Fim da substituição tributária do vinho deve ocorrer nas próximas semanas - Economia - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Alteração14/05/2019 | 18h15Atualizada em 14/05/2019 | 18h15

Fim da substituição tributária do vinho deve ocorrer nas próximas semanas

Em reunião em Bento Gonçalves, secretário estadual da Agricultura confirmou iminente fim da substituição tributário para o vinho

Fim da substituição tributária do vinho deve ocorrer nas próximas semanas Lucas Amorelli/Agencia RBS
Foto: Lucas Amorelli / Agencia RBS
Pioneiro
Pioneiro

Com objetivo de dar alinhamento final com representantes do setor vitivinícola, o secretário estadual da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural, Covatti Filho, reiterou em reunião em Bento Gonçalves, a iminente retirada da substituição tributária na cadeia do vinho. Promessa de campanha do então candidato ao Governo do Estado, Eduardo Leite (PSDB), a medida deve ser implementada nas próximas semanas.

— Está muito bem encaminhado, o secretário nos deu mais um fôlego de esperança. No máximo em 30 dias deve ser resolvido — acredita o presidente do Instituto Brasileiro do Vinho (Ibravin), Oscar Ló.

Leia mais
Governo do Estado deve revisar substituição tributária do setor vinícola
Fim da substituição tributária pode baixar até 20% preço do vinho gaúcho
Altos impostos fazem bebidas encalhar nas vinícolas da Serra  

A substituição tributária foi criada em 2008 e prevê que a indústria recolha o ICMS não somente sobre a venda do vinho aos mercados, mas também da comercialização do varejo ao consumidor final. Dessa forma, o recolhimento do tributo é antecipado na própria indústria. Como consequência, ao recolherem todo o volume de impostos antes da venda no mercado, muitas vinícolas acabam não tendo capital em caixa para outros investimentos e contraem empréstimos para pagar o ICMS.

— A nossa demanda sempre esbarrou na Secretaria da Fazenda, porque para a Fazenda é muito mais fácil fiscalizar a indústria ou vinícola do que o comércio. Mas para as vinícolas é uma alternativa mais onerosa, porque sempre precisa recorrer ao capital de giro — acrescenta Ló.

Para convencer a Secretária da Fazenda do Estado de que não haveria perda de arrecadação, foram encomendados estudos, que passaram por avaliação do governo. 

— Foi feito cálculo de que talvez no primeiro mês a Receita tenha perda de arrecadação, porque há um prazo maior para recolhimento do imposto, uma vez que o valor não vai ser repassado de uma só vez, como acontece hoje. Por isso, talvez o governo tenha uma arrecadação menor por conta desse prazo, mas nos meses seguintes deve recuperar a conta novamente — explica o presidente do Ibravin.

A medida foi criada para haver maior controle do Estado sobre a sonegação, uma vez que o trabalho de fiscalização foi facilitado ao se concentrar na indústria e não se estender ao varejo.  No entanto, o setor argumenta que, com o sistema de nota fiscal eletrônica, tornou-se mais fácil o controle.

Leia também
Sindicatos se preparam para negociação salarial de metalúrgicos em Caxias e região
Visate adquire 32 ônibus da Marcopolo

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros