Começa a safra da laranja na Serra - Economia - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Fruticultura15/04/2019 | 06h15Atualizada em 15/04/2019 | 10h26

Começa a safra da laranja na Serra

Região responsável por 80% da produção de laranjas de mesa no Estado deverá gerar 19 mil toneladas neste ano

Começa a safra da laranja na Serra Antonio Valiente/Agencia RBS
Razadori, que obtém uma renda extra com a laranja, começou a colheita no início de abril no interior de Caxias do Sul Foto: Antonio Valiente / Agencia RBS

Uma das culturas com o período de colheita mais alongado no Rio Grande do Sul, a laranja começa a render seus primeiros frutos na Serra. De abril a novembro, a região deve colher 19 mil toneladas da fruta, segundo estimativa do escritório regional da Emater em Caxias do Sul. O número fica dentro da média histórica e se assemelha ao registrado no ano passado, quando as propriedades serranas retiraram 19,5 mil toneladas das laranjeiras. 

Leia mais:
Colheita da laranja na Serra deve se intensificar a partir de maio

A Serra responde por 80% das laranjas de mesa produzidas em solo gaúcho. Ao todo, 870 produtores trabalham na atividade na região, com uma área plantada que chega a 1,2 mil hectares. Boa parte dos fruticultores provém da agricultura familiar, contando com pequenas áreas da fruta, com média de um a dois hectares. Esse é o caso de Eleandro Razadori, que cultiva menos de um hectare em Caravaggio da Terceira Légua, no interior de Caxias do Sul.  

Razadori foi um dos primeiros produtores a iniciar a colheita em 2019, ainda no início de abril. Neste ano, ele deve obter em torno de 5 toneladas de laranja do céu, variedade que ocupa quase toda a área plantada em sua propriedade. O carro-chefe do produtor é a uva, mas ele decidiu apostar na laranja para ter uma alternativa de renda extra e também pela facilidade no manejo.  

– O bom da laranja é que não coincide com a safra da uva. E praticamente não temos despesa. É só manter limpo o pomar e o que Deus manda nós colhemos. Não aplicamos nenhum produto – afirma.  

O destino da produção dos Razadori costuma ser o Ponto de Safra, feira realizada semanalmente em Caxias. Além disso, uma parcela dos frutos é vendida para supermercados da região.  

CAXIAS DO SUL, RS, BRASIL (10/04/2019)Produtores da Serra começam a colheita da laranja. Na foto, Eleandro Razadori, em Caravaggio da Terceira Légua. (Antonio Valiente/Agência RBS)
Serra produz 80% das laranjas de mesa no EstadoFoto: Antonio Valiente / Agencia RBS

Colheita tardia é particularidade da região 

Uma das principais características da Serra em relação às demais regiões produtoras de laranja no Brasil é a possibilidade de uma colheita tardia. Em geral, o auge da atividade no Estado costuma ocorrer entre maio e junho. No entanto, algumas propriedades serranas optam por postergar o ciclo do cultivo, chegando a retirar os frutos dos pomares por volta de setembro ou outubro. Em alguns casos, é possível encontrar produtores com frutas até em novembro.  

– O grande trunfo da Serra é a produção tardia. Isso ocorre essencialmente por conta do clima mais frio. Alguns produtores optam por plantar para colher de agosto em diante – destaca Enio Todeschini, engenheiro agrônomo da Emater de Caxias do Sul. 

Como consequência, a colheita na entressafra garante incremento na renda dos fruticultores. O produtor Clemente Valandro, da comunidade de São Miguel, no interior de Farroupilha, só cultiva variedades tardias de laranja em seus 15 hectares de pomares. Enquanto a maioria se prepara para colher, Valandro ainda está fazendo adubação e roçada em sua área.   

– Cheguei a cultivar caqui e uva, mas desisti. Pelo nosso clima na Serra resolvi plantar só laranja e bergamota tardia. Vem dando certo – diz Valandro.  

Para Valandro, a colheita só deve começar no fim de setembro e seguirá até novembro. Ele espera colher até 400 toneladas da fruta. Segundo o produtor, o preço pago pelo quilo das variedades tardias fica na faixa de R$ 1,50 a R$ 2,00, mais do que o dobro em relação à laranja colhida entre o outono e o inverno.

Em função da particularidade da colheita tardia, os números da safra serrana ainda podem oscilar dependendo de como for o inverno, segundo Todeschini. A ocorrência de granizo ou geada pode acabar influenciando no resultado final. No entanto, no momento, a tendência é de que a leve diminuição no número de frutos em relação à safra passada seja compensada pelo maior calibre das laranjas a serem colhidas.

+Serra


 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros