Intervalo: para dupla Ca-Ju é vencer ou vencer no fim de semana - Esportes - Pioneiro

Versão mobile

 

Opinião28/04/2018 | 10h22Atualizada em 28/04/2018 | 10h22

Intervalo: para dupla Ca-Ju é vencer ou vencer no fim de semana

Em situações diferentes, as duas equipes precisam fazer valer seus mandos de jogos

Intervalo: para dupla Ca-Ju é vencer ou vencer no fim de semana Porthus Junior/Agencia RBS
Grupo alviverde precisa ganhar para afastar qualquer possibilidade de má fase Foto: Porthus Junior / Agencia RBS

Isso vale para os dois times: Caxias e Juventude. O alviverde, porque precisa começar a dar uma resposta na Série B. Não poderá pensar sequer em empate jogando dentro do Estádio Alfredo Jaconi. Claro, ainda têm muitas rodadas pela frente, mas não é nada bom iniciar a caminhada no Z-4. Nem é bom que o torcedor fique apreensivo. A vitória sobre o Avaí vale muito. 

No lado grená, o motivo é mais tranquilo. Começou vencendo, mas tem que ganhar as próximas duas partidas em casa e encaminhar sua classificação. O Caxias tem um time mais entrosado, qualificado e precisa mostrar isso no campo do Centenário. Fim de semana precisa ser de vitórias.

Apenas duas vitórias dentro de casa numa temporada é pouco para o Caxias. Ainda que esteja invicto, domingo é dia de encerrar a “empatite”.

Leia mais
Atacante Maikinho é apresentado e relacionado no Juventude para sábado

Os treinos fechados

Não sou e nem posso ser contra os trabalhos de portões fechados. Mas o que se trabalha neles precisa aparecer no campo de jogo. É uma premissa e isso que analisamos.

Nenhum treinador quer entregar as estratégias ao rival. A escalação dá uma informação mínima. Agora, espero que os minutos de privacidade utilizados pelos técnicos Julinho Camargo e Luiz Carlos Winck apareçam no sábado e no domingo, respectivamente, e possa definir as partidas em prol da dupla Ca-Ju. Se não, meu argumento cai por terra.

Vai Del Nero

Enfim, Del Nero está fora da CBF e do futebol. Só que seus vices seguem por ali e o presidente até abril do próximo ano atende pela alcunha de “coronel”. Não me agrada esse termo quando o assunto é futebol. Enfim, esperamos que as coisas mudem daqui para frente. Que a gente possa se empolgar, como o presidente da Federação Gaúcha, Francisco Novelletto, com a nova diretoria. Veremos.

 Leia também:
Sartori garante pagamento de salários até R$ 4,5 mil na segunda 

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros