Confirmado novo preço mínimo da uva a R$ 1,08 - Economia - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Aumento de 4,8%11/12/2019 | 14h16Atualizada em 11/12/2019 | 14h16

Confirmado novo preço mínimo da uva a R$ 1,08

Portaria foi publicada no Diário Oficial desta quarta

Confirmado novo preço mínimo da uva a R$ 1,08 Porthus Junior/Agencia RBS
Foto: Porthus Junior / Agencia RBS

Item que tradicionalmente causa divergências entre os produtores de uva e a indústria, o preço mínimo da uva para a safra 2019/2020 foi confirmado a R$ 1,08 o quilo por meio de uma portaria publicada nesta quarta-feira (11) no Diário Oficial da União. O preço mínimo vale a partir de 1º de janeiro e corresponde à uva industrial de 15 graus de teor de açúcar.

Para o presidente da Comissão Interestadual da Uva e do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Bento Gonçalves, Cedenir Postal, o valor não é ideal para os produtores. 

— Um levantamento feito pela Comissão apontou que o custo médio do agricultor é de R$ 1,10 o quilo. Portanto, o preço mínimo não é o suficiente, até porque, além do custo, o produtor tem que ter lucratividade — comenta.

Mesmo assim, ele considera que o preço estabelecido para esta safra foi uma vitória dos produtores, já que a indústria queria que o valor fosse mantido igual ao do ano passado ou até menor. O aumento foi de 4,8% em relação ao preço de R$ 1,03 fixado para a última safra. A indústria argumentou que o reajuste anterior, de 12% sobre R$ 0,92 de 2017, ficou fora do padrão, acima da inflação oficial, e apontou para a concorrência das bebidas estrangeiras. Já Postal diz que a comissão interestadual tem informação de que a indústria tem feito boas vendas de sucos e espumantes, e que o problema da concorrência abrangeria mais os vinhos finos, um volume baixo em relação ao contexto geral.

Por outro lado, o diretor-executivo da Associação Gaúcha de Vinicultores (Agavi), Darci Dani, reclama do reajuste e afirma que as indústrias tinham a expectativa ainda de discutir o preço antes da publicação da portaria desta quarta.

— Não era normal isso acontecer porque sempre tivemos oportunidades de discutir antes com o setor e governo. A indústria já não conseguiu repassar o aumento de 12% do ano anterior. Achávamos que uma manutenção do preço pudesse recuperar o mercado — afirma.

Conforme Dani, há um estoque alto de sucos de uva que ainda não foram vendidos. Segundo ele, este produto vinha tendo nos últimos anos um crescimento anual de 30% mas, no último ano, o consumo estagnou. O diretor da Agavi acredita que isso tenha sido em função da concorrência de outras bebidas semelhantes que possam ter ficado mais atrativas em função do preço.

Dani confirma o crescimento em espumantes, mas observa que essas bebidas correspondem a uma fatia menor da produção, e destaca que os vinhos de mesa, por exemplo, terão neste ano uma redução de 10% nas vendas em relação ao ano passado. 

Leia também  
Câmara rejeita projeto de lei que criaria planejamento estratégico de Farroupilha para os próximos 20 anos
Após retirada de pedras, asfalto na RS-122, em Farroupilha, terá que ser recuperado
Instituto que gerencia UPA da Zona Norte de Caxias garante que atendimento não será prejudicado com fim do contrato

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros