Intervalo: Com um grupo mais encorpado, falta ainda um atacante de velocidade para o Juventude - Esportes - Pioneiro

Versão mobile

 

Opinião30/03/2018 | 07h00Atualizada em 30/03/2018 | 07h01

Intervalo: Com um grupo mais encorpado, falta ainda um atacante de velocidade para o Juventude

Com seis novidades, grupo alviverde ainda deve receber o meia Tony

Intervalo: Com um grupo mais encorpado, falta ainda um atacante de velocidade para o Juventude Porthus Junior/Agencia RBS
Jair (C) é um dos reforços contratados que vieram do VEC Foto: Porthus Junior / Agencia RBS

Seis novatos
Com um quarteto oriundo do Veranópolis e dois jogadores que ainda buscam afirmação após um início de carreira promissor, o Juventude encorpou o seu grupo. Dos atletas que vieram do pentacolor, continuo acreditando que a dupla Jair e Bertotto é que pode dar melhor resposta, mas vale dar crédito a Mattioni e Bonfim, que fizeram um bom Gauchão.

Leia Mais
Caxias deve ter novidades na equipe para o jogo-treino contra o Inter, neste sábado
Depois de Jair e Rafael Bonfim, Juventude confirma mais quatro reforços para a Série B

Com a chegada deles e de Neuton, o sistema defensivo está bem encaminhado. Agora, faltam as peças diferenciadas, que viriam para mudar o status ofensivo.

Primeiro atacante

Um dos grandes problemas do Juventude neste início de temporada foi o aproveitamento ofensivo. Faltaram especialmente peças de qualidade para jogar pelo lado de campo e que agregassem velocidade.

CAXIAS DO SUL, RS, BRASIL, 29/03/2018. Treino do Juventude no estádio Alfredo Jaconi. Novos reforços do Ju já começaram os trabalhos. Na foto, atacante Caio Rangel. (Porthus Junior/Agência RBS)
Foto: Porthus Junior / Agencia RBS

A primeira ficha alviverde para a Série B, o jovem Caio Rangel (foto acima) disputou a competição no ano passado pelo Criciúma. Além disso, tem no currículo passagens pela seleção brasileira nas categorias de base.

Sem atuar nos primeiros meses deste ano, o carioca de 22 anos chegou a ser anunciado pela Ponte Preta, mas não ficou. Precisa mostrar serviço e é uma aposta interessante.

Coerência
É impressionante a coerência dos dirigentes brasileiros. No discurso, o Estadual não é importante. Na prática, não chega na decisão e tudo é revisto. 

Mais um exemplo disso foi a demissão do técnico Paulo César Carpegiani, do Flamengo, menos de três meses após ele assumir o cargo. Junto com ele caiu o diretor-executivo Rodrigo Caetano.

A temporada está só início, mas a roda continua girando como nos anos anteriores.

Leia Também
3por4: Iniciativa da caxiense Luxion, Prêmio Carlitos está com inscrições abertas


 
 
 
 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros