Conheça a "batcaverna" de ultraleves sediada em Caxias - Economia - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

+Serra29/04/2019 | 10h45Atualizada em 29/04/2019 | 11h11

Conheça a "batcaverna" de ultraleves sediada em Caxias

Em uma pequena oficina, aos fundos de uma auto elétrica, empresário caxiense fabrica e conserta aeronaves de pequeno porte

Conheça a "batcaverna" de ultraleves sediada em Caxias Porthus Junior/Agencia RBS
Nei Sebben (ao centro), auxiliado p or Fortuna (E) e Serafini (D), na fábrica do bairro Pio X Foto: Porthus Junior / Agencia RBS

“Essa é a batcaverna”, anuncia o empresário Nei Sebben ao apresentar ao Pioneiro uma pequena sala aos fundos da autoelétrica e comércio de baterias que administra há mais de 30 anos no bairro Pio X, em Caxias. Ali, no discreto imóvel, ele também comanda a Trike Explorer, empresa que atua no conserto e fabricação de ultraleves.

Ao conciliar o hobby por aviação cultivado há mais de três décadas, o projeto paralelo surgiu naturalmente. O que inicialmente começou como uma exploração de nicho despretensiosa hoje praticamente detém o monopólio do serviço na região, pois não há concorrência. Ainda assim, ele afirma que manter uma produção “contida”, quase de garagem, lhe agrada:

– Eu não tenho registro, nem sequer divulgo e mesmo assim não dou conta da demanda. Se eu fosse entrar de cabeça iria ter que sacrificar minha paixão que são os aviões e começar a trabalhar em nível industrial. Às vezes até cogito expandir, mas, se ficar preso em construir e vender, vou deixar de fazer o que mais gosto: eu quero é voar – comenta.

Para dar conta da procura, outros dois amantes da aviação lhe auxiliam: o técnico em elétrica Gustavo Serafini e o militar da reserva Vilson Fortuna, que por mais de 30 anos exerceu atividades voltadas à área no 3º Grupo de Artilharia Antiaérea (3º GAAAe). O trio trabalha, em média, em quatro ou cinco aeronaves a cada 10 dias, de forma simultânea. Apenas cerca de 10% do serviço são terceirizados (pintura e dobras de tubos). 

A maior parte dos atendimentos é para manutenção. Porém, por ano, são fabricadas – integralmente – média de cinco ultraleves, embora, conforme Sebben, “se produzíssemos um por mês, sairia tranquilo”.

– Começou como passatempo, hobby, e hoje trabalhamos à noite, sábados e domingos. Entre conciliar a autoelétrica e aqui acabo trabalhando das 7h à meia-noite – comenta Sebben.

A estrutura é modesta. Praticamente um minitorno, uma fresa, um balanceador de hélices e outras ferramentas de pequeno porte são suficientes para os três conseguirem montar o que denominam de “brinquedos”.

– Em Caxias tem uns 15 brinquedos (ultraleves). Há uns três anos, éramos em uns quatro ou cinco. Começou a surgir gente da região. Fazemos serviços para Bom Princípio, Feliz, outras cidades do Estado – explica.

Cada ultraleve tem média de 2 metros e 30 centímetros de comprimento (carrinho mais motorização) e mais de 10 metros de largura (asas). Sebben informa que os modelos fabricados pela Trike Explorer variam de R$ 25 mil a R$ 200 mil.

“Não é para ser barato. Não industrializar”

Por não possuir formalização como metalúrgica, a Trike Explorer acaba desenvolvendo trabalho num modelo quase cooperativo. Todos os clientes são amigos e colegas da prática do voo. A proximidade da relação e a paixão pela atividade tornam o trabalho, segundo Nei Sebben, mais dedicado aos detalhes.

– A mentalidade da indústria é diferente, com eles o método é “vamos vender barato e ganhar dinheiro”. Eu faço o contrário: não é para ser barato, apesar de ser, tem de fazer o melhor possível, peça por peça, quase artesanal. Não industrializar. Nosso trabalho é 100% metódico.

Esclarece:

–Nunca pensamos em pôr outra peça porque vai custar menos. Não pode pensar assim. O cliente pode se assustar no início, mas é a segurança dele, é uma engenharia muito delicada para arriscar.

No Brasil, explica, há apenas uma empresa do ramo registrada, a Trike Ícaros, em Garulhos (SP). Os modelos comercializados pela companhia paulista, no entanto, custam praticamente o dobro do preço praticado pela Trike Explorer, segundo Sebben.

–Quando você institui uma indústria, tem de homologar todos os processos de fabricação junto a Anac (Agência Nacional de Aviação Civil), cada aeronave já sai com nome da pessoa com prefixo. Tudo isso custa muito e é repassado para o produto – informa.

Para driblar a burocracia, a Trike Explorer fotografa todo o processo de fabricação, que passa por avaliação e recebe assinatura de engenheiro aeronáutico contratado pela empresa, que encaminha o processo para registro para a Anac.

CUSTOS E REQUISITOS

Faixa de preço

- Os ultraleves variam de R$ 25 mil (modelos simples, para uma pessoa), até R$ 1 milhão (importados).

-  Para a maioria dos ultraleves não é necessário brevê (diploma de piloto), pois a legislação não obriga a certificação para pilotagem de modelos com menos de 200 kg.

- Os ultraleves têm custo baixo de manutenção. Nei Sebben estima que sejam gastos entre R$ 2 mil e R$ 3 mil para cada 200 horas de voo (média de três ou quatro anos).

Onde voar:

Na região, os ultraleves geralmente decolam ou pousam em uma pista na localidade de Vila Oliva, interior de Caxias, onde há uma faixa de 400 metros de extensão para aerotrekkings.

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros