No Corinthians, técnico ganhou projeção internacional ao vencer o Mundial de 2012 - Esportes - Pioneiro

Versão mobile

 

Conquistas de Tite #508/06/2018 | 08h00Atualizada em 08/06/2018 | 08h00

No Corinthians, técnico ganhou projeção internacional ao vencer o Mundial de 2012

Tite teve três passagens pelo Timão, conquistando seis competições

No Corinthians, técnico ganhou projeção internacional ao vencer o Mundial de 2012 Daniel Augusto Jr/Ag. Corinthians
Tite se tornou ídolo do Corinthians e teve seu nome sendo unânime nos pedidos para comandar a Seleção depois da Copa de 2014 Foto: Daniel Augusto Jr / Ag. Corinthians

Do “fala muito” ao “Favela, is here” (A favela é aqui), Tite está eternizado na memória dos corintianos. Motivo de piadas na sua chegada ao Parque São Jorge, muito em fruto de seu sotaque característico da Serra Gaúcha, Adenor Leonardo Bachi conquistou a todos com títulos, a seriedade e o caráter que o tornaram um dos maiores ídolos da gloriosa história do Timão.  

Leia Mais:
Relembre como o treinador da Seleção levou o Inter a ser o "Campeão de Tudo"
Na conquista do Gauchão 2000, treinador da Seleção surpreendeu o favorito Grêmio
Técnico da Seleção Brasileira começou a trajetória de títulos no Veranópolis
No Grêmio, em 2001, técnico da Seleção ganhou a Copa do Brasil e o reconhecimento nacional 

A torcida se intitula “Bando de Loucos” e Tite também é um deles. Por que não? A cena do técnico literalmente no meio da torcida ficou marcada no dia 23 de maio de 2012. No jogo de volta contra o Vasco, pelas quartas de final da Libertadores, o técnico foi expulso. O normal, seria o comandante passar instruções por algum auxiliar. Mas não. No ímpeto de vencer a partida, a arquibancada virou sua casamata. 

– Eu só olhava para o Willian e para o Liedson. Eles balançaram a cabeça, sinal de que entenderam o que passei. Na hora que aconteceu o gol, tinha eu, Edu (Gaspar, gerente de futebol), Duílio (Monteiro Alves, diretor adjunto de futebol) e uns ‘trocentos’ do lado. Mas em seguida eu já queria posicionar a equipe. Se o time sofresse o empate e eu não estivesse na beirada, seria um peso muito grande. Teve o lado de me remeter à adolescência, de ir a campo assistir, poder vibrar junto, participar. Estou errado, não deveria estar ali. Tenho essa consciência – disse Tite, à época, ainda sem ter a real dimensão do que fizera no lotado Pacaembu. 

Isso, literalmente, aproximou ainda mais o caxiense da Fiel. Tite era assim na infância, intenso, competitivo ao extremo. Sua autenticidade ficou ainda mais aflorada no time paulista. 

– No Corinthians é pré-requisito ser intenso, pilhado. Atrás desse cara ponderado, tem um cara intenso no que faz, apaixonado até demais – concordou Tite, em entrevista coletiva após a conquista do Mundial de Clubes em 2012. 

Aliás, o título sobre o Chelsea foi mais um daqueles que começou a ser vencido no vestiário. Como fizera no Grêmio, o treinador desafiou seu time naquele 16 de dezembro de 2012. Sem o mesmo investimento e com o rival recheado de jogadores consagrados, era preciso mais do que coragem para encarar Petr Cech, Ivanovic, Ashley Cole, Lampard, Hazard e cia. 

– Antes da final do Mundial ele  perguntou para um por um: “Quem é o melhor marcador do Chelsea? É o Ivanovic? Danilo, na primeira bola que tu pegares meta na caneta dele. Pode errar estamos aqui para jogar.” O Danilo tentou, mas não conseguiu, mas meu irmão queria ver os caras com confiança – relembra Ademir Bachi, o Miro, irmão de Tite e mais um da invasão corintiana em Yokohama, no Japão:  

– Hoje, a gente não torce mais para ninguém. Não tem como. A gente torce para as pessoas que estão nos clubes. No Corinthians, por exemplo, eu fui para o Mundial, cantei o hino.

A decisão não foi nada fácil. Campeão europeu, o Chelsea tinha nomes consagrados como o volante Frank Lampard e o meia Eden Hazard, um dos principais jogadores da geração belga. A equipe comandada pelo espanhol Rafael Benítez criou mais no primeiro tempo, mas esbarrou no veranense Cássio. Foram várias defesas difíceis, que fizeram do arqueiro o melhor jogador da partida.  

Tite montou uma formação que permitiu ao Corinthians encarar os ingleses de igual para igual. Com relação à semifinal, na vitória sobre Al Ahly, do Egito, sacou o meia Douglas e colocou Jorge Henrique, mais forte taticamente. Deu certo. 

O Timão soube administrar o jogo e, aos 24 minutos do segundo tempo, Paolo Guerrero fez de cabeça: 1 a 0. Foi o gol da maior conquista de Tite.

 Chelsea x Corinthians, jogo válido pela final do Mundial de Clubes da Fifa 2012, em Yokohama, no Japão, neste domingo, 16. O Corinthians venceu o jogo por 1x0 e sagrou-se bicampeão mundial. Gol do Corinthians marcado por Guerrero.Brazils Corinthians forward Paolo Guerrero (R) scores a goal against English Premier League team Chelsea during their 2012 Club World Cup football final match at Yokohama on December 16, 2012.     AFP PHOTO / KAZUHIRO NOGIEditoria: SPOLocal: YokohamaIndexador: KAZUHIRO NOGISecao: SoccerFonte: AFPFotógrafo: STF
Foto: Kazuhiro Nogi / AFP

A escolha de Sanchez

– O Tite é melhor ser humano do que treinador. 

A frase é de Andrés Sanchez, atual presidente do Corinthians e mandatário do clube nas principais conquistas de Tite. Responsável por segurar o treinador no momento mais difícil da sua segunda passagem pelo Timão, Sanchez soube avaliar que o resultado em campo nem sempre determina a capacidade de liderar um grupo.  

– O Tite foi herói porque ganhou. Se ele tivesse perdido era burro e eu mais burro ainda. Infelizmente, a imprensa só vê resultados. Ele estava no Corinthians há sete jogos e não tinha culpa nenhuma pela eliminação contra o Tolima. A culpa era dos jogadores e minha. Em menos de um ano, o treinador não consegue encontrar resultado. 

O momento em questão ocorreu em fevereiro de 2011, pouco depois de Tite assumir o Corinthians pela segunda vez. Na fase preliminar da Libertadores, o time paulista empatou sem gols no Pacaembu e perdeu para os colombianos, fora de casa, por 2 a 0. Uma eliminação precoce, inesperada e inédita para clubes brasileiros. 

– Ele (Tite) achou que iria ser mandado embora e estava com a mala pronta assim que a gente chegou em São Paulo, logo depois de cair para o Tolima. Cheguei e falei para ele: “Você vai me largar na mão, vai pipocar?” – relembra Sanchez.

No final de semana seguinte, o Corinthians bateu o Palmeiras no Paulistão e Tite ganhou fôlego. A sequência da história foi de uma reformulação no grupo, com a saída de nomes como Roberto Carlos e Ronaldo Fenômeno, e uma caminhada vitoriosa nas temporadas seguintes. Vieram o título brasileiro de 2011, a inédita Libertadores de 2012 e a coroação com o Mundial, sobre o Chelsea, no final do mesmo ano.

– Ele (Tite) não pensa só no atleta, pensa no ser humano. Hoje um grupo dentro de um clube tem 70 pessoas, que ganham de mil reais até um milhão. Você tem que saber conviver. Um gosta de ler, outro de estudar, outro de beber, outro de fumar. Cada um tem um jeito. Você tem que saber lidar com todos eles da mesma forma – comenta o presidente corintiano, ao falar sobre a gestão de grupo de Tite na época de treinador do Timão. 

Preparador de goleiros durante as duas passagens do técnico pelo Timão, Mauri Lima relembra com carinho da forma como o treinador liderava o elenco:

– O que se pode destacar é o profissionalismo. A questão do merecimento ele sempre utilizou com todos. É um cara correto e honesto, algo difícil dentro do futebol. É complicado de se falar aquilo que pensa para um ou para outro, por vezes no particular ou diante do grupo. E ele nunca deixou de passar aquilo que acreditava ser positivo para o time ou um determinado atleta. 

Em um período marcado pelas vitória no Timão, a maior recompensa estava no bom ambiente de trabalho, focado sempre na evolução, seja após uma conquista ou uma derrota.

– Sempre foi um cara estudioso, que acabava um jogo e estava pensando no seguinte, procurando informações sobre jogadores ou mesmo no que aquela partida poderia oferecer. Sempre focado no que estava fazendo. Se chegou onde chegou é porque fez por merecer. São vários fatores que determinam o sucesso. O olho no olho, que ele sempre fala. Dentro do padrão Tite, é um cara diferenciado – resume Mauri.

Corinthians é Campeão BrasileiroSP - BRASILEIRÃO/CAMPEÃO/CORINTHIANS - ESPORTES - Jogadores do Corinthians dão banho no técnico Tite durante a comemoração da conquista   do Campeonato Brasileiro, nos vestiários do Estádio do Pacaembu, em São Paulo, neste   domingo. A equipe garantiu o título após o empate em 0 a 0 com o Palmeiras, pela última   rodada do torneio.   04/12/2011 - Foto: DANIEL AUGUSTO JR/AG CORINTHIANS/AEEditoria: ESPORTESLocal: SÃO PAULOIndexador: DANIEL AUGUSTO JRSecao: Estadio do PacaembuFotógrafo: AG CORINTHIANS
Foto: DANIEL AUGUSTO JR / Estadão Conteúdo

Leia Também:
Brechó das Cachorras arrecada recursos para animais carentes em Caxias
Verbas federais previstas para obras na Serra estão ameaçadas  

 
 
 
 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros