Intervalo: Postura do Caxias na decisão de domingo precisa ser agressiva desde o primeiro minuto - Esportes - Pioneiro

Versão mobile

 

Opinião23/06/2018 | 06h45Atualizada em 23/06/2018 | 06h45

Intervalo: Postura do Caxias na decisão de domingo precisa ser agressiva desde o primeiro minuto

Equipe grená precisa vencer para garantir vaga nas quartas no tempo normal

Intervalo: Postura do Caxias na decisão de domingo precisa ser agressiva desde o primeiro minuto Porthus Junior/Agencia RBS
Foto: Porthus Junior / Agencia RBS

Só faltam três
Permitam-me deixar a Copa da Rússia de lado. Neste final de semana, a grande decisão para o futebol caxiense é no Estádio Centenário. Na verdade, é a primeira das três finais que o Caxias tem pela frente para alcançar o tão sonhado acesso à Série C.

Leia Mais
Técnico do Caxias confirma manutenção do time para encarar o Uberlândia

Depois de empatar com o Uberlândia, fora de casa, o time grená tem a importante vantagem de decidir seu futuro com o apoio do torcedor. Contra o Maringá, na fase anterior, deu muito certo e a vaga veio com extrema naturalidade.

Desta vez, o adversário é mais perigoso, mas a postura do time de Winck precisa ser a mesma. Agressiva desde o primeiro minuto. Mesmo que seja necessária uma dose a mais de paciência durante o jogo, o momento é de se impor. O Caxias já mostrou sua força na competição e precisa agora comprovar mais uma vez que tem condições de dar o passo final.

Sem sofrência
Se fosse fazer uma enquete com 10 torcedores do Caxias, certamente todos eles gostariam de evitar a disputa por pênaltis.  Mesmo assim, pelas características de um mata-mata, é preciso estar pronto para tudo.

De qualquer forma, se for possível, vamos evitar a sofrência. 

Baita atuação
Foi sofrido, com enorme carga de dramaticidade, mas o Brasil venceu. E deixou uma impressão positiva. Teve garra, não desistiu em nenhum momento e foi paciente para encontrar o espaço até o gol.

Méritos também para a defesa costarriquenha e o goleiro Keylor Navas. Porém, é preciso ressaltar que o triunfo da Seleção tem a influência direta de Tite. As substituições surtiram efeito e melhoraram a equipe. Douglas Costa foi melhor que Willian. Firmino agregou mais que Paulinho. No fim, brilhou Coutinho, o melhor jogador do Brasil na Copa. 

Outro destaque nesses dois primeiros jogos é o zagueiro Thiago Silva. Depois de um período de muita contestação após o Mundial de 2014, o defensor deu a volta por cima, foi capitão no jogo de sexta e mostra o mesmo desempenho exemplar que tem atuando pelo PSG da França. 

Leia Também
Brasil marca duas vezes no fim e vence a Costa Rica na Copa do Mundo

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros