da Liga Nacional atrás do quarto título no futsal gaúcho. O jogo da volta da final da Liga Gaúcha, disputado nesta segunda-feira (17), em Carlos Barbosa foi melhor para a ACBF, que voltou a vencer diante de 2.638 torcedores. A goleada por 5 a 1 deram o título para a equipe de Carlos Barbosa. Os gols foram marcados por Marlon, duas vezes, Douglinhas, Mithyuê e Pesk. Selbach, que já está contratado pelo time laranja, havia aberto o placar para o Atlântico.

Leia mais:
"Superação" marca o 12º título estadual conquistado pela ACBF
ACBF joga por empate contra o Atlântico para ser campeã da Liga Gaúcha
ACBF segura pressão do Atlântico e larga na frente na decisão do Estadual

Virada no primeiro tempo
O primeiro lance de perigo foi da ACBF. Com um minuto de bola rolando, Douglinhas aproveitou uma falha na zaga mas, livre na frente do goleiro Careca, chutou por cima.

Depois disso, pressão do Atlântico, que iniciou a partida com a desvantagem após a derrota por 1 a 0 no primeiro jogo. Bastaram seis minutos para os visitantes abrirem o placar. Selbach chutou de longe de perna esquerda e a bola surpreendeu Henrique, abrindo o placar para o time de Erechim.

A ACBF buscava o empate, que lhe garantiria novamente a vantagem. A pressão era laranja quando as luzes do Ginásio Sérgio Luiz Guerra se apagaram, em virtude das chuvas, quando faltavam 10 minutos para o fim do primeiro tempo.

A ACBF voltou mais ligada depois dos poucos segundos de apagão. Aos 12 minutos, Mithyuê resolveu. O camisa 17 driblou o marcador e chutou forte para empatar a partida.

Aos 18 minutos, a virada. Felipe Valério achou bom passe para Júlio Zanotto. O camisa 11 inverteu a jogada onde estava Marlon, que chutou forte para fazer o 2 a 1.

O segundo tempo começou como na partida em Erechim. O Atlântico criava, mas Henrique defendia. Na melhor delas, aos oito minutos, Café chutou livre, de frente, mas o goleiro da ACBF defendeu no seu canto direito, rente à trave.

Com a marcação encaixada, principalmente no pivô Jé, o melhor do setor na Liga Gaúcha, a ACBF jogava no contra-ataque, mas faltava o último passe. Aos 10, Douglinhas não ampliou o placar para os donos da casa por detalhes. O ala chutou de longe, a bola desviou na defesa e explodiu no travessão.

Aos 12 minutos, o Atlântico passou a jogar com Silva de goleiro-linha. Bastaram 30 segundos para a ousadia se virar contra os visitantes. Em erro no ataque do Atlântico, Douglinhas arriscou da própria área e acertou um belo chute, no alto, para fazer o 3 a 1, ampliando ainda mais a vantagem laranja.

O jogo se desenhava assim. O Atlântico insistia no goleiro-linha e a ACBF tentava o gol sem goleiro quando retomava a posse. Assim, aos 16 minutos, Marlon ampliou em chute de longe. Foi o último gol do camisa 7 nesta passagem pela ACBF. Assim como Felipe Valério, o fixo está de saída para o futsal espanhol.

Faltando dois minutos para o fim, a torcida já gritava "é campeão" e "o campeão voltou" na lotada arquibancada da casa laranja. Ainda deu tempo para Pesk, aos 19, fazer o 5 a 1.

Leia Também:
Após uma década, oferta de trabalho e estudo segue dilema no Apanhador
Banrisul abre inscrições para concurso nesta quarta-feira

 
 
 
 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros