Intervalo: Os erros de avaliação e a falta de encaixe em peças contratadas pelo Juventude - Esportes - Pioneiro

Versão mobile

 

Opinião11/09/2018 | 07h00Atualizada em 11/09/2018 | 07h00

Intervalo: Os erros de avaliação e a falta de encaixe em peças contratadas pelo Juventude

Time alviverde ingressou no Z-4 após duas derrotas seguidas no Jaconi

Intervalo: Os erros de avaliação e a falta de encaixe em peças contratadas pelo Juventude Lucas Amorelli/Agencia RBS
Ricardo Jesus (E) e Bruno Ribeiro foram liberados pelo clube Foto: Lucas Amorelli / Agencia RBS

Avaliações
As saídas definidas pela direção alviverde apontam para dois dos motivos que colocaram o Juventude nesta situação delicada na Série B. O primeiro: o erro na avaliação ao renovar ou permanecer para este ano com quatro jogadores que pouco contribuíram, casos de Bruninho, Bruno Ribeiro, Maurício e Mamute, talvez o mais simbólico deles, justamente pelo período que passou no departamento médico.

Leia Mais
Juventude reformula elenco com sete jogadores dispensados
Juventude precisa dobrar número de vitórias no ano para escapar do Z-4

A segunda questão está no encaixe das peças. Quando contratados, Fellipe Mateus e Ricardo Jesus eram praticamente inquestionáveis pelas suas passagens anteriores em outros clubes. Aqui, no Juventude, não conseguiram render o esperado. No caso do primeiro, acho que muito pelo momento da equipe, que em 2018 não conseguiu se organizar de tal modo que ajudasse quem era mais criativo.

Começou errado
Dos sete liberados, apenas Maikinho foi contratado enquanto Julinho Camargo era o técnico da equipe. O que isso significa? As carências do grupo alviverde são uma dura realidade desde o início da temporada. 

São muitos volantes e pouquíssima gente para criar. Nenhum jogador confiável para trazer um desafogo de velocidade pelos lados de campo. Em um grupo desequilibrado tecnicamente e com muitos problemas de lesão, resta agora torcer por uma reviravolta nas 12 últimas rodadas.

Resposta
A aposta da direção do Juventude é valorizar e cobrar o grupo que segue. A tendência é de utilização dos que chegaram recentemente, como Hygor, Hugo, Esquerdinha e Rafinha, e tentar, dentro do possível, recuperar a confiança para ser mais efetivo nos jogos.

Observações
O adversário é muito fraco, mas o amistoso desta noite será importante para a Seleção de Tite. Especialmente para os jovens jogadores, como Arthur, Richarlison e Éder Militão, e para o zagueiro Dedé, que inicia um novo caminho após longo período envolvido com lesões.

Em um processo de reconstrução após o Mundial da Rússia, o técnico precisa observar o que tem de melhor para a Copa América 2019.

 Leia Também
Equipe caxiense é vice-campeã do primeiro campeonato de vôlei LGBT+ em Porto  ACBF tem quatro jogadores convocados para a seleção brasileira 

 
 
 
 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros