Técnica da seleção feminina, Rosicleia Campos se emociona em encontro com jovens de projeto social - Esportes - Pioneiro

Judô11/11/2016 | 19h07Atualizada em 11/11/2016 | 21h43

Técnica da seleção feminina, Rosicleia Campos se emociona em encontro com jovens de projeto social

Treinadora chorou ao falar sobre o início da carreira como atleta

Técnica da seleção feminina, Rosicleia Campos se emociona em encontro com jovens de projeto social Porthus Junior/Agencia RBS
Alunos do Educando Campeões fizeram perguntas para a técnica e receberam o carinho de Rosicleia Foto: Porthus Junior / Agencia RBS

A emoção transmitida por ela a cada palavra dá o real significado do quanto o judô representa para Rosicleia Campos. A técnica da seleção brasileira feminina chegou na tarde de sexta-feira em Caxias do Sul e participou de uma conversa com alunos do projeto Educando Campeões. Na segunda e terça-feira, ela estará no Recreio da Juventude, na comemoração dos 50 anos do departamento da modalidade no clube.

— O judô me deu tudo o que tenho na minha vida. Tanto coisas materiais como meus melhores amigos. Foi uma caminhada difícil, mas é possível. O judô prepara a gente para aprender a cair. É duro, é difícil, mas a gente precisa aprender a sempre levantar — comentou Rosicleia durante o seu depoimento.

Técnica chorou de alegria ao lembrar das dificuldades no início da carreira Foto: Porthus Junior / Agencia RBS

Nos pouco mais de 30 minutos em que falou com os jovens em uma sala no Ginásio Vascão, Rosicleia contou um pouco sobre a carreira. De certa forma, a técnica se via em cada criança. Ela iniciou no esporte aos 11 anos, superando dificuldades financeiras, preconceitos e incertezas para se tornar uma das principais atletas do Brasil. Conquistou títulos estaduais, nacionais e sul-americanos, além de ter representado o país nas Olimpíadas de Barcelona (1992) e Atenas (1996).

– Fico muito feliz em multiplicar a minha vivência e experiência. O mais importante é dizer que não foi fácil, não é fácil e que nunca será fácil, mas que é possível. A gente encontra o tempo inteiro pessoas dizendo o contrário, que é melhor desistir. E o judô traz isso, a persistência, a disciplina. Sou um exemplo e gostaria de fazer isso sempre, de compartilhar o quanto o esporte é maravilhoso – destaca.

Rosicleia é técnica do time feminino desde 2005. No período, equipe conquistou cinco medalhas olímpicas Foto: Porthus Junior / Agencia RBS

Expressiva e carismática, Rosicleia, 47 anos, chorou ao lembrar do seu início no judô e citou a mãe Delza, que a acompanhou na viagem para Caxias do Sul, assim como os filhos. Já ao falar sobre a transição para o cargo de treinadora, ressaltou a importância para os alunos da crença na qualificação, nos estudos e na preparação para superar barreiras. Desde 2005 como técnica da seleção, ela foi fundamental para o judô feminino se tornar referência e superar os homens em conquistas na maioria das competições.

– É acreditar, é o trabalho, o planejamento, o investimento e a estrutura. Não vejo sucesso em nenhuma área sem isso. Conheço essas atletas há muito tempo, então não sou a mesma pessoa com todas. Apesar de ser muito passional, para umas sou mais ou menos. Conversei com cada uma pedindo sobre isso. A gente recebe muitas críticas dentro do próprio judô, até por me chamarem de Tia Rosi e não de Sensei. Isso nunca me incomodou – relembra.

 
 

Siga @pioneiroonline no Twitter

  • pioneiroonline

    pioneiroonline

    Pioneiro.com"Quem fala pela transição não é o vice, é a coordenação-geral", diz prefeito eleito de Caxias do Sul https://t.co/jEpP5ESH1f #pioneirohá 6 horas Retweet
  • pioneiroonline

    pioneiroonline

    Pioneiro.comVice-prefeito eleito de Caxias pede desfiliação do PRB https://t.co/s9pmLLKOiy #pioneirohá 8 horas Retweet
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros