Banana Bowl reúne talentos e sonhos de jovens promissores em Caxias do Sul - Esportes - Pioneiro
 

Tênis21/02/2018 | 21h58Atualizada em 22/02/2018 | 08h00

Banana Bowl reúne talentos e sonhos de jovens promissores em Caxias do Sul

48ª edição da competição nacional se encerra no domingo

Banana Bowl reúne talentos e sonhos de jovens promissores em Caxias do Sul Porthus Junior/Agencia RBS
João Loureiro, 14 anos, é o segundo colocado no ranking sub-16 Foto: Porthus Junior / Agencia RBS

Tomar decisões que decidirão seu futuro sempre são complicadas. Escolhas definem caminhos e que poderão ser irreversíveis em alguns casos. Se para um adulto isso é de tirar o sono, para uma criança é ainda mais impactante. O 48º Banana Bowl, que vai até domingo na sede do Recreio da Juventude, em Caxias do Sul, reúne diversas histórias assim. Meninas e meninos que largaram o conforto do lar em busca do sonho de jogarem tênis.

Leia Mais:
Mau tempo em Caxias atrapalha programação do Banana Bowl

Para alguns, a escolha deu tão certo que hoje colhem frutos. Estão no topo do ranking da Confederação Sul-americana de Tênis (Cosat) e já dão um passo a mais para novas escolhas.

– Esse ano mudou a escola. Vou começar a estudar à distância, essa é a maior mudança de 2018. Vamos começar a treinar em dois turnos e vai ser mais puxado. Mas é o que gostamos de fazer, então é tranquilo – afirma João Loureiro, de 14 anos e 2º no ranking sub-16.

Estudar no Colégio Goliath, de Miami (EUA), é até uma mudança pequena, próxima da troca de cidade com 12 anos. Natural de Belo Horizonte, ele chamou a atenção do técnico catarinense Ricardo Schlachter há dois anos, em um torneio sul-americano, e teve que tomar uma decisão: seguir na capital mineira ou se mudar para Joinville, no norte catarinense. Mudou-se. E hoje colhe os resultados.

– Foram vários passos muito importantes, mas essa foi a principal. Lá (em Joinville), eu encontrei um belo de um tênis e agora tem que trabalhar firme para manter – opina Loureiro.

Loureiro já está nas quartas de final do torneio nacional. Ainda assim, o objetivo é bem longe do Brasil. Ele tem a meta de classificar para o giro europeu, sequência de torneios de base no velho continente. Falta pouco para isso. Após a disputa em Caxias do Sul e da Copa Gerdau, em Porto Alegre, ele vai para o Panamá e Porto Rico buscar os pontos que faltam no ranking internacional, o ITF.

Mesmo com a pouca idade, as metas e a rotina já são de um atleta de alto-rendimento: dois turnos de treinamentos técnicos e físicos. Trabalhos que poderão ou não torná-lo um profissional.

– Nada é certo no meio do tênis. Eles estão com 15 anos de idade, temos mais uns quatro anos para trabalhar e preparar eles para a vida profissional, que não é fácil. O objetivo é deixar os meninos prontos para isso, mas depois vamos ver se conseguirão alcançar – afirma o técnico Schlachter.

Nesse caminho, passa o Banana Bowl. Não é o foco principal levar uma taça, mas se trata de uma preparação ao ano que está por vir. E será cheio. Das 52 semanas, ele espera ficar 18 em casa. De resto, é buscar o seu grande sonho: tornar-se um tenista profissional.

 CAXIAS DO SUL, RS, BRASIL, 20/02/2018. 48º Banana Bowl. A competição de tênis está sendo realizada no clube Recreio da Juventude. Na foto, Pedro Boscardin. (Porthus Junior/Agência RBS)
Foto: Porthus Junior / Agencia RBS

Preparando talentos para promissor futuro

O técnico Ricardo Schlachter trabalha diretamente com Loureiro e também Pedro Boscardin, número 7 no ranking sul-americano, duas grandes promessas do tênis brasileiro. 

– Faz mais de dois anos e meio que desenvolvo esse trabalho com eles. É um trabalho bastante direcionado para competições nacionais e, principalmente, internacionais. Hoje eles estão competindo mais fora do país. Enfim, trabalhamos visando a uma carreira profissional – explica o treinador.

Essa preparação conta com dicas preciosas da maior estrela do tênis brasileiro: Gustavo Kuerten. Amigos pessoais, Schlachter e Guga trocam informações seguidas sobre o treinamento e o desempenho dos meninos.

– O Guga está contribuindo bastante por tudo o que ele viveu. É algo muito importante e agrega no trabalho. Ele passa várias dicas daquilo que ele percebe que pode contribuir para os garotos – diz Schlachter.

Boscardin vive a mesma rotina de Loureiro, estudando à distância na escola norte-americana. Também nas quartas de final do Banana Bowl, seu foco é ir mais longe em 2018.

– O objetivo é classificar para a gira europeia e fazer bons resultados lá. Isso vale muito para o ranking de lá – afirma o jovem de 15 anos.

Leia também:
Candidata desiste de participar do concurso de soberanas da Festa da Uva Calendário de oitivas do processo de impeachment do prefeito de Caxias deve ser divulgado até sexta Praça do Trem, em Caxias, fica sem iluminação após furto de cabos de energia 

 
 
 
 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros