De olho na liderança, Caxias recebe o Brasil-Pel na noite desta sexta-feira - Esportes - Pioneiro

Versão mobile

 

Gauchão 201823/02/2018 | 09h00Atualizada em 23/02/2018 | 09h00

De olho na liderança, Caxias recebe o Brasil-Pel na noite desta sexta-feira

Se vencer no Centenário, grená ultrapassa o Xavante e o Inter na competição 

De olho na liderança, Caxias recebe o Brasil-Pel na noite desta sexta-feira Marcelo Casagrande/Agencia RBS
Túlio Renan (C) deve voltar ao time titular diante do Brasil-Pel Foto: Marcelo Casagrande / Agencia RBS

Um jogo chato. E chave. De três pontos. Rótulos não faltam para definir o confronto de hoje, às 21h30min. No Centenário, o Caxias recebe o Brasil-Pel em duelo que vale a liderança do Campeonato Gaúcho.

Frente à frente estarão o segundo melhor ataque e a melhor defesa. O grená, que marcou 14 gols, liderou a competição até a penúltima rodada, quando empatou com o Veranópolis. O Brasil é o atual líder por aproveitamento, empatado em pontos com o Inter, e sofreu apenas três gols no Estadual.

Além de um adversário forte, o Caxias vem de uma sequência de três jogos sem vencer no Gauchão. Ainda assim, o time do técnico Luiz Carlos Winck se mantém invicto na competição.

– Uma equipe quando está invicta é porque faz por merecer, faz um bom trabalho na competição, ainda mais em um torneio como o Gauchão, equilibrado e com jogos difíceis. Temos o maior respeito pelo Brasil, mas sabemos que é um jogo de seis pontos e que podemos retomar a liderança do campeonato – resumiu o treinador.

Para a partida desta noite, o Caxias não terá Julinho. O lateral-esquerdo sofreu uma contratura muscular na coxa direita no clássico Ca-Ju e será substituído por Vavá.

– O Vavá vem trabalhando bastante. A diferença é que o Julinho tem um ritmo maior. Isso faz diferença nos jogos. É por isso que não gosto de mexer no time. Só faço na obrigação. Essa teoria de futebol moderno, de trocar jogador a toda hora, de poupar jogador, é uma bobagem. Futebol é repetição, entrosamento – explicou Winck.

No entanto, uma mudança será feita por opção. Túlio Renan volta ao ataque no lugar de Daniel Cruz. Uma substituição natural, conforme o técnico grená.

– Não tem muito mistério. Lá na frente é que pode haver uma mudança entre o Daniel (Cruz) e o Túlio Renan. Sempre deixei claro que o Daniel disputa vaga com o Túlio como atacante ou extrema pela direita. São características diferentes e que se tornam interessantes de acordo com os jogos – compara.

Na zaga, Laércio é dúvida. Se não jogar, entra Geninho.

Rival de melhor defesa

Dono da melhor defesa, o Brasil deve impor uma estratégia de esperar o adversário, como fizeram São José e Veranópolis. Contra estes, o Caxias não conseguiu vencer.

– Procuramos observar nos vídeos como eles jogam e criar uma ou outra situação para infiltrar na marcação do adversário – detalhou Winck.

Leia também:
Euforia e muitos aplausos no anúncio da Havan em Caxias
Projeto que prevê faturas em braile em Caxias do Sul irá virar lei
Mesmo com previsão de frio, meteorologistas descartam ocorrência de geada na Serra 

 
 
 
 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros