21 amostras de vinhos são aprovadas para a Denominação de Origem Vale dos Vinhedos - Economia - Pioneiro

Vers?o mobile

 
 

Vinicultura11/12/2018 | 19h54Atualizada em 11/12/2018 | 19h54

21 amostras de vinhos são aprovadas para a Denominação de Origem Vale dos Vinhedos

Pela primeira vez, todas as amostras foram aprovadas por todos os avaliadores 

21 amostras de vinhos são aprovadas para a Denominação de Origem Vale dos Vinhedos Tatiana Cavagnolli/Divulgação
Foto: Tatiana Cavagnolli / Divulgação

 Vinte e uma amostras, provenientes de nove vinícolas, foram aprovadas para a Denominação de Origem Vale dos Vinhedos  (DOVV), safra 2018, na Embrapa Uva e Vinho, em Bento Gonçalves. Pela primeira vez, todas as amostras foram aprovadas por todos os avaliadores.

Segundo Daniel de Paris, presidente do Conselho Regulador da Indicação Geográfica Vale dos Vinhedos e diretor técnico da Aprovale (Associação dos Produtores de Vinhos Finos do Vale dos Vinhedos), a quantidade de amostras inscritas e aprovadas é resultado da evolução qualitativa do processo de elaboração, e da qualidade da uva colhida durante a Vindima 2018. 

Leia mais:  
Produtores do Vale dos Vinhedos ganham registro de denominação de origem

— Os vinhos da DOVV 2018 tiveram um resultado fantástico em avaliação sensorial. Pela primeira vez na história, tivemos 100% das amostras aprovadas por unanimidade. É um ano histórico para o Vale dos Vinhedos, e o resultado reflete na taça: teremos produtos de excelente qualidade em breve no mercado — explica Paris.

Desde 2012, ano em que o  Instituto Nacional de Propriedade Industrial (INPI) reconheceu a denominação do Vale dos Vinhedos, o processo está se consolidando e assegura ao consumidor que os vinhos que carregam o selo de identificação são únicos, pois são elaborados na área delimitada. São vinhos tintos, brancos e espumantes que fazem parte de uma seleta carta de vinhos que reflete a cultura, história e características do terroir do Vale dos Vinhedos, único no mundo.

COMO FUNCIONA O PROCESSO?

1. Envio do Formulário de Declaração de Safra juntamente com as atualizações das informações cadastrais das vinícolas solicitantes. As vinícolas devem comprovar através desta documentação a procedência da uva utilizada, que deve ser da região demarcada.

2. São colhidas amostras dos vinhos inscritos diretamente nas vinícolas solicitantes: sete garrafas por amostra são coletadas pelo consultor técnico da Aprovale, para facilitar as operações dos diferentes laboratórios envolvidos: da Embrapa Uva e Vinho e do Laboratório de Excelência do Estado (Laren). Estas amostras são armazenadas em garrafas específicas para o processo, identificadas por códigos conhecidos somente pelo consultor que as coletou.

3. As amostras são encaminhadas para análise sensorial. Aspectos organolépticos qualitativos e quantitativos serão avaliados por um comitê de degustação qualificado, composto por enólogos indicados por associados da Aprovale, um enólogo da Associação Brasileira de Enologia e três técnicos indicados pela Embrapa Uva e Vinho. Aspectos visuais, olfativos, gustativos e tipicidade varietal são avaliados às cegas pelos participantes, que apresentam seu parecer individual.

DENOMINAÇÃO 

O selo oficial da Denominação de Origem Vale dos Vinhedos foi Instituto Nacional de Propriedade Industrial (INPI) em 2012. Para fazer parte da seleta lista de vinhos, as vinícolas precisam atender às normas estipuladas. Entre elas:  variedades e cortes permitidos, o cultivo e a origem da uva, a forma de elaboração do produto e a qualidade.

Leia também:
Vinhos e espumantes brasileiros conquistam 80% mais medalhas no Exterior 
"50% do faturamento da Visate vai para a folha de pagamento", diz diretor da concessionária

 


 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros