"Pessoal começou a ficar mais em casa e a valorizar o conforto do lar", destaca dono de loja de colchões sobre alta no segmento - Economia - Pioneiro

Versão mobile

 
 

+Serra12/10/2020 | 06h15Atualizada em 12/10/2020 | 06h15

"Pessoal começou a ficar mais em casa e a valorizar o conforto do lar", destaca dono de loja de colchões sobre alta no segmento

Empresário de Caxias abriu terceira loja durante a pandemia

"Pessoal começou a ficar mais em casa e a valorizar o conforto do lar", destaca dono de loja de colchões sobre alta no segmento Marcelo Casagrande/Agencia RBS
Ismael Ventura é proprietário de uma empresa familiar que atua há 20 anos com oferta de colchões em Caxias Foto: Marcelo Casagrande / Agencia RBS

>>> Leia mais: Alto número de imóveis vagos na área central de Caxias escancara efeitos da pandemia

Mesmo com o cenário de desalento econômico, e na contramão dos fechamentos e salas vazias, há iniciativas conectadas com as novas necessidades. Com o consumidor ficando mais em casa, o ramo de colchões mostrou-se em alta. Ao menos esta é a realidade vivida por Ismael Ventura, 46. Ele é proprietário de uma empresa familiar que atua há 20 anos com oferta de colchões em Caxias.  

A mais recente loja inaugurada — são três no total — abriu as portas em agosto, justamente na pandemia e em um dos locais mais procurados em termos de visibilidade ao cliente: na Rua Sinimbu.

— A loja surgiu justamente em função do aumento da procura por colchões. Foi um período em que o pessoal começou a ficar mais em casa e passou a valorizar mais o conforto do lar. Percebemos um grande aumento nas vendas. Optamos por uma loja mais ampla, moderna, com padrão de qualidade ainda mais elevado, e estamos felizes com o resultado —relata.

O espaço era ocupado por uma academia, de um amigo de Ventura, que fechou já antes do período de contágio por coronavírus.

— Por ser pandemia, creio que o valor tenha ficado mais em conta, porque, se fosse um período normal de comércio, acho que seria mais difícil (o aluguel) — acredita

Com a abertura da nova loja, Ventura proporciona 15 empregos, direta e indiretamente.

— Nosso segmento teve essa chance de poder oferecer um produto que as pessoas precisam demais, dormir bem é essencial. Acabamos sendo beneficiados — diz.

Ventura mantém ainda lojas em São Pelegrino e no bairro Nossa Senhora de Lourdes.

E não é apenas de colchões que vivem o comércio e o "mercado do sono" neste ano, mas de pijamas também. O artigo passou a ser produto em destaque. Por conta disso, a loja Almapiena abrirá a quarta unidade na segunda metade deste mês em Caxias.

— Mantemos a venda, já que as pessoas ficaram mais em casa. Antes, usavam (os pijamas) para dormir e agora, o dia todo. O que baixou foi a venda de peças como modeladores e meias-calças, estas estão todas na prateleira — conta o proprietário Valcimar Mognol, 46.

Mognol vai inaugurar a quarta loja da família e segunda em Caxias em um ponto valorizado, localizado na esquina da Avenida Júlio de Castilhos com a Coronel Flores. A Almapiena está há mais de 10 anos no mercado de vestuário íntimo e pijamas e conta com lojas em Farroupilha e Bento Gonçalves.

Leia também
Alto número de imóveis vagos na área central de Caxias escancara efeitos da pandemia
"Não foi fácil", diz Daniel Randon sobre decisão de fechar a primeira unidade do conglomerado

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros