Caxiense Guilherme Mari encara desafio na Dinamarca - Esportes - Pioneiro

Versão mobile

 

Aquatlo10/07/2018 | 08h43Atualizada em 10/07/2018 | 08h43

Caxiense Guilherme Mari encara desafio na Dinamarca

Atleta competirá no Campeonato Mundial Multiesportes

Caxiense Guilherme Mari encara desafio na Dinamarca Diogo Sallaberry/Agencia RBS
Foto: Diogo Sallaberry / Agencia RBS

Um atleta que se divide entre correr, nadar e ser analista de processos de uma fábrica de calçados em Farroupilha. O caxiense Guilherme Mari (Bioforte / Lojas Lupo Iguatemi / Pranadar / Travelfor / Aline Cerbaro Nutricionista) vai para o maior desafio na sua carreira. 

Aos 28 anos, ele participará, quinta-feira, da prova de aquatlo no Campeonato Mundial Multiesportes, em Fyn, na Dinamarca. Após quatro anos competindo no triatlo, o desafio na Europa será o grande momento em uma modalidade um  pouco menos famosa e sem tanta visibilidade. 

No aquatlo, o atleta precisa nadar mil metros e na sequência correr 5km. 

– Diferente do triatlo, que sai de uma posição horizontal (natação) para uma pouco mais agachado (ciclismo), o aquatlo é mais impactante. Sai direto da horizontal para a vertical. O sangue está todos nas pernas e nos braços, e vai direto para os membros inferiores. No começo é mais difícil, mas depois de alguns quilômetros o corpo acostuma e se consegue encaixar o ritmo de prova – explica o atleta, que consegue conciliar o tempo livre para os treinamentos entre o início da manhã e o final da tarde:

– Treino de uma hora e meia a duas, todos os dias. Por vezes,  tem mais natação e a corrida é mais leve. E vice-versa.

 Leia também

Súmula aponta cinco expulsões e a confusão poderá prejudicar o Caxias no ano que vem

A grande dificuldade na preparação de Mari – que disputará o mundial na categoria 25 a 29 anos – está no treinamento da natação. A competição é realizada em mar aberto, condição que não é fácil encontrar durante o período pré-prova. Até pela distância do litoral.

– Essa parte é um pouco complicada. O ideal seria praticar em águas abertas, mas como nossa região não conta com essa condição, acabo treinando nas competições mesmo. No mais, é sempre em piscina, onde trabalho a técnica – afirma Mari, que vê um fator positivo no aquatlo em relação ao triatlo, que ele também pratica:

– É uma vantagem para quem vai viajar. Não precisa se incomodar em levar a bicicleta. Se torna um esporte um pouco mais acessível. E ainda assim, é muito desafiador. Não é só ir lá e nadar mil metros. Tem que fazer isso e depois ter fôlego para sair e correr mais 5km. Tem que ser bom nos dois.

Leia também
Graduado em História, vigilante troca aulas por comida em Caxias do Sul

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros