Agricultores querem retorno de feiras em Bento Gonçalves a partir de sábado - Economia - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Pandemia14/04/2020 | 12h14Atualizada em 14/04/2020 | 12h23

Agricultores querem retorno de feiras em Bento Gonçalves a partir de sábado

Prefeito afirma que há preocupação pelo fato de muitos consumidores serem idosos

Agricultores querem retorno de feiras em Bento Gonçalves a partir de sábado Juan Barbosa/Agencia RBS
Foto: Juan Barbosa / Agencia RBS

Agricultores de Bento Gonçalves querem que as feiras de produtos rurais em ruas da cidade sejam retomadas a partir do próximo sábado (18). As feiras estão suspensas desde 18 de março por decreto municipal para conter a propagação do coronavírus.

Conforme o presidente do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Bento Gonçalves, Cedenir Postal, os agricultores não estão conseguindo escoar toda a produção aos mercados e, com isso, alimentos estão se perdendo.

- Tem alguns que têm alguns mercados e fruteiras para os quais estão entregando, mas em quantidade bem reduzida. Os mercados querem uma quantidade determinada, com uma qualidade padrão do produto - afirma Postal.

Leia mais
Supermercados de Bento Gonçalves venderão produtos de agricultores que dependem de feiras livres
"A gente vai voltar, mas com muitas restrições", diz prefeito de Bento sobre retorno das atividades

Ele explica que, nas feiras, os agricultores conseguem vender variedades diferentes das encontradas nos mercados, que são produzidas em quantidades menores. Cita como exemplo a fruta do conde, cultivada junto ao Rio das Antas e que tem bom rendimento ao produtor. Mas, conforme Postal, também há dificuldade para escoar variedades mais comuns, como alface, tomate, radicci, abobrinha e tempero.

- Foi tentado fazer vendas por pedidos pela internet, pelos grupos de whats app, alguns criaram páginas pelo próprio perfil do Facebook. Mas as distâncias longas, alguns moram a 35km da cidade e fica inviável por conta do transporte - afirma.

Postal destaca ainda que os agricultores não conseguem ter o mesmo rendimento da feira ao vender para os mercados. Ele explica que a feira do sábado, de produtos da agricultura convencional, é a que tem a maior participação de produtores, com cerca de 60. Há ainda uma feira de produtos convencionais na terça-feira e outra de produtos orgânicos em dois dias da semana, com participação de pouco mais de 10 produtores.

Conforme o presidente do Sindicato dos Trabalhadores Rurais, a entidade encaminhou um pedido à prefeitura, representando agricultores e feirantes, em que defende o retorno das feiras com uma série de medidas de prevenção de contágio pelo coronavírus. Postal afirma que há sugestões como diminuir o número de consumidores das bancas, e agricultores que são de grupos de risco encontrarem outra pessoa de fora desses grupos para fazer a venda na feira.

O prefeito de Bento Gonçalves, Guilherme Pasin (Progressistas), afirma que a situação é avaliada pela prefeitura, já que há uma preocupação com a exposição de consumidores das feiras que pertencem a grupos de risco.

- Estamos estudando uma possibilidade, averiguando junto à Secretaria da Saúde. É uma questão técnica. A feira livre atrai um público de faixa de risco, de pessoas de mais idade - comenta Pasin.

O prefeito destaca que há um programa da Secretaria da Agricultura justamente para escoar a produção dos feirantes aos mercados. Inclusive, segundo Pasin, haveria mais compra dos agricultores por parte dos mercados se houvesse mais produção:

- Chamamos os supermercados que têm sede na cidade e todos eles concordaram em absorver, alguns ficaram sem e gostariam de ter mais produto.

O presidente da Associação Gaúcha de Supermercados (Agas), Antonio Cesa Longo, que é proprietário de uma das redes de supermercados da cidade, afirma que os estabelecimentos estão dispostos a absorver a produção local.

- A preferência sempre é para o produtor local porque, em todas as crises que tivemos, como a da greve dos caminhoneiros, o produtor local sempre atendeu. Essa é a prioridade, termos parceiros locais, e estamos abertos a receber novos parceiros com volumes - afirma.

Longo reconhece que há dificuldade de produtores entrarem com alimentos em pequena quantidade, já que a necessidade dos supermercados é de volumes maiores. Mas afirma que é possível a organização do escoamento, somando as produções de diferentes agricultores, via Secretaria da Agricultura.

- É o cooperativismo, que funciona tão bem. Nós estamos abertos a ajudar e nesse momento está todo mundo disposto a se ajudar - reitera.

Leia também
Justiça nega liminar para suspensão do funcionamento do comércio em Farroupilha
Empresa de utilidades domésticas demite 100 pessoas em Caxias do Sul

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros