Caxias do Sul Basquete leva virada no fim e perde para o Franca na prorrogação - Esportes - Pioneiro

NBB 1017/11/2017 | 22h40Atualizada em 17/11/2017 | 22h40

Caxias do Sul Basquete leva virada no fim e perde para o Franca na prorrogação

Após abrir 13 pontos de vantagem, time caxiense não conseguiu manter o ritmo

Caxias do Sul Basquete leva virada no fim e perde para o Franca na prorrogação Marcelo Casagrande/Agencia RBS
Cauê Borges (D) foi novamente o cestinha da equipe caxiense Foto: Marcelo Casagrande / Agencia RBS

Mesmo comandado por Paranhos, destaque com um duplo-duplo (18 pontos e 10 rebotes), Cauê Verzola, o líder de assistências (6), e Cauê Borges, novamente cestinha (25 pontos), o Caxias do Sul Basquete/Banrisul não conseguiu vencer sua segunda partida no NBB 10. Desta vez, o rival era o Franca, um dos times que mais investiu na competição. 

Com um segundo quarto quase perfeito, o Caxias chegou a abrir 13 pontos de diferença, mas errou muito na última parcial e o jogo acabou indo para a prorrogação. No tempo extra, o excesso de faltas deu a vitória ao rival por 86 a 80 na noite de sexta-feira, para mais de 800 torcedores no Vascão.

O time caxiense, que havia vencido o atual campeão Bauru na estreia, volta à quadra na próxima quarta-feira, no Paraná, quando enfrenta o Campo Mourão.

O primeiro quarto começou como no jogo passado, com vibração da torcida, marcação forte e o ala/armador Cauê Borges comandando as ações do Caxias Basquete. Até as bolas de três pontos estavam entrando, com Marcão e Cauê Verzola.

A diferença no placar, no entanto, não ultrapassava cinco pontos e os erros de ataque, principalmente de Alex e Paranhos, passaram a custar caro, tanto que Franca chegou a virar o jogo faltando pouco mais de dois minutos para o fim e terminou a parcial com dois pontos à frente (19 a 17).

Segundo quarto da virada

O segundo quarto começou como terminou o primeiro, com o Franca se aproveitando de rebotes ofensivos para marcar. Assim que Paranhos passou a dominar o garrafão defensivo, tudo se transformou, tanto que o ala/pivô terminaria o primeiro tempo como o melhor da partida no quesito. A virada veio em duas roubadas de bola e arrancadas do ala Pedro, que converteu uma vez dentro do garrafão e puxou o contra-ataque que terminou em uma bela cesta de três do próprio ala.

A marcação alta seguia dando resultado ao Caxias Basquete. Em outra roubada de bola, Cauê Borges ampliou a diferença para 11 pontos, com cesta seguida de lance livre. A diferença se manteve até o fim do quarto: 41 a 33 para o Caxias na saída para o intervalo.

O segundo tempo trouxe um outro Franca dos vestiários. Em menos de três minutos, os visitantes somaram oito pontos, enquanto o Caxias ainda tentava se organizar em quadra. Os primeiros pontos dos donos da casa vieram em lances livres convertidos por Marcão, com quatro minutos de bola em jogo.

A recuperação não demorou para acontecer e logo a diferença de oito pontos pró-Caxias foi retomada após bela cesta de três de Alex. O ala, aliás, aproveitou contra-ataque rápido e lançamento preciso de Cauê Verzola para fazer 58 a 46. Ao fim do terceiro quarto, empate em 23 a 23, mas, no placar geral, 64 a 56 para o Caxias Basquete.

Tinha de ser dramático

No último quarto, a missão caxiense era manter o resultado. A exclusão do cestinha do Franca, Léo Meindl, aumentou a esperança da torcida. Também por estourar o número de faltas, Gruber foi excluído.

Porém, o ritmo do Caxias diminuiu drasticamente e Franca passou a acertar tudo no ataque sob comando de Cassiano e Cipolini. Foi assim que faltando menos de um minuto para o fim, o time visitante diminuiu a diferença para dois pontos, para aflição caxiense, principalmente em erro de Cauê Borges em tentativa de bola de três. O empate veio com 19 segundos para o fim.

A última bola do jogo era caxiense. Após tempo técnico pedido por Rodrigo Barbosa, a jogada se desenhou para a bola de três de Alex, mas o ala errou o arremesso e a partida foi para a prorrogação.

Derrota na prorrogação

O tempo extra começou com Alex errando nova tentativa de bola de três. Fez falta. Nos lances seguintes, faltas no garrafão culminaram em cinco pontos dos rivais. Cauê Borges, de três, reacendeu a torcida, mas o time sentiu a intensidade da partida.

Uma jogada individual de encher os olhos, em cesta de três de Cauê Verzola, quando estourava o tempo de ataque do Caxias, foi a última comemoração caxiense, que viu o rival vencer o jogo, em virada a poucos segundos do fim do jogo: 86 a 80.

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros