Criatividade de autor de personagem Chico, o vendedor raiz, é elogiada - Economia - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Humor29/05/2019 | 11h15Atualizada em 29/05/2019 | 11h29

Criatividade de autor de personagem Chico, o vendedor raiz, é elogiada

Empresário, alvo de brincadeira, e humorista avaliam trabalho de Francisco Cechin Junior 

Criatividade de autor de personagem Chico, o vendedor raiz, é elogiada Marcelo Casagrande/Agencia RBS
Foto: Marcelo Casagrande / Agencia RBS

Entre as propostas "irrecusáveis" de Chico, o vendedor raiz, estão algumas feitas a empresários da Serra. O filho do fundador das empresas Randon foi um dos alvos da brincadeira. Alexandre Randon recebeu uma oferta para trocar seu Mercedes por um Passat e utilizar a diferença em dinheiro da negociação para terminar de construir sua residência. Neco Argenta, dono da rede SIM, foi provocado a comprar um Omega, aproveitando que tem vários postos para suprir a demanda desse tipo de motor que consome muitos litros de combustível.

— Parece que foi um amigo meu que passou informações para ele gravar o áudio. Achei muito criativo e pessoas do meu relacionamento do Brasil inteiro tiveram acesso e estão me mandando mensagens. Pessoas de São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Pernambuco... — destaca Neco Argenta.

Leia mais
Conheça "o guri" por trás de personagem que ganhou a internet com ofertas absurdas
Saiba de onde vem a inspiração para personagem Chico, o vendedor raiz

A aproximação com empresários ocorreu porque Francisco Cechin Junior, o morador de Bento Gonçalves, autor do personagem, foi procurado por alguém influente nesse meio.

— Talvez por se tratarem de homens de negócios, e como proponho um negócio às avessas, eles acabam se identificando com a brincadeira — aposta o autor do personagem.

Além das próprias "vítimas", que se tornam fãs, o trabalho do metalúrgico de Bento é elogiado até mesmo pelo humorista especialista em retratar o comportamento regional.

— Acho que é uma das melhores formas de humor feitas na Serra nos últimos tempos. Acertou na veia na linguagem do italiano malandro (furbo) e no conteúdo, usando um valor muito caro aos moradores da Gringolândia, o carro — analisa Carlos Henrique Iotti, que criou o personagem Radicci, há mais de 35 anos.

Leia também
Despedida do Nonno comove São Francisco de Paula

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros