A base vem forte? Análise da pouca utilização dos jovens do Juventude na Série B - Esportes - Pioneiro

Prata da casa09/11/2017 | 08h24Atualizada em 09/11/2017 | 08h24

A base vem forte? Análise da pouca utilização dos jovens do Juventude na Série B

Técnico Antônio Carlos Zago criticou pouco aproveitamento dos jogadores formados no Jaconi

A base vem forte? Análise da pouca utilização dos jovens do Juventude na Série B Arthur Dallegrave/Juventude,Divulgação
Foto: Arthur Dallegrave / Juventude,Divulgação

O técnico Antônio Carlos Zago foi enfático, direto e objetivo após a derrota para o CRB, na terça-feira, por 2 a 0. O trabalho realizado com os jogadores formados no Juventude foi abaixo do esperado.

— Infelizmente não trabalharam nada com a base no último ano. Diferente do que fizemos ano passado, onde subimos com 17 garotos no grupo principal. Este ano, praticamente tiraram eles do elenco — disse o treinador, admitindo que irá revezar o grupo e utilizar mais jovens no final da Série B.

Na temporada passada, realmente, Antônio Carlos Zago fortaleceu o trabalho realizado pelas jovens esperanças alviverdes na equipe de cima. Mesmo com algumas escolhas contestadas pela torcida, como a insistência em manter Wanderson no time titular e deixar Vacaria no banco, o treinador alviverde valorizou os pratas da casa.

O goleiro Elias, por exemplo, foi titular durante toda temporada, atuando em 42 partidas. Seu reserva, Douglas, participou de oito jogos. O zagueiro Klaus entrou 31 vezes em campo durante 2016. Vidal, que havia começado o ano disputando a Copa São Paulo de Futebol Júnior, assumiu a lateral-direita, participou de 13 jogos, e só não atuou mais pelas lesões frequentes. 

Ainda entre os constantes titulares de Zago, Sananduva entrou 16 vezes em campo, e Vacaria, 28.  Ainda na lista dos que mais atuaram na temporada passada estão Dionas Bruno (10 partidas), Caprini (12) e Duda (oito). Brenner, que só jogou o Gauchão, participou de nove jogos e marcou sete vezes. O lateral Alan Rodrigues, os zagueiros Vinícius e William, os meio-campistas Allan Vencatto e Guilherme, além do atacante Jeferson também entraram em campo com Zago.


Em 2017, a realidade foi diferente. No atual grupo de atletas, somente sete jogadores formados no clube aparecem. Os goleiros Douglas e Raul, o zagueiro Vinícius, o lateral Vidal, os volantes Sananduva e Vacaria, e o atacante Caprini, o que mais atuou na competição nacional, com 20 aparições. Para a Série B, foi trazido mais de um time inteiro. Desde o final do Gauchão até a data limite de inscrições no Brasileiro foram 16 contratações no Alfredo Jaconi.

Se em 2016 o clube vendeu Brenner, está com negociações adiantadas para negociar Elias e Klaus no fechamento deste ano. Enquanto o time de Zago liberou jogadores para clubes de Série A, o máximo de legado que Dal Pozzo deixou foram os empréstimos de atletas para times da Série D.

É bom lembrar que o Ju está na semifinal do Estadual sub-17, na decisão do Gauchão sub-15 e com um jogador  da categoria disputando o Sul-Americano com a seleção, além de quase classificado às quartas de final da Copa FGF sub-19. 

Ou seja, se bem aproveitada, a base novamente vem forte.

Quem jogou em 2017?


 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros