"O mercado pet não tem crise", diz gestora em marcas - Economia - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

+Serra17/12/2019 | 15h00Atualizada em 17/12/2019 | 15h00

"O mercado pet não tem crise", diz gestora em marcas

Afirmação é de Kaká Cerutti, que esteve em Caxias palestrando

"O mercado pet não tem crise", diz gestora em marcas Carol Geremias/Divulgação
"Há pouco mais de 10 anos, os pets eram vistos como animais de companhia e para cuidar da casa, eles não eram vistos como um membro da família, como é considerado hoje", observa Kaká Cerutti. Foto: Carol Geremias / Divulgação

Não há mais como ignorar o mercado pet. Alguns podem ridicularizar as roupas de festas, criadas por grifes fashion, especialmente desenhadas para os pets. Ou ainda, acharem absurdo cães e gatos que comem comida estilo caseira, vendidas congeladas, e que são servidas quentinhas, depois de aquecidas no micro-ondas. 

Para tratar desse mercado em ascensão no Brasil, esteve em Caxias do Sul, na semana passada, a gestora de marketing e mentora estratégica de marcas, Kaká Cerutti. A palestra Marcas com propósito: da essência à ação – Por que a sua marca existe?, foi idealizada para empresários, veterinários e profissionais do mercado pet. Kaká veio à cidade a convite da revista PetSerra.

Só para contextualizar, em 2017 o Brasil ocupava o quarto lugar no ranking do mercado pet do mundo. Com faturamento de R$ 20 bilhões, em 2018, o país pulou para a segunda colocação, deixando Alemanha e Reino Unido para trás. Só o ramo da alimentação respondeu por mais de R$ 15 bilhões. A expectativa é de que 2019 deve fechar com faturamento total de R$ 36,2 bilhões, conforme especula o Instituto Pet Brasil. Esse cenário diz respeito a um país que tem mais de 130 milhões de animais de estimação, de acordo com o IBGE. 

A seguir, confira a entrevista concedida por Kaká Cerutti.

O mercado pet é dinâmico e tem se reinventado a todo instante, mas o que determinou a mudança de perspectiva do setor no Brasil?
Há pouco mais de 10 anos, os pets eram vistos como animais de companhia e para cuidar da casa, eles não eram vistos como um membro da família, como é considerado hoje. A partir do momento em que as pessoas mudaram seu comportamento, o mercado percebeu que precisava atender a essa demanda. A cada dia tem mais indivíduos que estão casando mais tarde, e então, pegam um pet. Ou ainda, casais novos que decidem não ter filhos, e preferem ter um pet. E claro, os idosos que têm como companheiro e parte da família, um pet. A partir dessa relação mais “humanizada”, o mercado precisou se reinventar. Por exemplo, nem todas as lojas tinham espaço para banho e tosa, e nem todas atendiam gatos, e era difícil achar empresas do segmento que atendessem aves silvestres. Aos poucos, o mercado percebeu que tem vários nichos e por isso passou a investir mais. É um mercado que não viu crise.

Como assim “não viu crise”?
Claro que há empresas que abrem e fecham, porque não planejaram seu negócio. Mas o mercado, de um modo geral, não viu crise. E nos últimos anos teve crescimentos exponenciais. Meu maior nivelador de como anda a economia desse mercado é a feira Pet South America, realizada em São Paulo.  Este ano, a feira estava ainda maior, com mais expositores, inclusive de outros países. Outra situação que vejo é uma maior procura por capacitação, por parte dos veterinários e proprietários de negócios. Sem falar na ascensão dos groomers (cabelereiros pet), alguns deles ganham salários astronômicos para embelezar os animais.

Falando em embelezamento, quais são as novidades dessa área?
Higiene e beleza são a terceira maior área do mercado pet. Hoje, as empresas estão mostrando que, além do banho, é preciso cuidar do pelo e da pele do animal. Uma vez as pessoas davam um banho em casa, de vez em quando. Hoje, normalmente os tutores levam o pet uma vez por semana para dar banho. Há quem ofereça hidratação de vinhoterapia, em que o pet fica lá no ofurô esperando ativar os polifenóis da uva. Ou ainda, fazem hidratação de blueberry (em português chamado de mirtilo). Essas hidratações são feitas para facilitar o desembaraço da pelagem. Olha, hoje tem de tudo, reiki, acupuntura, e até pet shop móvel, que vai até a casa do cliente, que é um nicho que vai ampliar bastante. Primeiro, porque o tutor não tem tempo, e segundo, porque nem sempre o pet é sociável, e pode não gostar de estar em um ambiente com outros animais.

Em se tratando dos nichos, quais poderiam ser ainda melhor explorados?
O mercado de alimentação é o que mais cresce dentro do mundo pet, e detém a maior parcela, em torno de 60%. Esse segmento ampliou muito, desde a alimentação vegetariana, mais balanceada e mais natural. Ou ainda, comida caseira como da avó, mas feita para cachorro. Várias marcas produzem alimentação semicongelada, que na hora de comer é só aquecer e servir, como se fosse para o seu filho. Sem falar nos petiscos, que a cada dia têm novidades. Um dos nichos que tem crescido muito é o dos jogos didáticos, que trabalham o lado cognitivo do animal. Muitas vezes, é colocada ração dentro do brinquedo e, conforme o pet vai fazendo o traçado esperado, ele tem a recompensa. Ah, e tem as camas, que parecem verdadeiros berços para criança. Tem de vários tipos e materiais, das mais simples às mais sofisticadas, que podem custar até R$ 700.

E com relação ao consumidor, a senhora acredita que as pessoas estão mais conscientes e responsáveis em se tratando dos cuidados necessários na criação dos pets?
Eu acredito que precisamos de uma maior conscientização quanto à posse responsável. Nessa época do Natal, tem muitas pessoas que dizem assim: “Vou comprar um filhote e dar pro meu filho.”Gente, o animal não é brinquedo, não serve para ser dado de presente. Por que esse “presente” é uma vida que vai se estender por pelo menos 15 anos. Esse pet vai precisar de alimentação específica, consultas preventivas e não só quando fica doente, tem ainda a atualização das vacinas, além de um tempo de lazer, porque não se pode simplesmente abandoná-lo no apartamento ou deixá-lo cuidando do pátio. Um animal demanda atenção e cuidado. Além disso tudo, as pessoas precisam se conscientizar da castração. Porque é isso que faz aumentar a população de cães, muitos deles ficam abandonados e sofrem maus tratos.

PANORAMA MUNDIAL
O faturamento das vendas no varejo, no mundo, foi de aproximadamente US$ 124,6 bilhões em 2018.

Destaca-se o mercado dos Estados Unidos, com 40% das vendas no varejo no mundo.

O Brasil ficou em segundo lugar do ranking em 2018, com participação de 5,2% do mercado.

Alemanha e Reino Unido vêm logo a seguir, com 4,9% da fatia do mercado, cada um.

Leia também:
Vinhos da Serra gaúcha serão servidos em evento de final de ano no Itamaraty
Na posse de Gasparin, CIC de Caxias do Sul apresenta nova marca
Safra de abacaxi em Terra de Areia, maior produtor da fruta no RS, deve superar 5 mil toneladas
Por que o abacaxi de Terra de Areia é tão doce

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros