Sindicato dos Metalúrgicos e funcionários acampam em frente à Metalcorte para fiscalizar movimentação - Economia - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Caso Voges14/08/2019 | 19h36Atualizada em 14/08/2019 | 19h36

Sindicato dos Metalúrgicos e funcionários acampam em frente à Metalcorte para fiscalizar movimentação

Mobilização busca impedir retirada de patrimônio da unidade do antigo prédio da Metalúrgica Abramo Eberle S.A.

Sindicato dos Metalúrgicos e funcionários acampam em frente à Metalcorte para fiscalizar movimentação Lucas Amorelli/Agencia RBS
Foto: Lucas Amorelli / Agencia RBS
Pioneiro
Pioneiro

Integrantes da diretoria do Sindicato dos Metalúrgicos de Caxias do Sul e ex-funcionários, atualmente pertencentes à massa falida da Metalcorte, do Grupo Voges, mantém acampamento em frente à unidade de fundição (antigo prédio da Metalúrgica Abramo Eberle S.A.) desde a tarde de terça-feira (13). A intenção da mobilização é impedir a retirada do patrimônio das dependências da empresa, que teve a falência decretada no dia 8 de agosto.

O movimento surgiu após relatos de que materiais estavam sendo removidos do local. Nesta quarta o grupo permaneceu junto ao portão de acesso principal monitorando a movimentação de entrada e saída.

— Fomos informados de que havia moldes de outras empresas que estariam sendo retirados. Nosso entendimento é de como foi decretada falência, todo material que sair tem de ter ordem judicial para identificar que material é. Pessoal que estava transferindo não tinha — afirma o presidente do Sindicato dos Metalúrgicos, Assis Melo.

Leia mais
Administrador judicial de Grupo Voges vai pedir prorrogação de prazo para desocupar Maesa
"Até o fim do ano? De maneira alguma" , afirma procuradora sobre possível prorrogação de desocupação da Maesa

Em torno de 10 pessoas, entre sindicalistas e ex-trabalhadores, se revezaram na fiscalização do local, onde inclusive permaneceram ao longo das noites frias das madrugadas de hoje e ontem.

— Pessoal teve que ficar queimando um carvãozinho para resistir ao frio. Mas é a única coisa que nos resta. Os trabalhadores que foram afetados por essa falência precisam entender que as rescisões vão tudo para o processo judicial. Infelizmente essa é uma questão clara. O que o sindicato vai tentar é garantir a preservação desses bens para que posteriormente o valor arrecadado seja repartido com a massa falida — informa Assis.

 CAXIAS DO SUL, RS, BRASIL, 14/08/2019Funcionários da Voges dormem em frente a empresa para impedir que fossem retirados as máquinas da empresa sem ordem judicial. (Lucas Amorelli/Agência RBS)
Foto: Lucas Amorelli / Agencia RBS

Por volta das 16h, o grupo permitiu a saída de uma empilhadeira e de moldes após ordem judicial e autorização apresentada pela empresa transportadora.

— A gente só quer garantir que o patrimônio que vai a leilão não seja removido. Mas quando tiver ordem judicial detalhando que materiais podem sair, a gente não vai impedir nada — informou o diretor de comunicação do Sindicato dos Metalúrgicos, Beto Osório.

Segundo ele, ainda assim, o grupo vai permanecer por tempo indeterminado acampado em frente à unidade para evitar que "outras coisas" sejam retiradas do local.

Número incerto

Não há número preciso de quantos funcionários estão entre a massa falida. Segundo o administrador judicial da Voges, Nelson Sperotto, havia entre 100 e 150 pessoas  trabalhando na Metalcorte até o decreto da falência. Na unidade de Motores, no Jardim das Hortênsias, ele também são estima haver entre 100 e 150 trabalhadores.

Exceções para retirada

De acordo com o administrador judicial do Grupo Voges, Nelson Sperotto, embora haja impedimento judicial para remoção do patrimônio, bens de terceiros precisam ser devolvidos. Nessa categoria é que se incluiriam os moldes que foram retirados do local. 

— Tem bens de terceiros que precisam ser devolvidos, não é possível que a massa falida queira ficar com eles. Não tem nem o que discutir, é que nem o terreno, só porque trabalharam em cima, não quer dizer que o sindicato os empregados vão ser donos, emprestado é emprestado.

Ele explica que cada pedido passa por intermédio dele próprio, que concede a autorização, ou não, para a retirada. 

— São empresas que trabalhavam para a Voges e que precisam usar esse material para trabalhar com outra empresa. Por isso essa urgência inadiável para retomar esses moldes e produzir em outro local.Imagina uma empresa que tem moldes lá dentro e depende dessas peças para tocar a empresa dela. De uma hora para a outra, essa empresa não pode mais obter essas peças, eles também acabam prejudicados — complementa.

Antes de solicitar formalmente a intervenção judicial para transporte, Sperotto havia informado que se a obstrução permanecesse em frente ao portão, seria necessário acionar a Brigada Miltiar para intervir na situação.

— Foi arbitrariedade do sindicato. Impediram até a entrada de pessoal do RH para dar baixa nas carteiras, o que é de inteiro interesse dos empregados. Até isso impediram, é de uma incompensação inadmissível.  Mas não me compete ficar brigando com ninguém — comenta Sperotto.

Impasse permanece

Sperotto afirmou que não fez contato formal com a Procuradoria-Geral do Município (PGM) com relação à devolução do antigo prédio da Maesa. Porém, reiterou que espera bom senso do poder público em ceder um prazo maior de permanência.

— Em últimos casos, vou ser obrigado a entregar a chave para eles com tudo lá dentro. Não tem como mexer. É uma questão de poucos meses. Posso aceitar uma posse compartilhada, se for tão importante para o município. Nada impede que tenha seus vigilantes, não vou criar esse problema. Mas a massa tem de ter tempo para poder vender.

Leia também
No primeiro ano, Hard Rock Café duplica público previsto por mês Programa de trainee da Ambev recebe inscrições até setembro
Duas empresas de Caxias figuram entre as melhores para trabalhar no país

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros