Venda da fundição da Dambroz de Caxias não está homologada - Economia - Pioneiro

Versão mobile

 

Indústria 27/11/2018 | 14h25Atualizada em 28/11/2018 | 06h34

Venda da fundição da Dambroz de Caxias não está homologada

Compra da UPI Fundição, um dos segmentos da Dambroz Implementos Rodoviários, foi aprovada em assembleia. A compradora é  a Biehl Metalúrgica de São Leopoldo, a mesma que adquiriu a atual Eberle Motores

Venda da fundição da Dambroz de Caxias não está homologada Beto Osorio/Divulgação
Foto: Beto Osorio / Divulgação

O atual diretor da Eberle Motores, Eduardo França, confirmou no início da tarde desta terça-feira que Biehl Metalúrgica, de São Leopoldo, está negociando a compra da empresa Dambroz Implementos Rodoviários de Caxias do Sul. A venda foi aprovada em assembleia com funcionários e credores no dia 9 de novembro. 

O negócio, no entanto, ainda não foi homologado e por isso ainda não assumiu qualquer responsabilidade referente ao pagamento de salários atrasdso ou dívidas trabalhistas.

— Se a venda for homologada, o primeiro pagamento será em 90 dias — explica França. 

Leia também:
Após mais de 50 demissões, trabalhadores protestam pela segunda vez na Dambroz, em Caxias
Ex-funcionários da empresa Dambroz protestam por falta de pagamento rescisório em Caxias

Na manhã desta terça-feira (27), cerca de 15 ex-funcionários da Dambroz protestaram em frente à unidade de Implementos Rodoviários da empresa, no bairro Delazzer, em Caxias do Sul.  Eles alegam que não receberam pagamento de rescisões trabalhistas. No grupo de manifestantes estavam pessoas que foram desligadas neste mês até ex-trabalhadores demitidos há cinco anos.

— A pessoa que comprou a empresa disse que vai nos pagar em 90 dias, em 15 vezes, apenas 70% do nosso acerto. Só que tínhamos acerto marcado para o dia 22 e não apareceu ninguém, não deram satisfação e não explicaram nada. Estamos protestando para saber quem vai pagar - questionou Sidnei Camilo, que há cerca de 15 dias foi desligado da empresa, onde trabalhava há 11 anos.

A falta de esclarecimentos sobre a situação da empresa preocupa os ex-funcionários que temem que a pendência se arraste sem resolução, como é o caso de Adelar Borges Pereira, que há cinco anos foi demitido e desde então não recebeu o valor previsto da rescisão:

— Tenho 80 mil para receber. O sindicato (dos Metalúrgicos) colocou na Justiça, mas nada até agora. Aqueles R$ 80 mil não valem nem metade agora provavelmente. Nem imagino quando esse rolo vai ser resolvido — desabafou Adelar, desemprego há dois anos.

ENTENDA O IMPASSE DA EBERLE MOTORES

Junho de 2013:  o Grupo Voges entra na Justiça pedindo recuperação judicial. As dívidas ultrapassam os R$ 358 milhões.

12/9/2018: Sindicato dos metalúrgicos de Caxias anuncia que a unidade de motores do grupo pode ser vendida.

21 e 24/9/2018: assembleias no Sindicato dos Metalúrgicos com ex-funcionários e demais credores aprovam a venda da unidade de motores para a Biehl Metalúrgica, de São Leopoldo. Nos encontros, são anunciados acordos para o fechamento do negócio. Ente eles, o pagamento de cerca de 20% dos processos trabalhistas, a promessa de investimentos na unidade, manutenção dos empregos (130) e contratação de novos funcionários.

1/10/2018: assume a nova diretora da empresa, já com o CNPJ Eberle Motores.

31/10/2108: encerra o prazo para o pagamento da primeira parcela das dívidas de R$ 2 milhões. 

14/11/2018:  começa o impa de como será feito o pagamento aos credores. O diretor da Eberle Motores quer depositar o dinheiro diretamente na conta dos trabalhadores. O secretário-geral do Sindicato dos Metalúrgicos, Leandro Angonese, diz que passou pelo menos duas semanas recolhendo dados dos ex-funcionários que que possam receber as indenizações diretamente em uma agência bancária. A Justiça pede o depósito judicial, com restrições à carta fiança disponibilizada pela Biehl Metalúrgica. 

20/11/2018: o Sindicato dos Metalúrgicos de Caxias do Sul e região pede (em nota) a anulação do acordo de compra e venda da Voges Motores, adquirida em setembro pela Biehl Metalúrgica, de São Leopoldo. Entre os motivos está o não cumprimento por parte da empresa do pagamento da primeira parcela dos trabalhadores. 

21/11/2018: O diretor da Eberle Motores, Eduardo França, anuncia que o dinheiro da primeira parcela das dívidas de R$ 2 milhões estará disponível na 2ª Vara do Trabalho de Caxias na sexta-feira, dia 23, mas que a aceitação do depósito depende do juiz do trabalho.

23/11/2018: Juiz do Trabalho não aceita o depósito do pagamento. 

26/11/2018: Diretor da Eberle Motores reúne os funcionários da empresa e anuncia a decisão do juiz.  Eduardo França garante que já investiu R$ 4 milhões na unidade, contratou 50 novos funcionários e está firmando parcerias com empresas internacionais para impulsionar o negócio. Funcionários garantem que o clima com a nova gestão é de esperança e otimismo. 

27/11/2018: a Eberle Motores confirma a compra da UPI Fundição, segmento da Dambroz Implementos Rodoviários. O negócio ainda não foi homologado pelo juiz. Funcionários fazem manifestação em frente a Dambroz pelo não pagamento das dívidas trabalhistas.

Leia também:
Nova obra ocorre nesta terça para finalizar implantação de adutora entre Gramado e Canela

 
 
 

Veja também

 
Pioneiro
Busca
clicRBS
Nova busca - outros