Aos gritos de "vergonha", Juventude dá adeus ao Gauchão na fase de classificação - Esportes - Pioneiro

Versão mobile

 

Eliminado11/03/2018 | 19h13Atualizada em 12/03/2018 | 15h04

Aos gritos de "vergonha", Juventude dá adeus ao Gauchão na fase de classificação

Empate em 0 a 0 com o Veranópolis, em casa, impediu o avanço alviverde para as quartas de final

Aos gritos de "vergonha", Juventude dá adeus ao Gauchão na fase de classificação Diogo Sallaberry / Agência RBS/Agência RBS
Foto: Diogo Sallaberry / Agência RBS / Agência RBS

O Juventude fez de tudo para não classificar à segunda fase do Campeonato Gaúcho de 2018. Pelo segundo ano consecutivo, chegou na última rodada com risco, mesmo que pequeno, de rebaixamento para a Divisão de Acesso.  Não caiu, mas também não passou para os mata-matas. A nova mostra da incompetência foi em casa, contra o Veranópolis. Dependendo somente de suas forças, a equipe do técnico Julinho Camargo não conseguiu vencer o Veranópolis, montado pelo hoje treinador alviverde. 

O modorrento 0 a 0, na quente tarde de domingo, foi só mais uma mostra de que muita coisa tem que mudar no Alfredo Jaconi para que o Ju não tenha uma Série B desastrosa. O VEC está garantido nas quartas de final, onde enfrenta o São José-PoA. Os gritos de "vergonha" vindo das arquibancadas foram o desfecho de mais um Gauchão feio do Ju.

O primeiro tempo foi de um Juventude pouco produtivo e com o VEC dominando as situações da partida. Assim, o pentacolor foi quem arriscou primeiro, aos oito minutos, quando o lateral-esquerdo Romano cobrou falta fechada e obrigou Matheus a fazer boa intervenção. 

O Juventude só chegou com perigo aos 21, quando Pará cobrou falta para o meio da área. O centroavante Queiróz desviou no caminho e antes que a bola chegasse para Denner o goleiro Reynaldo mandou para a linha de fundo. 

Enquanto o VEC arriscava com Romano e Mationi, o Ju teve a chance mais clara da primeira etapa aos 30. Fellipe Mateus cobrou escanteio para o meio da área. Atrapalhado pelo sol, Romano mandou a bola contra o próprio gol. Quase em cima da linha o goleiro do Veranópolis impediu a abertura do placar, mantendo o 0 a 0 até o intervalo.

O segundo tempo veio com a mesma batida. Tanto que logo aos dois minutos, Juba tentou de bicicleta, mas mandou a bola à direita do gol alviverde. A primeira chegada do time de Julinho Camargo veio aos 11, quando após cobrança de escanteio por Pará, o zagueiro Micael cabeceou para fora.

O Juventude ameaçou perigo aos 22. Amaral, com velocidade, cobrou lateral para Jô. O atacante alviverde mandou, da linha de fundo, para o meio da área. Ricardo Jesus ajeitou, mas Masteus Santana, de frente para o gol, mandou para longe do gol de Reynaldo.

A partir daí, o Veranópolis se fechou, e tentou explorar os contra-ataques. O Juventude, sem força para atacar, não conseguiu sequer empolgar o torcedor, que ao final da partida gritou o sentimento do dia, que resume a campanha alviverde no Gauchão: Vergonha. 

Ficha técnica

Juventude: Matheus, Choco, Fred, Micael e Pará; Amaral, Mateus Santana(Guilherme Ozelame, 31/2º), Bruno Ribeiro (Jô, 13/2º) , Denner e Fellipe Mateus; Queiróz (Ricardo Jesus, int.). Técnico Julinho Camargo

Veranópolis: Reynaldo, Vinícius Bovi, Rodrigo, Léo D'Agostini e Romano; Fabrício (Jadson, 34/2º), Jair, Eduardinho e Felipe Mationi (Rogerinho, 25/2º); Juba (Mateus Lagoa, 28/2º) e William Paulista. Técnico Sananduva.
Público: 3.684 torcedores.
Renda: R$ 101.360,00

Leia Também
Candidatos dizem que prova do concurso da prefeitura de Caxias do Sul estava mais difícil
Trio é detido com arma, drogas e rádios na frequência da polícia, em Caxias 


 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros