Altos impostos fazem bebidas encalhar nas vinícolas da Serra - Economia - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Vinhos, sucos e espumantes17/01/2019 | 09h14Atualizada em 17/01/2019 | 09h15

Altos impostos fazem bebidas encalhar nas vinícolas da Serra

Dados do departamento técnico Instituto Brasileiro do Vinho (Ibravin) apontam para uma estimativa de 240 milhões de litros em estoque

Altos impostos fazem bebidas encalhar nas vinícolas da Serra Lucas Amorelli/Agencia RBS
As cantinas da Serra estão abarrotadas de garrafas de vinhos, sucos e espumantes Foto: Lucas Amorelli / Agencia RBS

As cantinas da Serra estão abarrotadas de garrafas de vinhos, sucos e espumantes. Dados do departamento técnico Instituto Brasileiro do Vinho (Ibravin) apontam para uma estimativa de 240 milhões de litros em estoque. Desses, 40 milhões são de vinhos finos. Além disso, outros 15 milhões de quilos de mosto concentrado também estão armazenados nas vinícolas. O presidente da União Brasileira de Vitivinicultura (Uvibra), Deunir Argenta, lembra que há pelo menos uma década os estoques não estavam tão altos.

– Estamos com três safras da categoria vinífera estocadas e mais de uma dos vinhos de mesa – calcula.

A maioria das vinícolas com altos estoques não revela seus números. Na  cooperativa Nova Aliança, de Flores da Cunha, o problema está na categoria vinhos de mesa. São 4 milhões de litros sobrando, segundo o diretor comercial Fernando Matana. De vinhos finos, são mais 300 mil litros.

– Há mais de cinco anos não tínhamos estoques tão altos – revela Matana.

Dados da Uvibra indicam que, em 2018, foram produzidos cerca de 20 milhões de litros de vinhos finos. Até novembro do ano passado, foram  vendidos 14 milhões de litros. Nesta categoria estariam sobrando 6 milhões de litros nas caves somente da safra passada. A causa, segundo Argenta, é basicamente uma: impostos. Isso desencadeia vários fatores, como a concorrência acirrada com os importados. Atualmente, os vinhos chilenos,por exemplo, entram no Brasil zerados de encargos, informa  Argenta. 

– Não tem como competir, já que os impostos federais e estaduais representam 63% do custo de venda de uma garrafa de vinho – reclama o presidente da Uvibra.

Vendas estagnadas

Os números do Ibravin indicam, entre janeiro e outubro de 2018, alta de 12,8% nas vendas dos produtos derivados de uva. No entanto, na categoria dos vinhos finos houve queda de 3,42% na comercialização em comparação com igual período de 2017.

– Devemos fechar o ano de 2018 com vendas estagnadas - diz Argenta.

O consolo é que as importações também caíram: -9,77%. Ainda assim, dos 115 milhões de litros de finos vendidos até novembro no país, 101 milhões (88%) foram de importados. Somente 14 milhões (12%) são produção brasileira. 

– O Chile vendeu três vezes mais que o Brasil – diz Argenta.

No setor de espumantes, os números são mais animadores: 65% nacionais e 35% estrangeiros. Não à toa, Farroupilha conquistou recentemente o título de capital nacional do moscatel.

Leia também
Morre em Caxias do Sul Ambrósio Bonalume, presidente da Fucs 
Solidariedade de moradores de Caxias do Sul reescreverá histórias de jovens sem família  

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros