Intervalo: Clássico para o Juventude se distanciar do Z-4 ou se complicar de vez - Esportes - Pioneiro

Versão mobile

 

Opinião13/07/2018 | 06h40Atualizada em 13/07/2018 | 06h40

Intervalo: Clássico para o Juventude se distanciar do Z-4 ou se complicar de vez

Equipe alviverde visita o Brasil-Pel nesta sexta-feira, em Pelotas

Intervalo: Clássico para o Juventude se distanciar do Z-4 ou se complicar de vez Marcelo Casagrande/Agencia RBS
Foto: Marcelo Casagrande / Agencia RBS

Clássico da recuperação
Sempre é complicado jogar em Pelotas e não deve ser diferente no início da noite desta sexta-feira. Em um clássico gaúcho onde as duas equipes precisam crescer na competição, o aspecto anímico pode ser decisivo.

O bom aproveitamento do Ju fora de casa será colocado à prova diante de um adversário que está na penúltima colocação e trocou de técnico recentemente. Aliás, Gilmar Dal Pozzo, o novo comandante, conhece bem boa parte do grupo alviverde. Um ingrediente a mais para o duelo no Bento Freitas.

Leia Mais
Juventude reencontra o técnico Gilmar Dal Pozzo no duelo contra o Brasil-Pel
Caxias decide não disputar a Copinha FGF no segundo semestre de 2018

Outra situação a ser conferida é como o técnico Julinho Camargo aproveitou as duas semanas sem partidas. O grupo alviverde conta com mais opções e precisa de um bom resultado para não correr o risco de ingressar na zona de rebaixamento ao final da rodada.

Alternativas
Ainda sem contar com Fellipe Mateus, Caio Rangel e Mamute, fica clara a principal carência  do Juventude: o setor de transição do meio para o ataque. Mais uma vez, um lateral de ofício deve ser improvisado na segunda linha. Antes, era Choco. Desta vez, Vidal. 

Leandro Lima até tem mostrado evolução como camisa 10, mas falta parceria.  

Grená opta por não jogar
O Caxias optou por não seguir com seu departamento de futebol no segundo semestre. Olha para o aspecto financeiro e abre mão da possibilidade de conseguir uma vaga na Copa do Brasil. É uma decisão complicada, mas que cabe aos que comandam o clube. O torcedor, certamente, lamenta.

Argentinos na final
O árbitro argentino Nestor Pitana será o responsável por comandar a final da Copa do Mundo, entre França e Croácia, no domingo. Ele será auxiliado pelos compatriotas Hernan Maidana e Juan Belatti. 

Pitana tem 38 anos, é professor de Educação Física e faz parte do quadro da Fifa desde 2010. O argentino arbitrou em partidas importantes do Mundial: a abertura entre Rússia e Arábia Saudita, as oitavas entre Croácia e Dinamarca, além de França x Uruguai pelas quartas de final.

Mundial
A se destacar a importância de Caxias do Sul receber o Mundial de handebol para surdos, que segue até o próximo dia 21. Os jogos serão na UCS e delegações de nove países, incluindo o Brasil, disputam o torneio. Vale conferir!

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros