Dupla de jovens promessas do basquete caxiense vai treinar nos Estados Unidos - Esportes - Pioneiro

Longe de casa27/12/2017 | 08h00Atualizada em 27/12/2017 | 16h24

Dupla de jovens promessas do basquete caxiense vai treinar nos Estados Unidos

João Víctor Scopel, 14 anos, e Lucas Romanzini, 16, ficarão uma semana em treinamentos intensivos na Flórida, no fim de janeiro

Dupla de jovens promessas do basquete caxiense vai treinar nos Estados Unidos Diogo Sallaberry/Agencia RBS
João Víctor Scopel (E) e Lucas Romanzini atuam nas categorias de base do Caxias do Sul Basquete Foto: Diogo Sallaberry / Agencia RBS

Sonhar alto e quem sabe um dia viver somente jogando basquete. Os planos são da dupla de jovens atletas do Caxias do Sul Basquete: Lucas Romanzini, 16 anos, e João Víctor Scopel, 14.

Ambos viajam no dia 26 de janeiro para uma intensa semana de treinamentos na IMG Academy, em Bradenton, na Flórida-EUA. Mais do que um intercâmbio, os dois sabem bem os pontos que querem aprimorar em em suas técnicas, apesar da pouca idade.

- Acho que posso melhorar minha leitura de jogo. Melhorar a parte mental e física também. E ainda aprimorar habilidades, como fazer cestas - espera João Víctor, 1m85cm, ala/pivô do time sub-14 caxiense.

No próximo ano, o estudante da Escola São José vai para o nono ano e no basquete atuará no time sub-15. Em 2017, João Víctor terminou o Campeonato Gaúcho sub-15 como cestinha da competição.

Já Romanzini, 1m93cm, está num estágio mais avançado e já treina com o time profissional do Caxias do Sul Basquete. O ala/pivô, inclusive, já esteve no banco de reservas em alguns jogos no NBB 10. Apesar disso, segue atuando pelo sub-17, onde, em agosto, foi eleito o melhor pivô do 21º Encontro Sul-Americano de Basquete disputado em Novo Hamburgo.

- Acho que é isso o que temos de fazer. A maioria dos jogadores contrata profissionais nas férias para poder melhorar parte do seu jogo que não está gostando. Nunca seremos bons o suficiente. Sempre temos de aprender novos recursos para melhorar. Mesmo estando nos profissionais, uma experiência que está sendo ótima, ainda acho que tenho muita coisa para melhorar na minha categoria. Quero melhorar principalmente para enxergar mais o jogo, ter mais inteligência nas jogadas - detalha o jovem, que vai para o terceiro ano do Ensino Médio no La Salle Carmo.


Aprendizado longe de casa

A oportunidade da viagem veio por meio da indicação de amigos. Augusto e Antônio Dartora de Martini, irmãos gêmeos de 14 anos, são caxienses e moram com a mãe Talu Andréa, em Bradenton, onde são bolsistas também na IMG.

- Conhecemos eles pelo basquete também. Tem um camp de verão que jogadores que querem melhorar e se aprimorar fazem. É uma das melhores escolas de treinamentos de basquete nos Estados Unidos - resume João Víctor, que joga basquete em escolinhas desde os 8 anos.

O patrocínio é caseiro. São os pais da dupla que irão financiar os treinamentos e a permanência de João Víctor e Lucas Romanzini nos Estados Unidos, inclusive viabilizando a documentação necessária para a viagem.

- Acho que é importante para nós e para eles, além de investimento, eles enxergam que estamos felizes correndo atrás de nossos sonhos e isso vai nos fazer ganhar experiências - avalia Romanzini, que faz questão de demonstrar admiração pelos jogadores do Caxias do Sul Basquete como Alex e Cauê Verzola.

Já João Víctor, quase coagido pelo colega durante a entrevista, também diz se espelhar em Romanzini, mas é o ala Pedro quem serve de exemplo.

- Gosto de quase todos. Falo mais com o Nandão, mas o que eu mais gosto é o Pedro. Gosto de jeito de ver ele jogar, do estilo que ele joga - revela.

A primeira viagem da dupla para fora do país foi em fevereiro deste ano. Ambos participaram de um grupo de Porto Alegre que excursionou para jogos amistosos pela Sérvia, Croácia e Bósnia.

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros