Algoz no Centenário: volante Gilson Alves é o novo reforço do Caxias - Esportes - Pioneiro

Gauchão 201824/11/2017 | 08h15Atualizada em 24/11/2017 | 08h15

Algoz no Centenário: volante Gilson Alves é o novo reforço do Caxias

Jogador de 27 anos impediu acesso grená, em 2013, quando jogava pelo Luverdense

Algoz no Centenário: volante Gilson Alves é o novo reforço do Caxias Gabriel Lain / Agência RBS/Agência RBS
Ajoelhado, Gilson comemora um dos gols do Luverdense na vitória sobre o Caxias, em 2013 Foto: Gabriel Lain / Agência RBS / Agência RBS

Quem impediu que o Caxias saísse da Série C agora quer ajudar a recolocar o clube na Terceira Divisão. O volante Gilson Alves, de 27 anos, é o novo reforço grená  para 2018.

O Estádio Centenário foi palco de duas oportunidades em que Gilson foi algoz. Ele marcou os dois gols na vitória do Luverdense sobre o Caxias por 2 a 1,   na partida de ida das quartas de finais da Série C de 2013. O time mato-grossense ainda ganhou por 2 a 0 em Lucas do Rio Verde e impediu que o time treinado por Antônio Picoli alcançasse a Série B de 2014. O treinador, hoje no Brusque-SC, lembra das características do volante:

– No Luverdense ele tinha liberdade, finalizava de média distância. Os gols de bola aérea surpreenderam.

Mas não foi só pelo Luverdense que o volante comemorou no Centenário. 

09/08/2010
Usando a 5 do Juventude, Gilson fez o primeiro do Juventude na partida que garantiu o título gaúcho sub-20 de 2010Foto: Ricardo Wolffenbuttel / Agência RBS

Formado nas categorias de base do Juventude,  Gilson foi capitão da conquista do Gauchão sub-20 em 2010, justamente em um Ca-Ju.

Após vencer no Jaconi por 2 a 0, o Ju saiu na frente no Centenário com gol, sabe de quem? Do camisa 5, o Gilson. Gerente das categorias de base alviverde na época, o comentarista da Rádio Caxias Luizinho da Veiga recorda o estilo de jogo do atleta:

– Bom jogador. Era um atleta que se encarnava em campo. Podia não ser exímio na parte técnica, mas compensava na movimentação. Nunca foi troncudo, é de movimentação.

Mesmo com a derrota por 3 a 2, o Juventude fez a festa no Centenário. Porém, o título não garantiu a permanência de Gilson no clube. O técnico Lisca, que havia treinado o jogador na base alviverde, o levou para o Luverdense, ainda em 2010.

– É um jogador versátil. Líder por onde jogou. É um baita profissional. Trabalhei com ele no Ju e no Mato Grosso. Vai se adaptar fácil ao estilo do Winck – diz Lisca.

Depois de sair do Luverdense, no final de 2014, Gilson passou por Paysandu, Boa Esporte, Atlético-GO, Cuiabá e no futebol da Tailândia.

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros