Na estreia de Luiz Carlos Winck, Juventude enfrenta o Paysandu - Esportes - Pioneiro

Versão mobile

 

Série B31/08/2018 | 09h00Atualizada em 31/08/2018 | 09h00

Na estreia de Luiz Carlos Winck, Juventude enfrenta o Paysandu

No Estádio da Curuzu, equipe alviverde tenta acabar com sequência negativa

Na estreia de Luiz Carlos Winck, Juventude enfrenta o Paysandu Marcelo Casagrande/Agencia RBS
Foto: Marcelo Casagrande / Agencia RBS

Sem muito tempo para trabalhar, Luiz Carlos Winck priorizou as conversas, dentro e fora de campo, na preparação para o jogo desta noite contra o Paysandu, às 19h15min, no Estádio da Curuzu. Na estreia do comandante na equipe alviverde, o principal objetivo é resgatar a confiança do grupo, abalada pela sequência de seis partidas sem vitória e sem marcar gols.

– Procurei passar muita confiança na questão ofensiva, de acreditar um pouco mais. Na hora que tiver para definir a jogada, que não tenha medo de errar. Foi muito em cima disso, de ter posse de bola com uma circulação mais rápida, de buscar o lado contrário. São situações minhas. Cada um tem uma maneira de trabalhar, se respeita, mas eu quero que tenhamos uma transição mais eficiente – destaca Winck.

A mudança está mais na atitude do que nos nomes. Da equipe que empatou com o Boa Esporte sem gols, sete jogadores estão confirmados para atuar diante do time paraense. A dúvida está em quem vestirá a camisa 9: Queiróz, que foi titular no último treino em Caxias, ou Elias, que foi poupado da atividade por estar com febre, mas viajou com a delegação. 

– Vocês me conhecem bem. A única questão é entre o Elias e o Queiróz. Conversei muito com o Queiróz, que pode fazer muito bem o camisa 9. Ele usa o corpo, sai rápido do zagueiro, pode sair do meio para os lados e tem uma qualidade de definição boa. Passei também muita confiança ao Elias. Precisamos entrar com dois, três, quatro jogadores na área – explicou o comandante.

O Juventude também espera se aproveitar da situação do rival, que também demitiu o técnico, será comandado pelo auxiliar e ocupa a 17ª colocação, na zona de rebaixamento.

– Sabemos que o adversário também está pressionado, precisa propor o jogo e o índice de erros pode ser maior. Precisamos ter uma equipe bem compactada, forte na marcação. Não podemos ficar recuando demais. É pressionar também o Paysandu. Com a vitória do São Bento, não estamos em uma situação confortável e precisamos ganhar uma gordura. Temos que fazer o grupo acreditar de novo – afirma o novo comandante alviverde.

Acreditar, confiar, voltar a balançar as redes adversárias e retornar com os três pontos na bagagem. Com um roteiro bem definido, Winck e o Juventude querem começar a escrever uma nova página nesta Série B. 

Leia Também
Juventude encaminha acerto com atacante Hugo Sanches 
Juventude terá sequência de jogos contra equipes da parte de baixo da tabela

 
 
 
 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros