Nascida no interior de Farroupilha, Maria de Lourdes Anselmi é dona de marca referência em tricô - Economia - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

+Trajetórias12/08/2019 | 07h08Atualizada em 12/08/2019 | 07h08

Nascida no interior de Farroupilha, Maria de Lourdes Anselmi é dona de marca referência em tricô

Com espírito empreendedor, a empresária alinhavou uma história de sucesso 

Nascida no interior de Farroupilha, Maria de Lourdes Anselmi é dona de marca referência em tricô Antonio Valiente/Agencia RBS
Maria de Lourdes Anselmi sempre demonstrou vocação para a costura e o empreendedorismo Foto: Antonio Valiente / Agencia RBS

Das brincadeiras preferidas da infância estava desmanchar o crochê das peças do enxoval da mãe. Sem linha nova, era a maneira que a pequena Maria de Lourdes encontrava para realizar o desejo de crochetar e costurar. Entre os afazeres da roça, na Linha Jacinto, interior de Farroupilha, sempre encontrava tempo para o seu passatempo favorito.

— A gente deixava, fazia a vontade dela — recorda o pai, Segundo Carmelindo Bortolanza.

Aquilo que podia ser considerado simples coisa de criança já revelava a vocação da menina. Aos 12 anos, depois de muito insistir, ganhou dos pais um curso de corte e costura. Filha mais velha de seis irmãos, que imitava a mãe Irma Gema Cecon, já falecida, com a tesoura e as agulhas, dava um importante passo. Mas, talvez, Maria não imaginasse que chegaria tão longe. 

Dona de uma marca que hoje é referência em tricô na América Latina, Maria de Lourdes Anselmi começou produzindo, em casa, 20 camisas que sequer tinham comprador. Saiu com a sacola de peças feitas aos finais de semanas e à noite, após o expediente que cumpria em uma malharia como funcionária, e bateu de porta em porta. Nenhuma loja se interessou. 

— Não vendi nada, nem por isso desanimei — relembra ela. 

Maria queria ter seu próprio negócio e não deixou de alimentar o sonho. Um dia, no trajeto de volta do trabalho, meio que por acaso, conheceu uma representante de roupas. Levou a mulher para casa e mostrou as camisas. Fechou o que seria a primeira de muitas vendas. Ali nascia a Anselmi

— A coisa foi acontecendo na minha vida. Nunca imaginei que ia chegar nesse tamanho. Construí a minha história com os princípios dos meus pais: respeito, não passar ninguém para trás — orgulha-se. 

Já são 38 anos do início, embora, formalmente, a malharia exista desde 1984. Neste período, foram quatro mudanças de sede, até a instalação do parque fabril de 14 mil metros quadrados na Avenida Pedro Grendene, em Farroupilha. Algo talvez impensável para quem começou em um quartinho da casa no bairro São Luiz. 

— Começou com nada e olha onde ela está. Me sinto feliz mesmo — diz o pai, todo orgulhoso. 

FARROUPILHA, RS, BRASIL (10/07/2019)Perfil empresarial de Maria de Lourdes Anselmi fundadora e diretora da malharia Anselmi para o caderno Mais Serra. (Antonio Valiente/Agência RBS)
Maria com a primeira máquina de costuraFoto: Antonio Valiente / Agencia RBS

Trabalho duro

Nos três primeiros anos, Maria trabalhava sozinha em casa, costurando. Os serviços de tecelagem e bordado eram contratados por ela. Com o aumento da demanda, precisou de um espaço mais amplo. Mudou-se com a família para uma casa no centro de Farroupilha e abriu a malharia no porão. 

Precisou também de funcionários. Leodi Daros, 56, vizinha de Maria no São Luiz, era uma delas. Entrou no corte, função que exerce até hoje. Acompanhou de perto a trajetória e evolução da Anselmi. Foi e é peça fundamental no crescimento da empresa. 

— A impressão que dá é que a gente parou no tempo e acordou agora. Parece um sonho — diz a colaboradora. 

Se para Leodi, que está na Anselmi há 30 anos, é difícil acreditar que a malharia ganhou o porte que tem hoje, imagine para a filha de Maria, Patricia, 27 anos de idade. Diretora de marketing da Anselmi, ela se surpreende com a capacidade empreendedora da mãe: 

— Fico pensando, às vezes, como ela conseguiu fazer tudo isso.

O avô de Patricia, Segundo Bortolanza, tem a resposta na ponta da língua: 

— Trabalhando. 

A empresária Maria de Lourdes Anselmi com o pai Segundo Carmelindo Bortolanza e a mãe Irma Gema Cecon (in memoriam).
Com a mãe Irma, já falecida, e o pai Segundo BortolanzaFoto: Acervo pessoal / Divulgação

"Fomos criados nas tramas do tricô"

Uma realização para Maria de Lourdes é ver os três filhos trabalhando na empresa. Cada um em uma atividade, eles dão o suporte que a mãe precisa. Ela garante que nunca forçou nada, e os filhos concordam. E como aquelas crianças, que cresceram correndo em meio às máquinas e fios, poderiam seguir outro caminho que não fosse o de estar ao lado da mãe na Anselmi? 

— Ela fez a gente amar a malharia como ela ama. Ela tem tanto amor que fez a gente se apaixonar. Fomos criados nas tramas do tricô. Somos realizados — resume Sandra, a primogênita e diretora de criação. 

Filho do meio e diretor da empresa — será o sucessor de Maria quando ela se aposentar, o que ainda não tem data para acontecer —, Eduardo nunca se imaginou trabalhando em outro lugar. A vontade, garra, energia e paixão que ela tem pelo negócio são contagiantes, diz: 

— Ela une todos em torno da empresa. A maior lição que ela nos passou é o quanto acredita nas coisas. Às vezes, dá errado, porque é normal, e ela tem capacidade de partir para outra. Tu não derruba ela, não tem como desanimá-la. Olha de onde ela veio, da roça, mulher de caminhoneiro. O que caracteriza minha mãe é acreditar e não ter medo de errar. 

Além de determinada, os filhos a descrevem como superantenada. Não quer perder nenhuma novidade e está sempre de olho nas tendências. A mais nova, Patricia, se orgulha da mãe moderna que tem. 

— Ela nasceu sem freio. Vai numa velocidade (risos). Sempre querendo fazer coisas novas. Eu fiz um curso de futurismo e ela fez também. Todo mundo comentou: "Nossa, que diferente tua mãe fazer." Ela é súper pra frente. Total inspiração — elogia a caçula.  

Além dos filhos, os irmãos de Maria, Marli e Agostinho também trabalham na malharia. Ela é responsável pelo setor de terceirizados e ele é programador. 

Fotos acima: 1. Maria com o filho Eduardo. 2. A filha Patricia; 3. A filha Sandra.

Amiga para a vida toda

Há 30 anos, Márcia Cenatti bateu na porta da Anselmi para oferecer fios de lã. Esperava fechar negócio, claro. O que ela não imaginava é que, além de vender seu produto, ganharia uma amiga. Os laços se estreitaram com o passar do tempo, e Maria só deu provas de que a amizade era para a vida toda. 

— Meu pai precisou fazer uma cirurgia de coração de urgência. Eu estava me deslocando com ele para Porto Alegre. Ela me ligou e disse: "para em Farroupilha". Parei e ela estava me esperando com uma malinha para me acompanhar — recorda Márcia, emocionada. 

As duas viraram confidentes — Maria é sempre a primeira a saber dos problemas e novidades de Márcia — e já compartilharam muitos momentos felizes, como viagens e shows. Maria gosta de música sertaneja, revela a amiga. Além do convívio entre as duas, há o convívio entre as famílias. Márcia considera as netas de Maria como sobrinhas. As meninas até a chamam de tia. 

Recentemente, Maria perguntou a Márcia, que mora em Caxias, por que ela não comprava um apartamento em Farroupilha, em frente à casa dela. Preocupação e desejo de ficar mais próxima da amiga, para cuidá-la. 

— Quando eu casar, ela vai ser minha madrinha. Ela brinca que vai ser minha aia — conta, às gargalhadas. 

Márcia alegra-se com a amizade verdadeira construída com Maria assim como se orgulha da trajetória de sucesso da empresária. 

— Eu me orgulho do que eles fazem, ainda mais quando tem meu fio (risos). Mas, sério, me orgulho muito porque sei como ela cresceu: honestamente. 

E completa:

— Ela só tem um defeito: é mandona. Mas do lado bom — brinca Márcia. 

Fotos acima: 1.  As primeiras camisas, feitas em 1981; 2. As primeiras peças em malha da Anselmi. 

Primeiro emprego e coração de mãe

Maria de Lourdes criou uma empresa que deu certo com a ajuda de muitas mãos. E sempre reconheceu e valorizou cada uma delas. O tempo de serviço dos funcionários na malharia não é a toa. Fabrício Furlanetto, por exemplo, está há 22 anos na Anselmi. Começou parafinando fios, virou programador, depois supervisor de programação e hoje é coordenador geral da tecelagem. Foi seu primeiro e único emprego. 

— Como ela tem conhecimento de costura, sentava na máquina e orientava como devia ser costurado. Sinto ela como uma mãe, sempre orientando. Se errou, ela ajuda — conta. 

Fotos acima: 1. Leodi Daros; 2. Fabrício Furlanetto; 3. Ivete Kukmarski.

Ivete Kukmarski, 49, tem a mesma impressão de Maria. Era uma menina ainda quando foi contratada, aos 17 anos, para o primeiro emprego, ainda na segunda sede da Anselmi. Não sabia fazer nada, mas Maria teve paciência. 

— Ela me ensinou os primeiros pontos — conta a funcionária, que hoje faz acabamento, costura e revisão de peças. 

Mas não foi só isso que Maria fez por Ivete.

— Na minha gravidez, passei por muita dificuldade, pagava aluguel e não tinha dinheiro para o enxoval do bebê. Um dia, ela estava me esperando com um pacote. Me emociono até hoje — recorda a funcionária, com os olhos marejados.

A Anselmi gera, atualmente, cerca de 400 empregos. 

Maria de Lourdes Anselmi

> Nasceu em 7 de fevereiro de 1958, na Linha Jacinto, interior de Farroupilha.
> É filha dos agricultores Segundo Carmelindo Bortolanza, 82 anos, e Irma Gema Cecon (falecida em outubro de 2016).
> É irmã de Marli, Agostinho, Milton, Valtuir e Nelson.
> Fez um curso de corte e costura aos 12 anos.
> Casou aos 16 anos com Reni Anselmi. Está divorciada há 10 anos.
> A primeira produção de Maria foram 20 camisas, em 1981.
> Concluiu os ensinos Fundamental e Médio por volta dos 30 anos de idade. Cursou Gestão Empresarial pela FGV aos 47. — Minha mente abriu com as viagens internacionais, as feiras. Sempre fui buscar conhecimento. Tenho sede de aprender — diz.
> É mãe de Sandra, 44, Eduardo, 41, e Patrícia, 27.
> É avó de Martina e Helena, gêmeas de sete anos, filhas de Sandra e Nilo Borges, e de Iolanda, de quase dois meses, filha de Eduardo e Daiane Mattos Anselmi. 

Veja as sedes da Anselmi: 

Fotos acima: 1. 1981: Primeira sede da Anselmi, na Rua 14 de Julho, bairro São Luiz; 2.  1984: Segunda sede, na Rua Carlos Fetter, Centro; 3. 1986: Terceira sede, na Rua Independência, bairro Centro; 4.  1989: Quarta sede, na Rua Treze de Maio, bairro Centro; 5. 1997: Sede atual, na Avenida Pedro Grendene, Volta Grande.

Lojas 

Além do parque fabril em Farroupilha, com atacado para lojistas, a Anselmi tem quatro lojas próprias. Veja: 

> São Paulo (SP): Iguatemi JK – 2° piso
> Porto Alegre (RS): Iguatemi – 2° piso
> Gramado (RS): Av. Borges de Medeiros, 2753
> Tijucas (SC): Fashion Outlet

Leia também
Preço médio da gasolina em Caxias do Sul volta a cair após alta da semana anterior, aponta pesquisa
Símbolo de revolução econômica na região, estação ferroviária de Bento Gonçalves completa 100 anos
Rede de franquias inaugura sua 4ª academia em Caxias do Sul


 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros