Sem verba do Fiesporte, Universidade de Caxias do Sul pode deixar de atender projetos sociais - Esportes - Pioneiro

Esporte caxiense em risco13/07/2017 | 06h00Atualizada em 13/07/2017 | 10h22

Sem verba do Fiesporte, Universidade de Caxias do Sul pode deixar de atender projetos sociais

Coordenador de Esportes e Formação da UCS, Carlos Bonone avalia prejuízos

Sem verba do Fiesporte, Universidade de Caxias do Sul pode deixar de atender projetos sociais Felipe Nyland/Agencia RBS
Foto: Felipe Nyland / Agencia RBS

Um dos nomes fortes no fomento do esporte caxiense durante os últimos 50 anos, a Universidade de Caxias do Sul (UCS) também está sendo afetada com os projetos indeferidos do Fiesporte. Diretamente da universidade, apenas as atividades do atletismo foram prejudicadas. O problema engloba os parceiros da instituição.Além do atletismo, estão sediadas na Vila Olímpica associações selecionadas no Fiesporte do handebol, vôlei, futebol, taekwondo e canoagem. 

Leia mais
Sem verba do Fiesporte, Universidade de Caxias do Sul pode deixar de atender projetos sociais

"É um sistema absolutamente viciado", diz secretária da Smel, Márcia Rohr, ao explicar situação do Fiesporte

A parceria da universidade com as instituições propicia estrutura esportiva para mais de 1.500 jovens e crianças, entre atletas das equipes de base ou alto rendimento e projetos sociais, que serão os primeiros afetados.

– Essas crianças precisam desses projetos para vir até a universidade. O que tinha até agora era financiado dentro do Fiesporte. Não temos orçamento para colocar transporte na frente dessas entidades que a gente beneficia. Não tem o que fazer – admite o coordenador de Esportes e Formação da UCS, Carlos Bonone.

A entidade formou as parcerias justamente para reduzir os custos em algumas modalidades e não deixar de atender a comunidade, marca forte da instituição. A redução nos projetos realizados na UCS vão afetar não só aos atendidos diretamente pelo Fiesporte, mas também a comunidade acadêmica.

– Com a quantidade de atletas que temos hoje, a utilização acadêmica da Vila Olímpica é muito grande. Os alunos dos cursos de Educação Física, Psicologia, Fisioterapia e até jornalismo realizam trabalhos junto aos professores, e isso auxilia na formação deles. A corrente que isso envolve é grande. Não é só o treino dos meninos ou a participação em algum campeonato. Tem transporte, confecção. Talvez alguém da empresa que confecciona os uniformes vá ser demitido porque ela havia feito um serviço que não vai receber. O esporte também é uma roda econômica muito grande – avalia Bonone.

Além da estrutura física esportiva da universidade, outras áreas de atuação da UCS também estão envolvidas no gerenciamento dos projetos do Fiesporte.

– Quando começou essa situação de se falar de pendências de 2014, 2015 e 2016, os profissionais da UCS foram até a Smel e questionaram qual era a situação pendente. As pendências vieram e nós apresentamos todas. Não tem nada mais pendente com relação aos projetos da universidade. Eram só situações documentais. Em um dos casos faltou o comprovante do pagamento de um professor do Conselho Federal de Educação Física. Nós comprovamos. Foi enviada a cópia do recibo. É bom que fique bem claro. Ninguém desperdiçou dinheiro público. Os problemas foram de documentos – concluiu Bonone.

 
 

Siga @pioneiroonline no Twitter

  • pioneiroonline

    pioneiroonline

    Pioneiro.comApahand/UCS/Farroupilha estreia na elite do handebol feminino após temporada fora https://t.co/YBFV1xUTGS #pioneirohá 34 minutosRetweet
  • pioneiroonline

    pioneiroonline

    Pioneiro.comPrefeitura de Caxias aperta o cerco à venda de produtos colonias sem registro https://t.co/UycVpQ8eNp #pioneirohá 1 horaRetweet
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros