A história de Matheus Rocha, campeão do Mundo de taekwondo, que não se limitou pela Síndrome de Down - Esportes - Pioneiro

Versão mobile

 

Superação01/08/2018 | 08h00Atualizada em 01/08/2018 | 08h00

A história de Matheus Rocha, campeão do Mundo de taekwondo, que não se limitou pela Síndrome de Down

Lutador de 26 anos conquistou o ouro no Campeonato Mundial da modalidade, nos Estados Unidos

A história de Matheus Rocha, campeão do Mundo de taekwondo, que não se limitou pela Síndrome de Down Marcelo Casagrande/Agencia RBS
Foto: Marcelo Casagrande / Agencia RBS

 Matheus Rocha, aos 26 anos, não enxerga limites para que o taekwondo mude sua vida. Ele porta as armas da luta para competir. Porta a vontade de querer sempre aprender e de fazer do esporte um diferencial no seu dia a dia. Matheus é portador de um desejo incrível de vencer. Ele tem Síndrome de Down, mas a deficiência não o impediu de portar o sonho de se tornar campeão do mundo. 

Matheus venceu na apresentação de armas, na categoria habilidades especiais, o Campeonato Mundial da Associação Americana de Taekwondo (ATA), uma das três entidades máximas da modalidade, em Little Rock, nos Estados Unidos, na metade de julho. Além disso, conquistou o bronze em fórmula (quando o atleta realiza os movimentos da luta sem um adversário). 

Down não é doença e Matheus é, no máximo, portador das medalhas que carrega orgulhoso para cima e para baixo. Sua condição genética lhe traz algumas limitações, como todos nós temos em algum momento da vida. Até chegar ao título mundial, o atleta conquistou tudo o que disputou no Brasil e no continente. Campeão pan-americano nas quatro divisões – armas, sparing, sparing com bastão e fórmula –, se credenciou para a competição nos Estados Unidos. 

O primeiro desafio foi vencer a falta do seu mestre. Há mais de uma década treinando com o professor Tadeu Drago, em uma academia no bairro Santa Catarina, Matheus viajou com a família para a competição, enquanto  o mestre ficou no Brasil.

 CAXIAS DO SUL, RS, BRASIL, 29/07/2018 - Matheus Rocha, portador de Sindrome de Down, é campeão Mundial de Taekwondo em armas, nos Estados Unidos. (Marcelo Casagrande/Agência RBS)
Foto: Marcelo Casagrande / Agencia RBS

— Com as redes sociais fica tudo muito fácil. É como se estivesse perto. Além disso, o professor André Hermann, que mora em Niterói-RJ, já deu aula para o Matheus e estava na delegação da Seleção Brasileira, acompanhou ele — diz Drago, que ressalta a importância da participação dos pais e da irmã, que estavam com o lutador nos Estados Unidos:

— Nessa hora que se vê a importância da família. Os treinadores não podem estar em todos os momentos e o atleta viaja por conta própria. O relacionamento que tenho com os pais do Matheus é muito próximo. Acabo passando todas as demandas que ele precisa e eles administram essas necessidades.

Para Tânia Rocha, mãe de Matheus, a determinação do filho em conquistar o título foi marcante:

— Ele foi para o Mundial em 2016 e não conseguiu ganhar. Falou durante esses dois anos da vontade de voltar campeão. Ele quer fazer coisas para deixar os professores felizes. Quando o Drago mandou uma mensagem, ele ficou muito contente. É muito emotivo.

Presente nas duas edições em que Matheus competiu, Tânia diz que a dificuldade do campeonato em solo americano impressiona:

— É uma competição que tem o mesmo nível que a tradicional. Os juízes têm um senhor respeito pela categoria especial. Ele realmente competiu. No Brasil não tem competidores da idade e da categoria dele. 

O orgulho de Matheus é do tamanho da alegria com a qual mostra as medalhas.

— Me motivou muito competir nas armas, me faltava a de ouro. Tinha essa vontade de ser campeão. Espero ser um exemplo para quem quer lutar — diz o orgulhoso lutador.

A conquista de Matheus com o quimono é tão importante quanto o seu exemplo. Segundo Tânia, o filho passou a ser inspiração de futuro para quem convive a síndrome de Down:

— Os pais dos bebês com Down vêm falar com ele por mensagens. Às vezes,  os médicos te dizem que o teu filho vai ser dependente de ti a vida inteira. E ver o Matheus trabalhando, competindo, namorando, com muita independência, dá um novo ânimo para eles.

 Leia também:
Técnico caxiense Tiago Frank comandará o Brasil no Mundial de Basquete em Cadeira de Rodas
Tenista caxiense Amanda de Oliveira é campeã brasileira em Uberlândia

 
 
 
 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros