75% dos consumidores caxienses não confiam na Black Friday - Economia - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Comércio20/11/2019 | 15h30Atualizada em 20/11/2019 | 15h30

75% dos consumidores caxienses não confiam na Black Friday

Pesquisa da CLD Caxias também apontou que 71% dos consultados esperam encontrar mais de 50% de desconto nos produtos

75% dos consumidores caxienses não confiam na Black Friday Regina Lain/Dinâmica Comunicação
Pesquisa foi divulgada em coletiva na manhã desta quarta-feira Foto: Regina Lain / Dinâmica Comunicação

A Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) divulgou na manhã desta quarta-feira (20), durante coletiva de imprensa, pesquisa sobre as perspectivas de compra e comportamento de consumidores caxienses na Black Friday, campanha que promove promoções no varejo na última sexta-feira de novembro. 

Leia mais
Black Friday já apresenta números mais fortes que o Natal em alguns segmentos do comércio
"A maquiagem de preços já ocorreu e ainda ocorre", afirma idealizador da Black Friday no Brasil
"Se for honesto com o cliente, ele vai retornar", defende diretora de loja participante da Black Friday em Caxias

O levantamento foi realizado com 392 pessoas entre os dias 5 e 10 deste mês. Conforme apurado, o ticket médio de gastos do caxiense na data será de R$ 663,40, praticamente o memo valor de 2018. Segundo a diretoria da CDL, a expectativa é de que haja aumento de 5% a 10% em volume de vendas e movimentação.

Apesar do crescimento considerável ano a ano desde que a data passou a ser celebrada no Brasil (a partir de 2010), a pesquisa demonstra que 27% dos consumidores consultados ainda não sabem do que se trata a Black Friday.

— É uma data que cresce e está se construindo como importante. Se muitos consumidores ainda desconhecem, para os lojistas também acabou sendo uma novidade. Porém, aos poucos os varejistas estão entendendo melhor o potencial da data — afirmou o presidente da CDL Caxias, Ivonei Pioner.

Nos dados apresentados, chama a atenção a desconfiança dos consumidores, que representou 75% dos entrevistados, sendo 54% informando não acreditar muito nos descontos oferecidos e 21% disseram não acreditam "nem um pouco". 

Apesar do índice, o coordenador de Tecnologia e Inovação (TI) da CDL, Cleber Figueredo, acredita que a postura das empresas que originou a desconfiança  — e apelidou a campanha de "Black Fraude" —  já não existe mais.

— A mudança dentro das empresas já aconteceu há pelo menos uns cinco anos. E quem praticava isso, muitos deles sequer ainda estão no mercado — afirmou.

Por outro lado, embora parte do consumidor ativo tenha ainda um pé atrás com a data, 71% dos entrevistados disseram que esperam mais de 50% de desconto nos produtos. Desses, 52% têm expectativa de que os valores fiquem 60% mais baratos do que o preço normal.

— Isso é uma questão cultural que tem de se alinhar. Mais de 60% de desconto é prejuízo certo ao lojista — comenta Pioner.

A data do "eu mereço"

Uma das características mais distintas da Black Friday é o perfil de compra. No calendário do comércio, a data é conhecida como a do "eu mereço".

— É  a única data do ano em que a pessoa compra para si mesmo e não para terceiros — destaca Ivonei Pioner.

A constatação se reforça na pesquisa. 82% dos entrevitados pela CDL admitiram que não pretendem presentear alguém com as compras da Black Friday.

Momento estratégico para o lojista

Black Friday não se trata meramente de mudar o preço da etiqueta para uma margem de desconto segura. É um momento estratégico.

— As empresas perceberam que a Black Friday é também a oportunidade de fidelizar o cliente. Conheço uma lavagem de carro que decidiu dar uma lavagem gratuita na quinta-feira para clientes fieis a ele. São diferentes segmentos que estão se preocupando com isso — comentou o vice-presidente financeiro da CDL, Renato Corso.

Entre os itens mais almejados, segundo a pesquisa, estão móveis (15%), eletrodomésticos (14%), roupas e acessórios (12%), e eletrônicos (12%). Chama a atenção, como sexto mais almejado o segmento de serviços, voltado a academias, viagens e salões de beleza (10%).

— Isso é por conta da rebeldia espontânea de alguns segmentos. Ninguém disse que salão de beleza não podia entrar numa Black Friday. Conceitualmente, é estranho que um serviço esteja numa campanha de desconto, mas está lá, ninguém disse que não podia. E isso passa a ser senso comum e a ser aderido por outros estabelecimentos — exaltou coordenador de TI da CDL, Cleber Figueredo.

A pesquisa

 Ticket médio
R$ 663,40 

Pergunta: você sabe o que é Black Friday?
43% sim
27% não
30% mais ou menos

Acredita nas promoções?
54% não muito
25% sim, totalmente
21% nem um pouco

Pretende fazer compras na Black Friday 2019?
50% não
34% sim
16 % talvez

Quais são os produtos na lista de desejos?
Móveis                                15,24%
Eletrodomésticos 14,29%
Roupas e acessórios 12,86%
Eletrônicos                  12,38%

Pretende presentear alguém?
82% não
18% sim

Quanto espera encontrar em desconto nesta Black Friday?
Mais de 60%  — 52% dos consumidores
Entre 60% e 50% — 19%
Entre 29% e 10% — 4%

Como pretende fazer o pagamento?
44% dinheiro
31% cartão de crédito
16% cartão de débito
6% crediário
3% cheque
0% boleto

Pesquisa produtos e preços antes de comprar?
95% sim
5% não

Onde pretende fazer as compras?
35% lojas de rua do Centro
26% shoppings
23% pela internet
7% lojas de bairros

Leia também
Propriedade rural de Caxias investe R$ 900 mil em energia solar
CDL de Caxias elege novo presidente



 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros