Queda na demanda continua sendo maior impacto da pandemia para a indústria caxiense - Economia - Pioneiro

Versão mobile

 
 

Diagnóstico01/06/2020 | 18h04Atualizada em 01/06/2020 | 18h04

Queda na demanda continua sendo maior impacto da pandemia para a indústria caxiense

Pesquisa do Simecs ouviu 254 empresas associadas

Queda na demanda continua sendo maior impacto da pandemia para a indústria caxiense Marcelo Casagrande/Agencia RBS
Foto: Marcelo Casagrande / Agencia RBS
Pioneiro
Pioneiro

A queda na demanda continua sendo o principal impacto para a indústria de Caxias do Sul e região neste período de pandemia. É o que aponta a pesquisa mensal realizada pelo Sindicato das Indústrias Metalúrgicas Mecânicas e de Material Elétrico e Região (Simecs) e divulgada nesta segunda-feira (1º). A entidade ouviu 254 empresas associadas entre os dias 6 e 15 de maio — a maioria de Caxias. Assim como no levantamento anterior, o de maio apontou que mais de 80% das companhias registraram queda substancial de demanda de produtos e serviços.

Os dados mostram que a maioria das empresas consultadas está se valendo da Medida Provisória 936, do governo federal. Mais de 140 aplicaram a redução de 50% e 25% da jornada de trabalho e 30 empresas adotaram a redução de 70%. Noventa e três responderam que suspenderam contratos de colaboradores. A maior parte das empresas segue trabalhando com 50% da capacidade e muitas no regime de home office.

— Parece que a nossa indústria está entendendo um pouco melhor o que está acontecendo no mundo. Maio foi o mês mais difícil, junho deverá ser também, mas a gente começa a entender. O susto está passando, está amenizando. Os próximos meses devem ser menos intensos — espera Paulo Spanholi, presidente do Simecs.

Pouco mais da metade (51%) das empresas mantém o quadro de funcionários inalterado. Mas outros 44% fizeram demissões. Houve também contratações, embora o número seja pequeno: 5% contrataram — mas a quantidade de pessoas contratadas não passa de 10 por empresa.

Mais de 60% das empresas consultadas pertencem ao setor metalmecânico. Em seguida estão os segmentos automotivo, de ferramentaria e de eletroeletrônica. Mais de 80% dos entrevistados são micro e pequenas empresas, que representam o maior volume empresarial da entidade. O Simecs representa 3,3 mil empresas de Caxias e outros 16 municípios da Serra.

Crédito

A pesquisa do Simecs aponta ainda que mais da metade dos entrevistados buscaram crédito para capital de giro e tiveram dificuldade para acessar. Conforme o presidente da entidade, esse é, de fato, um problema sério enfrentado pelos empresários, principalmente os pequenos.

— É difícil chegar na ponta. Os bancos só emprestam com garantias e as pequenas empresas têm dificuldade para dar garantias — diz.

Conforme Spanholi, para auxiliar o segmento, a entidade trabalha, juntamente com o RS Garanti _ Associação Garantidora de Crédito, Sebrae, Sicredi e outros bancos, no lançamento de uma linha de crédito especial, com taxas baixas, para socorrer as empresas mais necessitadas. Ainda não há um valor estipulado, mas Simecs espera alcançar mais de R$ 50 milhões. A linha de crédito deve ser lançada ao longo do mês de junho.

A PESQUISA

Período da consulta: 6 a 15 de maio.

Empresas pesquisadas: 254 (83% de Caxias do Sul)

Setores
Metalmecânico: 61%
Automotivo: 13%
Ferramentaria: 8%
Eletroeletrônico: 6%
Outros: 12%

Porte
Microempresa (até 19 funcionários): 48%
Pequeno porte (20 a 99 funcionários): 34%
Médio porte (100 a 499 funcionários): 15%
Grande (acima de 499 funcionários): 3%

Impacto na demanda
Queda intensa: 75%
Queda: 9%
Estável: 15%
Aumento: 1%

Nível de dificuldade — matéria-prima
Muita dificuldade: 22%
Pouca dificuldade: 52%
Não impactou: 26%

Nível de dificuldade — logística de transporte
Muita dificuldade: 11%
Pouca dificuldade: 55,1%
Não impactou: 33,9%

Nível de dificuldade — manutenção de equipamentos
Muita dificuldade: 7,9%
Pouca dificuldade: 45,3%
Não impactou: 46,8%

Nível de dificuldade — resistência dos trabalhadores para retomar as atividades
Muita dificuldade: 4,7%
Pouca dificuldade: 37,4%
Não impactou: 57,9%

Impacto na força de trabalho
51% das empresas mantêm o quadro de funcionários
44% fizeram demissões
5% contrataram trabalhadores

Demissões
79,60% realizaram até 10 desligamentos
16,80% realizaram entre 11 e 30 desligamentos
3,50% realizaram entre 31 e 50 desligamentos

Adoção da MP 936/2020 — medidas previstas pelo governo federal
Suspensão do contrato: em 93 empresas
Redução 70% de jornada e salário: em 30 empresas
Redução 50%: em 90 empresas
Redução 25%: em 57 empresas

Casos suspeitos de covid-19
12 empresas relataram casos suspeitos em seus quadros.

Acesso a capital de giro
Não buscou capital de giro: 46%
Muito mais difícil: 22%
Mais difícil: 18%
Inalterado: 9%
Mais fácil: 4%
Muito mais fácil: 1%

Principais impactos
Cancelamento de pedidos: 166
Queda no faturamento: 233
Queda na produção: 165
Paralisação da produção: 56
Queda na produtividade da mão de obra: 51
Falta de insumos: 41
Indisponibilidade de trabalhadores: 9
Dificuldade de transporte: 23
Piora no acesso ao crédito: 67
Falta/dificuldade de transporte público: 13
Aumento das vendas online: 9
Inadimplência: 4
Outros: 5
Nenhum: 2

Retomada
Não houve retomada (sem demanda): 24
Retomada 50%, parte em home office: 79
Retomada 50%, concentrado na empresa: 122
Não houve parada (decreto não impediu de trabalhar): 28

Leia também
Metalúrgicos de Caxias e região aprovam pedido de reposição salarial com aumento real
Após reclamações de cobrança excessiva, Procon de Caxias notifica RGE
Impactos da pandemia desafiam gestores de shoppings centers da Serra Gaúcha

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros