Francesa que mora em Caxias vibra com o título do Mundial - Esportes - Pioneiro

Versão mobile

 

Copa do Mundo15/07/2018 | 20h40

Francesa que mora em Caxias vibra com o título do Mundial

Solveig Dufrène viu na casa dos sogros a segunda conquista do seu país

Francesa que mora em Caxias vibra com o título do Mundial Porthus Junior/Agencia RBS
Foto: Porthus Junior / Agencia RBS

Foi uma comemoração contida. Sem bandeira ou qualquer símbolo que remetesse ao país natal. A francesa Solveig Dufrène, 29 anos, assistiu à final da Copa do Mundo 2018 na companhia do namorado, o servidor público Vagner Pedroni, 28, os sogros, Renato, 59, e Rosi, 57, e a cunhada, Carolina, 22.

Nascida na cidade de Vernon, ao norte da França, vivendo em Caxias do Sul desde 2011 e admitindo não ser uma entusiasta do futebol (ela não torce para nenhum time francês e o único jogo da seleção francesa que assistiu inteiro durante o Mundial deste ano foi contra a Bélgica, na seminifinal), Sol estava na expectativa para saber se seus conterrâneos repetiriam o feito de 1998, quando conquistaram o título pela primeira vez com o placar de 3 a 0 sobre o Brasil.

— Eu tinha 10 anos na época, mas lembro que foi um momento de alegria geral em todo o país. E é interessante também porque o técnico (Didier Deschamps) foi um dos jogadores da seleção, naquela época — recorda ela, que há cerca de três anos abandonou a carreira como engenheira de materiais para dar aulas de francês.

Leia também
Torcida croata em Caxias mostra orgulho pela campanha do país na Copa do Mundo
França vence a Croácia por 4 a 2 e conquista o bicampeonato da Copa do Mundo

Durante o jogo, a família dividiu momentos de euforia, como o primeiro gol contra da história em uma final da Copa do Mundo, marcado por Mandzukic em favor da França, e também de decepção, após o gol da Croácia, também de Mandzukic, graças a uma falha do goleiro francês Lloris.

Entre um lance e outro, a família lembrava de Copas passadas e aproveitava, também, para comentar sobre o estilo do narrador Galvão Bueno. Quando o placar marcava 4 x 2 para a França, todos já estavam mais relaxados e com a certeza de que a taça (e o bi mundial) estavam garantidos. 

Ao fim da partida, o sorriso no rosto refletia o orgulho pela conquista do título. O mesmo sentimento era compartilhado pelo sogro brasileiro:

— Também posso me considerar orgulhoso, já que meus bisavós maternos eram franceses.

Leia também
Após ficar com o filho quase dois dias no Postão, mãe se obriga a pagar por exame particular

 
 
 
 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros