Intervalo: É jogo para tentar o tudo ou nada no Alfredo Jaconi - Esportes - Pioneiro

Versão mobile

 

Opinião09/11/2018 | 07h00Atualizada em 09/11/2018 | 07h00

Intervalo: É jogo para tentar o tudo ou nada no Alfredo Jaconi

Juventude estará matematicamente rebaixado se perder da Ponte Preta nesta sexta

Intervalo: É jogo para tentar o tudo ou nada no Alfredo Jaconi Porthus Junior/Agencia RBS
Foto: Porthus Junior / Agencia RBS

Alternativas
Chega a soar até de forma estranha o fato de o Juventude fazer um treino fechado em um momento tão peculiar. Com poucas chances de se manter na Série B, o time de Luiz Carlos Winck não tem nada a esconder. Todos sabem de suas limitações e até mesmo como poderia buscar alguma alternativa para surpreender a Ponte Preta. 

O que se pode prever então com essa medida? O treinador deve fazer uma mudança drástica na equipe para o antepenúltimo duelo pela competição. As alternativas podem vir de jogadores que não atuaram em Alagoas, no jogo diante do CRB. São os casos de Leandro Lima, Esquerdinha, Vidal, Lucas, Pará e Felipe Lima. 

Em caso de derrota, o rebaixamento estará consumado. Ou seja, é hora de tentar de tudo.

Campeão

Oselame foi campeão lituano nesta semanaFoto: Divulgação

Dispensado do Juventude após o Gauchão, o meia Guilherme Oselame comemorou nesta semana a conquista do título lituano pelo Suduva. Depois de um longo período atuando na Austrália e Nova Zelândia, Oselame voltou ao Brasil para defender o Ju, mas teve poucas oportunidades no primeiro semestre.

Com isso, buscou um novo mercado no futebol da Lituânia. O time disputou a fase preliminar da Liga dos Campeões nesta temporada e voltará para a competição em 2019. 

Grande campanha

Tiago Nunes, Atlético-PR
Foto: Atlético-PR / Divlgação

Tiago Nunes (foto) faz um trabalho espetacular no Atlético-PR. Se quatro anos atrás o treinador conquistava a Copa Serrana com o time sub-20 do Juventude, hoje ele está muito perto de chegar à final da Copa Sul-Americana.

O técnico, que também teve uma boa passagem pelo Veranópolis, no ano passado, quando chegou às quartas de final do Gauchão, apresenta uma equipe veloz, moderna e que é dominante na Arena da Baixada.

No Brasileirão, o Furacão é a segunda equipe que mais finaliza e ingressou no top 10 após um início oscilante. Até sonha com uma vaga na Libertadores.

Claro que o caminho mais curto é justamente pela Sul-Americana. E, pelo que mostrou nos 2 a 0 contra o Fluminense, quarta-feira, na primeira partida da semifinal, dá sim para sonhar com um título, que mudaria de vez Tiago Nunes de patamar.

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros