Manter uma equipe na Superliga possui uma série de dificuldades - Esportes - Pioneiro

Vers?o mobile

 

Alto rendimento07/08/2018 | 07h25Atualizada em 07/08/2018 | 13h12

Manter uma equipe na Superliga possui uma série de dificuldades

O recurso mínimo para manter uma equipe competitiva seria de R$ 2 milhões

Manter uma equipe na Superliga possui uma série de dificuldades Enio Bianchetti/Bento Vôlei/ Divulgação
Ginásio do Bento Vôlei lotou em 2016 para assistir a partida contra o Sesi-SP Foto: Enio Bianchetti / Bento Vôlei/ Divulgação

Manter uma equipe de alto rendimento no vôlei não é tarefa fácil. Ainda em 2010, a UCS necessitava de um aporte de R$ 1 milhão, oriundo de empresas privadas, para conseguir manter o time. Em matéria publicada pelo Pioneiro, na confirmação de encerramento do projeto, a projeção era de que os dois patrocinadores, a Fátima Saúde, de Caxias, e a Medquímica, empresa de Juiz de Fora-MG, aportavam 50% deste valor. 

A Universidade havia instituído uma nova política de investimentos e não colocaria dinheiro em projetos de alto rendimento. À época, sequer haviam recursos por leis de incentivo, como lembra Bonone:

— Naquela época a lei de incentivo estava engatinhando, mas ela te coloca dificuldades por não permitir o pagamento do salário dos atletas. Então, isso acaba dificultando. Se parar para analisar, a maior despesa das equipes está relacionada com a folha de pagamento. Competições como NBB e Superliga dão alguns subsídios. Na época do vôlei, tínhamos passagens de avião pela Gol e recebíamos até 90 bolas para treinamento. Coisas assim. O maior gasto era justamente para montar uma equipe competitiva. Aí é preciso ter bala na agulha.

Leia mais
Equipes de vôlei da Serra acabaram com equipes adultas por falta de patrocinadores
Faltam exemplos para as categorias de base do vôlei serrano

Em Bento Gonçalves, as empresas retiraram os recursos conforme a crise no país foi se estendendo. Até o ponto que restou apenas a Isabela e não se tinha o valor mínimo para disputar uma competição que envolve contratos de 10 meses.

— Para ter um time competitivo e chegar entre o quinto e sexto lugar, que obtvimenos em 2015, é preciso de R$ 2 milhões (R$ 200 mil mensais). Isso para contratar atletas e fazer um trabalho adequado. Na última Superliga (2016/2017) nós executamos com R$ 1,3 milhão e foi um time para se manter e tentar uma classificação à segunda fase — destaca Rizzi.

O problema não se resume na busca por valores. Convencer o empresariado do retorno ao investir no esporte é uma missão complicada. Para Bonone, os argumentos esbarram até nas coberturas das partidas. 

— Estava lendo muitos comentários sobre a saída do Caxias Basquete. Claro que as pessoas tem um certo desconhecimento, mas não podemos colocar tudo na conta de Marcopolo, Randon e Prefeitura. Acho que o cenário do esporte nacional é complicado para os considerados amadores, exceto o futebol, justamente pela exposição. Há uma série de restrições em alguns canais de televisão que não citam o nome da equipe. Por exemplo, nunca éramos chamados de UCS e sim de Caxias do Sul. Isso dificulta bastante. Algumas regras impostas pelas ligas e federações complicam a aproximação de mais marcas. As empresas querem visibilidade, elas estão colocando dinheiro e querem o marketing do negócio – opina.

Leia também
Marco zero da construção de Caxias é furtado da Praça Dante

 
 
 
 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros