A década da inovação trouxe mudanças significativas à economia - Economia - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

+Serra30/12/2019 | 06h00Atualizada em 30/12/2019 | 09h26

A década da inovação trouxe mudanças significativas à economia

Indústria 4.0, robótica, redes sociais, veículos elétricos, mecatrônica, internet das coisas e aplicativos estabeleceram uma nova relação entre as marcas e os consumidores

A década da inovação trouxe mudanças significativas à economia Porthus Junior/Agencia RBS
Mariane Neumman, de 15 anos, só despertou o interesse em permanecer no campo por causa da tecnologia. Foto: Porthus Junior / Agencia RBS

Há 10 anos, a menina Mariane Neumann assistia aos pais acordarem cedo, para tirar leite das vacas, na propriedade da família, em Nova Petrópolis. Gérson Henrique Neumann e Joana Beatriz Kreisig Neumann precisavam de pelo menos 3 horas a 4 horas pela manhã e, ao final da tarde, para ordenhá-las. Não raro, era preciso a ajuda de outras pessoas da família. 

 Leia ainda:
"Nesse cenário de inovação ficou complexo vender", diz especialista em marketing
"Os trabalhos laborais estão com os dias contados", diz engenheiro mecânico
"Muitas tecnologias antes eram só estudadas, hoje são reais", diz diretora da CIC

Mariane, hoje com 15 anos, cresceu vendo a mesma cena e, quanto mais mocinha ficava, menos interesse tinha em dar continuidade ao modelo de negócio dos pais. Tanto é que  Gérson e Joana cogitaram abandonar a atividade leiteira que já mantêm há 25 anos, porque percebiam que a filha não tinha interesse. Pois, apesar da mecanização do processo, era preciso colocar a mão na massa.

Mariane trabalha hoje com os olhos fitos na tela do computador ou do celular. É assim que ela ajuda os pais a acompanhar a produção de leite das 53 vacas da propriedade da família. Ela pode fazer isso até na hora do intervalo na escola. 

– Quem é o jovem, hoje em dia, que vai querer ficar no campo se tiver de fazer tudo de forma manual? Ninguém, né! Nem eu! – brinca Mariane, aluna da Escola Técnica Bom Pastor, que fica na Linha Brasil, em Nova Petrópolis.

Na última década, a inovação tecnológica deixou de ser uma perspectiva de futuro e passou a ser uma arma para manter-se vivo na cadeia produtiva. Seja através da internet das coisas, com aparelhos conectados uns aos outros, enviando informações e dados que melhoram a performance dos objetivos e a vida das pessoas, seja por meio da revolução tecnológica da Indústria 4.0, vive-se hoje uma nova perspectiva na relação entre as marcas e os consumidores. Especialistas são taxativos: quem não percorrer a trilha da inovação e seguir fazendo os mesmos produtos e oferecendo os mesmos serviços no mesmo modelo do século passado, vai sucumbir.

Mariane, por exemplo, só mudou de ideia – e enxerga hoje uma nova perspectiva na vida no campo – porque a tela de um computador abriu um mundo de possibilidades diante dos seus olhos. Desde o início de 2019 está matriculada no curso de Técnico Agrícola, mais por interesse acadêmico do que perspectiva profissional, reconhece. Mas a vida dela mudou quando foi instalada na propriedade da família uma ordenhadeira robotizada.

– Mesmo no início do curso, eu batia o pé e dizia que não queria ficar no campo. Mas quando colocaram em funcionamento o robô, me abriu os olhos e aí decidi que ia trabalhar com isso – revela.

Mariane é o exemplo de uma nova geração que nasceu em um ambiente digital, com internet em todos os cantos, e com mentalidade tecnológica e sustentável.

– Na minha idade, qualquer jovem pensa assim: “Quanto mais tecnologia melhor.” É por causa da tecnologia que muitos jovens vão permanecer no campo. Só que ainda tem muitas propriedades familiares que, por falta de incentivo dos pais, os jovens estão indo para a cidade – argumenta.

A robotização teve um investimento de R$ 1 milhão à família Neumann, que poderá pagar em até 10 anos, em uma proposta de financiamento através da Sicredi Pioneira. Essa iniciativa fez com que os Neumann ampliassem a produção de leite para 1,5 mil litros diários, com 53 vacas em produção. E será ainda maior, depois que for superada essa etapa de adaptação. Esses desafios tecnológicos são a diversão da geração de Mariane, que está sempre buscando estar atualizada nas inovações tecnológicas. No entanto, mesmo sendo uma geração inovadora, não perdem a sustentabilidade de vista.

– Depois de dar um tempo para que as vacas assimilem essas mudanças, e depois de nos adaptarmos a essa nova maneira de trabalhar, queremos colocar placas solares e cisternas para usar melhor os recursos naturais – defende Mariane.

Leia também:
No Natal, caxienses preferiram churrasco à ceia
Empresa especializada em energia solar de alta performance irá abrir loja em Caxias do Sul
"Nós temos excelente atendimento no varejo de Caxias", defende próximo presidente da CDL Caxias


 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros